NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

30 de jun de 2010

QUARTAS DE FINAL - PROGNÓSTICOS

Agora não há mais muita desigualdade entre os confrontantes, de modo que passa a ser muito mais difícil opinar (digo, chutar) sobre quem vence os próximos confrontos da Copa.
Contudo, tal qual o personagem de Prolix, de "O Adivinho", que "lia o futuro" nas entranhas de peixes, e pretendia lê-lo nas tripas do cachorrinho Ideiafix, faço aqui previsões irrefutáveis (ao menos até o momento em que o jogo começar). Vamos lá, por ordem cronológica dos jogos:

Sexta-feira:
11h - BRASIL (3V, 1E, 8GP, 2 GC) X HOLANDA (4 V, 7GP, 2 GC - ambos de pênalti):
Acho que somos favoritos, pela fortaleza de nossa defesa. A zaga deles é apenas razoável, malgrado o goleiro Stekelenburg venha fazendo grande Copa - o melhor ao lado do suíço Benaglio e do ganês Kingson. No meio, Sneijder (e Van Bommel) pode nos complicar, dada a combinação com Robben aberto pela direita, em cima do Michel Bastos, e Kuyt pela esquerda.
Para amarrar o jogo do Robben alguém vai precisar ajudar o Michel (como foi feito na final da Champions League, com Chivu na lateral e Cambiasso na cobertura) para que Robben não venha em diagonal, da direita para a esquerda e chute a gol ou faça passes. Será o Josué, provavelmente, o encarregado desse serviço, ficando Felipe Mello e Gilberto Silva encarregados de barrarem os meias holandeses. Aí está o segredo do jogo, a meu ver.
Se deixarem esse quarteto de netherlands jogar, com a ajuda de Van Persie (que anda apagado) no comando de ataque, a coisa pode se complicar. Mas, ainda assim, dada nossa superioridade defensiva (zaga mesmo - Maicon, Juan e Lúcio, mais goleiro), penso que dá Brasil, no sufoco.

15H30 - URUGUAI (3V, 1E) X GANA (2V - uma na prorrogação, 1E, 1D): Dá Uruguai, se considerarmos a tradição. Dá Gana, se levarmos em conta o fato de ser o último africano na Copa, e contar com o apoio geral daquele continente - a torcida deverá ser esmagadoramente a favor dos ganeses.
No frigir dos ovos, pela consistência defensiva (Uruguai sofreu apenas um gol, Gana já foi quatro vezes buscar a redonda no fundo das redes), pela garra que o Uruguai vem demonstrando, pela confiança perdida há anos e agora readquirida, e pelo belo trio ofensivo (Luisito Soares, Forlán e Cavani), aposto no Uruguai, vencendo por diferença mínima (um a zero, dois a um).
Parece que o Oscar Tabarez inverterá as posições desse trio ofensivo na cancha, recuando Cavani para enganche- por ser mais jovem e mais forte - e adiantando Forlán para poupá-lo um pouco do desgaste físico. Desmanchará, assim, o que deu certo da segunda rodada até agora. Se em vinte ou trinta minutos a estratégia não der resultado, ele volta para a formação já testada.

Sábado
11h - ARGENTINA (4V) X ALEMANHA (3V, 1D):
Aqui a minha torcida não coincide com meu palpite. Argentina é minha preferida, mas acho que dá Alemanha.
Os alemães jogaram muito bem contra Austrália e Inglaterra (malgrado o gol inglês não anotado pelo Larrionda pudesse ter mudado esse jogo), razoavelmente na derrota para a Sérvia, e mal na vitória contra Gana. Já marcaram 9 vezes.
Os argentinos por sua vez, tem 10 gols anotados, mas uma defesa preocupante. Eu escalaria Otamendi, Burdisso, Samuel - voltando de contusão e Heinze. Maradona deve optar pelo lento Jonas Gutierrez, Samuel, o lento e fraco De Michelis - tem a única vantagem de jogar na Alemanha, no Bayern München, time de sete dos alemães - e Heinze.
Na meia, aparentemente Verón ficará no banco para dar lugar a Maxi Rodriguez - piorando um pouco a distribuição do jogo para reforço da marcação, e o tímido (nesta Copa) Di Maria cede passo a Pastore.
Para que os portenhos ganhem, tem que ser o dia do craque. Messi tem de fazer uma daquelas atuações típicas de quando veste a azul-grená do Barcelona, enfileirando todo mundo, e perdendo a virgindade metendo uns dois gols. Tevez e Higuain terão de jogar bem.
Pela lógica, Alemanha. Pela torcida, 3X2 para a Argentina.

15H30 - PARAGUAI (2V, 2E) X ESPANHA (3V, 1d):
O único prognóstico que considero fácil. O Paraguai realmente parece já ter cumprido seu papel e está pronto para voltar a Assunção nos braços de sua torcida. Um ataque débil - 3 gols, dois jogos em branco, contra um time que tem a bola em seus pés durante 60 ou 70% do tempo de jogo, e que embora ainda não tenha acertado o pé em seus arremates, conta com David Villa com 4 gols e em ótima forma. Há, ainda, o avante Fernando Torres, os meias Xavi e Iniesta, os reservas Llorente, Fábregas, Jesus Navas, Pedro, todos eles com vocação ofensiva. A Espanha, aqui, nem querendo será o cavalo paraguaio. Vitória por dois gols dos espanhóis.

Quem viver, verá. Como disse o magrão - não o Sócrates: "em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes, e não o viram; e ouvir o que ouvis, e não o ouviram". Vai por mim! Dominus verbum.

29 de jun de 2010

OITAVAS - JOGO 8 - ESPANHA x PORTUGAL

A Espanha voltou ao seu patamar de favoritismo, ou seja, é uma das principais favoritas ao título, agora que chegou às quartas-de-final. Depois de um jogo em que dominou completamente (contra a Suíça) mas mesmo assim perdeu, os outros jogos, sem mudança de panorama no controle de jogo, resultaram em vitórias - 3 em seqüência. Honduras, Chile e Portugal foram vencidos pelo futebol de toque e posse de bola espanhóis. É um time que por jogar limpo comete poucas faltas, hoje tomou o seu primeiro amarelo na Copa, não deve sofrer com desfalques, apenas tem Fernando Torres em má forma física e técnica.
Portugal disparou apenas 9 chutes a gol, e só 3 no arco; quase fez um gol porque Casillas estava muito inseguro no jogo de ontem. A Espanha, por seu turno, arrematou 19 vezes, 10 na meta. Eduardo, goleiro português foi, sem dúvida, o melhor em campo.
O time espanhol, depois desse jogo duro contra os lusos, deve ter uma baba contra o Paraguai - é a maior favorita para classificar-se às semis entre todos os quadrifinalistas. Brasil X Holanda (semi 98), Alemanha X Argentina (finais de 86 e 90) são duelos equilibrados por cima. Gana X Uruguai é nivelado por baixo, o Uruguai seria favorito pela tradição não fosse ser Gana o último time africano na disputa, com o incentivo de todo um continente. Só Espanha X Paraguai me parece um confronto desequilibrado em favor dos ibéricos.
A Espanha martelou 90' sobre um time retrancado, covarde até. Portugal abdicou do jogo e mereceu cair. Os lusos sofreram só um gol na Copa, exatamente este marcado por David Villa (olé), o melhor atacante da Copa até agora. Com 4 gols, tem grandes chances de ser o artilheiro, pois tem pelo menos um jogo fácil pela frente. Excetuando Ronaldo em 2002, que fez oito, desde 1974 os artilheiros sempre fizeram 6 gols.
Quem vai atacar a Espanha? Contra-atacar, tudo bem, há quem possa. Tomar as rédeas do jogo, acho que ninguém. A Espanha voltou, e pra mim já é a primeira semifinalista. Será que a Fúria finalmente apaga a sua fama de amarelona e surgirá como a nova campeã mundial?
É possível, pois a par de ter um time muito bem montado, conta ainda com pelo menos quatro grandes jogadores em seu time (Xavi, Iniesta, Villa e Torres - embora este, como já disse, sem suas melhores condições físicas).

OITAVAS - JOGO 7 - PARAGUAI x JAPÃO

Não há muito o que falar sobre o jogo. Faltou futebol, faltou emoção, sobraram minutos (mais de 120 jogados). Duas ou três chances mais ou menos claras para cada time em todo o jogo. Gol na cara, perdido, nenhum. Ao final, disputa por pênaltis.
Aí, mais uma vez, faltou qualquer drama na contenda. Todos os pênaltis foram convertidos, à exceção de um chutado na trave por um japonês. Os goleiros não pegaram nenhuma cobrança. Final: Paraguai 5x3 nos nipônicos. Foi um jogo de futebol falsificado.
O Paraguai pega Espanha ou Portugal (jogo de daqui a pouco); acho que já cumpriu seu papel no Mundial. Ir a uma semi-final seria demasiado para o time paraguaio.
Sobrou apenas o choro convulsivo de Gerardo Martino, o técnico paraguaio, treinador do quarto classificado sulamericano entre oito quadrifinalistas. Não é fácil, realmente, pegar um timeco e colocá-lo entre os oito melhores do mundo. O Paraguai tem 7 milhões de habitantes, uma pobreza absurda. O Uruguai 3,5 milhões de habitantes, vive no passado (no máximo na década de 70, virou um pequeno apêndice da Argentina). Esses dois "povoados" mostraram seu valor nesta Copa, fizeram campanhas que entrarão para suas histórias. Que tais campanhas sejam prenúncio de algo melhor para nossos vizinhos.
O único desclassificado de sudamerica (Chile) perdeu para o Brasil - outro dessas plagas. Que Copa para a América do Sul! Diria o sumido Belchior que "um tango argentino me vai bem melhor que um blues"; antes o Paraguai que o Japão, antes o Uruguai do que a Eslovênia; antes a Argentina do que o México.

28 de jun de 2010

OITAVAS - JOGO 6 - BRASIL-IL-IL x CHILE

O Chile foi melhor nos primeiros dez minutos. Então, o Brasil tomou conta do jogo por 15 minutos. O Chile voltou a se encontrar, equilibrando a peleja, tentando lançamentos pelo meio, entre os dois zagueiros brasileiros.
O nosso Ramires, do JEC, jogava bem, roubando bolas, chutando a gol, procurando Maicon pela direita. Kokô mais apagado que luz de pobre. Robinho e Luis Fabiano ausentes do jogo.
Até que num escanteio, Juan abriu o placar. Um a zero, sem merecer, contudo. Logo depois, no entanto, num contra-ataque puxado por Robinho, e passe da Bispa Sônia, gol de Luis Fabiano, após driblar Bravo.
Voltamos para o 2°T, na mesma pasmaceira do primeiro tempo. Até que, aos 14', RAMIRES, o jequeano, fez uma jogada espetacular, e entregou a bola para o Robinho, que só teve o trabalho de meter nas redes, num belíssimo gol. RAMIRES, com essa bola, já está vendido do Benfica para um time grande - a proposta da Fiorentina é só a primeira e haverá proposta melhor, só basta ver quem o levará, e alguns caramiguás pingarão nos cofres do JEC - a multa rescisória é de 30 mi de Euros - provavelmente 1,5 milhões de Euros, ou seja, uns 4 milhões de reais aportarão na Arena. Pra mim, já deveria ser feita uma estátua do jogador em frente à Toca do Coelho. Serão uns 8 milhões de reais em nossos cofres só por um jogador. E pensar que conseguimos, na "grande" gestão Mauro Bartholi - grandessíssimo malfeitor do JEC - terceirizar (diga-se acabar) com as divisões de base do JEC. Em tempo, RAMIRES foi escolhido como o melhor em campo pelo PVC, na ESPN Brasil, voto com o qual concordo, e inclusive referendei ao escolhê-lo no site da FIFA (ou ele ou o Juan deveriam ser escolhidos). É claro que o melhor em campo foi alguém que fez um gol: Robson bailarino, aquele do Ratinho.
Voltando ao menos importante - a Copa do Mundo. Tivemos hoje, entre todos, o jogo mais fácil das oitavas-de-final. Em parte porque o Brasil é bom mesmo; em parte porque o Chile é uma grande porcaria, um timeco, que em 66 jogos venceu o Brasil apenas 7 vezes. Vai ter sorte assim lá em Joanesburgo. O Brasil pode ser campeão com apenas dois jogos com alguma dificuldade: a Holanda, na próxima sexta-feira, e a final, contra Argentina, Alemanha ou Espanha. Se a semi for contra o Uruguai o jogo pode ser difícil pela rivalidade sulamericana. A Alemanha, para ser campeã, pode ser obrigada a vencer Inglaterra, Argentina, Espanha e Brasil, em seqüência.
Não consigo torcer para esse time brasileiro. Sei lá, sou muito mais JEC do que essa seleçãozinha. Acho que a Holanda mata o Brasil na sexta-feira, se o IDH for determinante; na bola não sei. Vamo que vamo.

OITAVAS - JOGO 5 - HOLANDA x ESLOVÁQUIA

Um jogo com início muito aberto, as duas seleções com espaço para vários chutes em poucos minutos, até que aos 18', após lançamento de 50 metros de Sneijder, Robben pegou pela direita, driblou seu marcador e chutou de fora da área, de esquerda, no canto baixo esquerdo de Mucha, abrindo o placar.

Antevejo sérias dificuldades para o Michel Bastos marcar o Robben (isso se o Brasil ganhar do Chile). Terá que ter sempre a ajuda de um volante, podendo tal cobertura abrir o meio-de-campo para os bons e razoáveis meias holandeses (Sneijder, Van Bommel, De Jong) ou para os outros bons atacantes (Van Persie e Kuyt). O eventual jogo contra os holandeses será muito difícil.
Voltando ao jogo, quando parecia que o jogo ficaria fácil, a Eslováquia passou a ter maior passe de bola, as chances de gol rarearam, num jogo pragmático holandês e mecânico (sem imaginação) da Eslováquia. Assim findou o primeiro tempo.
No início do segundo tempo Robben quase ampliou, e depois Mucha pegou uma bola com a cara, numa defesa improvável e dificílima, novamente impedindo o segundo gol holandês. Sneijder teve uma chance em boa jogada de Robben.
Mas a Holanda, de tão pragmática, começou a dar sopa para o azar. Aos 20 e 22', o arqueiro holandês salvou a pátria por duas vezes, em ótimas defesas. Vittek ainda teve mais uma chance, chutou por cima. Passou a hora eslovaca no jogo.
Então, aos 38 minutos, o tiro de misericórdia. Passe do meio campo em cobrança de falta, Kuyt ganhou de cabeça, antecipando-se ao goleiro eslovaco, rolou para trás para Sneijder que fuzilou sem goleiro.
Aos 48, pênalti e gol da Eslováquia. Fim de jogo.
Classificou-se a Holanda. Time firme, só permitiu dois tiros certos ao gol, tem um goleiro fazendo ótima Copa do Mundo, sofreu só dois gols até agora na Copa, terá o Robben, e nenhum dos jogadores pendurados tomou o segundo cartão amarelo - logo time completo contra o Brasil (ou Chile). Não há mais Van Basten, Gullit ou Reijkard, ou Rinus Michels e Cruyff, mas é um senhor time, muito forte.

27 de jun de 2010

OITAVAS - JOGO 4 - ARGENTINA x MÉXICO

Favoritaça, a Argentina não poderia perder esse jogo - como não perdeu. Os primeiros 20 minutos foram preocupantes, com o México melhor na partida. Messi arrancava muito de trás, e não chegava bem ao ataque. Os mexicanos já haviam chutado uma bola na trave de Romero (goleiro que tinha a desconfiança de todos, mas que vem fazendo boa Copa).
O jogo seguia complicado até que aos 26' Messi arranca, passa a Tevez que chuta, a bola respinga para Messi que novamente passa a Tevez que de cabeça, em impedimento, abre o placar - o segundo grande erro de arbitragem num só dia, e o replay no estádio fodendo com a vida do árbitro. O bandeira deu o gol, depois viu a merda no telão, mas aí, já Elvis - o árbitro italiano Rossetti, mesmo informado do erro, com base na regra da FIFA que não permite consulta ao recurso eletrônico, manteve a marcação do gol.
Cinco minutos depois, Osório foi sair tocando pelo meio, fez um passe curto e ridículo, praticamente no pé de Higuai, que só teve que por o corpo a frente de Osório, para então driblar o goleirinho mexicano e, com 2 a 0, praticamente encerrar o jogo.
No segundo tempo, a Argentina postada um pouco mais atrás, dada a vantagem no placar, teve numa bola aos 7', um direitaço de Tevez do meio da rua, o terceiro gol assinalado, matando o jogo. O México ter descontado aos 26' (aos 24' Heinze salvara uma bola em cima da linha), com Hernandez, não mudou o panorama do jogo.
Os hermanos venceram apenas o primeiro jogo de mata-mata no tempo normal desde que Caniggia desclassificou os brasileiros, em 1990. Naquele jogo, Maradona driblou Dunga e Alemão, dando o passe para o gol argentino. Hoje, o baixinho está no banco, a confiança do time em alta, o ataque perigosíssimo. O problema...
É a Alemanha. Pelo jogo que fez pela manhã, a Alemanha é favorita contra a Argentina. Uma zaga firme, contra-ataques rápidos, um centroavante grosso, mas eficiente (Klose - doze gols em Copas), bons meias (Podolski, Özil, Schweinsteiger, Müller); o time deu um show contra a Inglaterra. O que não se sabe é se essa é a Alemanha de todos os dias. Jogou bem contra a Austrália; mais ou menos na derrota para a Sérvia; mal na vitória sobre Gana, bem de novo contra a Inglaterra.
Tenho a impressão que a Argentina precisará de um dia de seus craques, ou seja, um dia em que Messi jogue demais, Tevez esteja bem, Verón idem, Higuaín não perca as eventuais chances criadas. A Argentina terá que fazer um ótimo jogo, pois de outra forma, os contra-ataques alemães em cima dos lentos Heinze, Otamendi, do horroroso Demichelis - o gol mexicano se deu em cima dele - liquidarão os portenhos.
Lembro-me, quando criança, de torcer pela Alemanha na final de 1986, vencida pelo time de Maradona, Valdano e Burruchaga. Hoje, de outro modo, torço pelos hermanos contra "os alemão", pela raça, pelo futebol, pelo povo, enfim, pelo grande país que nossa vizinha Argentina é.

OITAVAS - JOGO 3 - ALEMANHA x INGLATERRA

Eis o primeiro jogo entre grandes nesta Copa. Tivemos, é verdade, o embate entre o bi-campeão do passado Uruguai e a decadence sans elegance da França, na primeira fase. Aquele jogo, contudo, não decidia nada, e este combate mandaria um dos ex-campeões de volta pra casa.
O primeiro tempo foi da Alemanha. Os germânicos trocavam passes, passavam curto, e embora com posse de bola um pouco menor, parecia que a bola só ficava em seus pés. Os ingleses alongavam as bolas, em lançamentos longos que invariavelmente tinham destino errado.
Embora dominando a bola e jogando bonito, o placar foi aberto num típico gol germânico. Chutão do goleiro, Klose ganhou na força e na vontade, e com apenas um toque desviou de James: 1X0 Alemanha.
Já o segundo gol bem representou o que foi o jogo nesta etapa. Após tabela pela esquerda, entre Ozil, Klose, Muller, a bola chegou a Podolski, que fuzilou. 2X0. O jogo parecia acabado aos 32'.
Eis que tal qual a criação da inglesa Mary Shelley, um Frankenstein redivivo, a Inglaterra aos 35' teve seu gol evitado por boa intervenção de Neuer. Aos 37', Upson diminui o placar após cruzamento de Gerrard. Um minuto depois...

Aos 38', Lampard executou maravilhosa conclusão de fora da área, a bola bate no travessão e entra um meio metro, o bandeira não vê!!! O Larrionda já deve ter começado a empacotar suas coisas para voltar ao Uruguai. Não apita mais nem par ou ímpar nesta Copa.
Uma injustiça corrige outra injustiça histórica? Lembremo-nos da Copa de 1966, na Inglaterra. Final. Tempo normal: Inglaterra 2X2 Alemanha. Prorrogação. Aos 8 minutos, Hurst chuta uma bola na trave, ela bate sobre a linha, mas o juiz dá gol. Inglaterra campeã do mundo com um gol que não foi. Foi hoje a reparação, 44 anos depois? Essa injustiça pode ser por isso relevada?
Tudo bem. Acabou o primeiro tempo em 2X1; moralmente, para lembrar Claudio Coutinho, o jogo estava empatado.
No segundo tempo, todo mundo haveria de pensar que agora, com os brios eriçados, the English Team voltaria comendo a bola, ou, ao menos, comendo a grama. Foi o exato oposto. A Alemanha pareceu desagravada por esse gol não marcado, pareceu dar ainda mais valor a ambos os erros e valorizar este equívoco, e dizer que o que realmente vale é quem, ao final, ganha o jogo, e que o futebol é assim mesmo, apenas um jogo.
Para enterrar o Frankenstein que por breves momentos pôde gritar, como no filme de James Whale: "It's alive, It's alive", Müller fez dois outros gols e decretou inapeláveis 4X1 para os alemães. Um jogaço. O melhor da Copa do Mundo, sem dúvida nenhuma.
A Alemanha, jogando como jogou hoje - para parafrasear um manezinho que conheci quando Guga estava no auge, em uma tenda no Largo da Alfândega, em Floripa, e perdia um game no saque do adversário por 40X0, sentenciou categórico: não pega mais (com sotaque manezinho - não pega max) - não perde mais, nem da Argentina, nem do Brasil. O único problema é jogar sempre como jogou hoje. É isso. Agora, às 15h30, tenho que acompanhar meu time contra o México.

26 de jun de 2010

OITAVAS - JOGO 2 - EUA x GANA

Assim como o outro classificado - o Uruguai, Gana abriu o placar antes dos 10'; na verdade, antes dos 5'. Boateng, depois de uma bola roubada na meia-cancha, chutou de esquerda no canto direito baixo defendido por Howard, em bola indefensável.
Também como no outro jogo, o time que abre o placar recua e espera que o contra-ataque solucione o jogo. O profeta Vandeco Luxerley sempre disse: se pudermos atacar, fazer mais gols, continuemos atacando. "O medo de perder tira a vontade de ganhar", diria o mago.
Duas alterações feitas pelo "professor" americano mudaram a cara do jogo. As entradas de Edu e Feilhaber fortaleceram bastante o meio-campo norte-americano, de modo que o american soccer team passou a dominar o prélio.
Kingson, para mim o melhor homem em campo, já fizera umas três defesas dificílimas, quando aos 17' 2°T, os EUA empataram em pênalti cometido por Mensah, convertido por Donovan, o principal jogador americano. A bola ainda triscou na trave antes de morrer nos fundos da rede africana (achei que Donovan perderia, pois nunca vira um jogador se ajoelhar antes de chutar um tiro da marca fatal - pensei que estava se borrando).
Na prorrogação, logo no início mais uma vez (3 minutos) Asamoah Gyan, o autor de dois gols na primeira fase - ambos de pênalti - ganhou no corpo de Boccanegra na disputa de uma bola espirrada lá no meio campo, botou na frente e fuzilou de perna esquerda. Esse foi o gol decisivo. Gana conseguiu, depois de marcar seu tento, amarrar o jogo e garantir uma bonita classificação africana entre os oito da Copa do Mundo. Nas quartas-de-final, haverá uma bela história a contar, no jogo entre os campeões do passado (Uruguai) e os últimos representantes da África.
Nesse jogo, minha torcida (ganense, sem dúvida), mais uma vez valeu. Se ela prevalecer teremos só uma surpresa nessa fase - adivinham qual?

OITAVAS - JOGO 1 - URUGUAI X CORÉIA

Ao iniciar o jogo, minha aposta (ou torcida) era pela classificação do Uruguai. No primeiro minuto nervosos, ambos os times quase deram uma entregada, e o placar já poderia ter sido aberto, pra qualquer lado. Aos 4', falta na trave para a Coréia. Logo depois, quase gol dos uruguaios. Aos 7, finalmente, GOL DO URUGUAI - Luisito Suarez, numa linda jogada de ataque de Cavani e Forlán, depois de furada clamorosa do arqueiro coreano.
O jogo então deu uma amorcegada, o Uruguai com a vantagem no placar pareceu querer deixar a bola para a Coréia e aguardar a chance de um contra-ataque, mas de qualquer forma dando campo perigosamente para os do zóinho puxado. A Coréia teve poucas chances, enquanto o Uruguai, pelo menos duas vezes poderia ter ampliado, quer num impedimento inexistente, em que Suarez iria sozinho contra o goleiro, quer num pênalti (mão na bola) que o apitador alemão não viu (na verdade não quis dar).
O fato é que desde os 7' do 1°T até os 22' do 2° deu certo a estratégia, mas um time sem toda a qualidade necessária para uma retranca não suportou a difusa pressão coreana. Empate em 1X1, em gol de cabeça, após cobrança de falta.
A partir daí, o Uruguai resolveu abandonar a postura defensiva, a Coréia diminuiu seu ritmo e o jogo ficou equilibrado de novo. Jogo lá e cá, dois escanteios seguidos, e uma vez mais Suarez (ótimo atacante), com um lindo corte da esquerda para a direita e um chutaço de curva, desempatou para los de la banda oriental del Rio de la Plata.
Aos 42, Lugano tirou de cima da linha, depois de falha de Muslera. Mais 6 minutos, fim da peleja, e o Uruguai já faz a sua melhor campanha desde 1970. Nas quartas, em jogo igualmente equilibrado, pegam EUA ou Gana para tentar ir à semi (provavelmente contra o Brasil, tal qual no nosso tricampeonato). Hoje, num jogo equilibrado, ganhou a tradição. Os uruguaios não foram muito melhores, mas acreditaram em um canto de torcida muito comuns em gramados sul-americanos: si, se puede (acho até que o Obama copiou o 'yes, we can' de nossas canchas latinas). Hoje, puderam, para minha felicidade. Diria el viejo lobo: restan solamente tres.

25 de jun de 2010

GRUPOS G e H - OS ÚLTIMOS CLASSIFICADOS

Num grupo, a lógica, no outro, uma pequena surpresa.
GRUPO G - Embora tenhamos tido que assistir a um jogo medonho, o empate em zero entre BRASIL e PORTUGAL classificou toda a comunidade lusófona presente na Copa para a fase seguinte. Brasil com 7 pontos e Portugal com cinco estão classificados em primeiro e segundo lugares respectivamente. Hoje, sem Kokô, Robson e Helena o negócio ficou bastante complicado. Júlio, o Batista, não acertando um lance sequer, Phelyppe Mello completamente cheirado, Michael Jackson Bastos perdidinho, Luis Fabiano assistindo ao jogo do melhor lugar do campo, entre outros problemas.
De time "guerreiro", só vi a armadura nas costas do Júlio César. Se quem usa aquilo tudo tá inteiro, sem qualquer problema físico, minha vó é uma bicicleta, pra citar Miguel Livramento. Assista aí e dê algumas risadas (http://www.youtube.com/watch?v=TtKA87S5B2Q). Cinco minutos "das antiga" do Miguel e do Roberto Alves valem mais do que a leitura desse blog mequetrefe ou 90 minutos de Brasil e Portugal.
Pois bem: o BRASIL pega o freguês CHILE, e PORTUGAL, da gaja portuguesa aí ao lado, a inimiga íntima ESPANHA.

GRUPO H - A franca favorita (antes da Copa) Espanha conseguiu, a duras penas, depois da derrota na estréia contra a Suíça, vencer o Chile e se classificar em primeiro lugar do grupo. A magra vitória por 2X1, foi facilitada pela injusta expulsão de Estrada, no lance do segundo gol espanhol, ainda no primeiro tempo. Embora jogando de forma apenas razoável, a Espanha pode comemorar a aparente recuperação de seu melhor armador - INIESTA.
A se notar que os gols espanhóis originaram-se de uma cagada do goleiro chileno, que saiu do gou como uma vaca louca e de uma bola perdida infantilmente - logo, outra cagada - no lado direito da defesa chilena. Se facilitarem assim, é até capaz de o BRASIL passar às quartas-de-final, para aí sim, enfrentarmos nosso primeiro jogo com alguma dificuldade - provavelmente a HOLANDA.
O Chile, além de ter entregue os dois gols aos espanhóis, só classificou em razão da incomparável incompetência suíça - poderíamos dizer que a seleção se compara aos relógios daquela nacionalidade - incapazes de adiantar. Como já disse outro dia, citando Orson Welles, em 500 anos de paz, fizeram o relógio cuco, enquanto os Bórgia, em meio a guerras, assassinatos, em 30 anos fizeram o Renascimento. Talvez meio milênio fosse suficiente para furar as redes hondurenhas. Empatar por 0X0 com Honduras, quando a vitória seria necessária para prosseguir na Copa, só faz demonstraro o não merecimento de avanço na competição.

24 de jun de 2010

GRUPOS E e F - MAIS 4 CLASSIFICADOS E ZEBRA SEMIFINALISTA

Agora falta muito pouco para a definição dos dezesseis classificados e para completarmos os cruzamentos até o final da Copa.
Já temos, garantida, uma zebra na semifinal da copa, eis que os vencedores dos confrontos EUA x GANA e URUGUAI x CORÉIA DO SUL enfrentam-se nas quartas-de-finais. Portanto, um desses quatro times será semifinalista. Se for o Uruguai, apenas pela tradição de bi-campeão (o primeiro título tem 80 anos, o segundo 60), pode-se pensar que não se trata de uma zebra; pelos resultados recentes, contudo, é ZEBRAÇA.
Das últimas 9 Copas participou apenas de 4, contando essa de 2010, e desde 1974 até a vitória contra a África do Sul, dias atrás, ganhara apenas um jogo, por 1X0, contra a Coréia do Sul, em 1990, com retrospceto no período de 1V, 6E, 7D. Mesmo contra esse retrospecto, aposto no URUGUAI na SEMI.
As definições de ontem:

GRUPO E: A Holanda, já classificada, venceu Camarões, garantindo o primeiro lugar do grupo. Embora vencendo, a Holando tomou certo sufoco no segundo tempo. De positivo para os do país baixo, a estréia de Robben, que pode, ganhando ritmo, ser jogador descansado e decisivo nas partidas finais desta copa. Jogando Holanda e Eslováquia, aposto na Holanda, malgrado o bom jogo da Eslováquia (uma parte da antiga Tchecoslováquia - duas vezes vice-campeã mundial) contra a Itália.

O Japão, surpreendentemente, e com dois gols de falta, cometeu um 3 X 1 contra a Dinamáquina (enferrujada), e meteu-se também nas oitavas de final. Não vi esse jogo em razão dos horários coincidentes com Holanda X Camarões, mas as duas cobranças de falta que resultaram em gols japoneses provam que nem só o talento, mas o treino, a prática empírica podem levar um time nada mais do que razoável a ficar entre os 16 melhores times do mundo.

GRUPO F: O Paraguai - mais um sulamericano classificado (só falta o Chile, dentre os 5, garantir sua classificação, naquela que pra mim será a mais difícil, e até improvável, daqui a pouco, contra a Espanha), empatou com a Nova Zelândia, garantindo o primeiro lugar da Chave. Enfrenta, agora, o Japão, como assinalei acima, segundo classificado do grupo anterior. Acho o Paraguai mais time, vem fazendo uma boa Copa, sofreu apenas um gol, da Itália, de bola parada após falha tenebrosa de seu goleiro.
Uma defesa bastante sólida versus uma defesa já vazada em dois jogos, um futebol com um pouco mais de tradição, uma campanha boa nas eliminatória, a meu ver qualificam o Paraguai como favorito para tal partida.


Do jeito que vai, é capaz de esse negócio de Copa do Mundo virar uma grande Copa América.

23 de jun de 2010

OS PRIMEIROS CLASSIFICADOS E O QUE REALMENTE IMPORTA - JEC X BRUSQUE

Primeiro, as coisas primeiras: JEC X Brusque, na terra da Fenarreco. Noso time vai sem três de seus principais jogadores (Lima, Carlinhos, Tesser), mas retornam Chris e Eduardo, principalmente. O jogo é lá, e um resultado que não seja muito ruim faz com que aqui, com o time completo, possamos reverter facilmente alguma eventual desvantagem. Mesmo com os desfalques, penso podemos trazer de lá um bom resultado, e isto é fruto do trabalho do Edinho, que cansa de dizer que nosso grupo de jogadores é homogêneo. De qualquer forma, já estamos na final, ganhando ou não o returno, e com a vantagem de decidir em casa. Se ganharmos o returno, a finalíssima será, uma vez mais, contra o Brusque. Se perdermos, jogaremos com o campeão do returno. AVANTE, JEC!

Aos interesses secundários - A COPA DO MUNDO - pois:
Você pode ver em post anterior ("PREVISÕES PÓS PRIMEIRA RODADA"), em que nesses quatro primeiros grupos, acertei sete palpites, errando apenas o México (achei que França engrenaria depois da primeira rodada), além da ordem de classificação entre ENGLAND and USA.
Eis os classificados, e os confrontos:
URUGUAI (1° A) x CORÉIA DO SUL (2° B) - Los de la banda oriental passam. Vencem bem a Coréia do Sul. A defesa até agora invicta (ao passo que os coreanos sofreram 6 gols na primeira fase) prevalecerá. A Coréia tem o PARK, do Manchester, ao passo que além da defesa até agora segura - Muslera, Lugano, Fucile, Arévalo, etc - o Uruguai tem Forlán, bom jogador e jogando muito bem, e o Luisito Soares, do PSV (ou Ajax), lépido atacante.
ARGENTINA (1° B) X MÉXICO (2° A) - Aqui, uma vez mais, ganham a sudamerica. A Argentina, embora possa sofrer um pouco com a velocidade mexicana de Javi Hernandez, Vela e Giovani dos Santos, dada a lentidão da zaga portenha, tem um meio e ataque espetaculares, e MESSI, Tevez, Higuai, Di Maria, mais Verón, e no banco, para eventualidades, Agüero, Milito, e até mesmo o Palermo, deve vencer com certa facilidade o minúsculo goleiro mexicano (1,72) e uma zaga apenas mediana.
ESTADOS UNIDOS (1° C) X GANA (2° C). Acho que dá Gana (de vencer). Vi Alemanha e Gana, e a vitória dos "alemão" foi injusta. No mínimo os ganeses mereciam o empate. Pra mim, o melhor jogador da partida não foi o Özil, eleito pela FIFA, mas sim o goleiro Neuer, autor de pelo menos três grandes defesas, além de um ou dois cortes salvadores dos zagueiros Rudi e Willy. Os Estados Unidos empataram com Eslovênia e uma Inglaterra confusa, e fizeram um gol aos 45' do 2° Tempo contra a Argélia para se classificar na bacia das almas. Acho que um africano, pelo menos, chegará entre os 8 melhores da Copa do Mundo.
ALEMANHA (1° D) X INGLATERRA (2°D). Este jogo, dada a má campanha inglesa, provocou o cruzamento precoce entre dos bichos-papões de mundiais (mais os germânicos do que os ingleses). Jogo imprevisível, ambos os times andam mal das pernas, com um futebol pouco convincente. A Alemanha fez um primeiro jogo melhor que os dois restantes. O melhor jogo da Inglaterra foi exatamente a terceira partida (pode estar crescendo na competição), e nome por nome, tem melhores jogadores. Apesar disso, arrisco um mero palpite: dá ALEMANHA.

22 de jun de 2010

GRUPOS G e H - DEFINIÇÕES

O nosso grupo, o G, parece bastante definido, exatamente ao contrário do grupo derradeiro, bem em aberto.

GRUPO G:
O Brasil, depois de um início tíbio contra os comunistas - (graças a deus) da Coréia do Norte, um bando de pobres-diabos, que sequer podem dar entrevistas - parece o time brasileiro e seu ignorante técnico (sobre o berra, burro e cagão destinados ao Alex Escobar, da Globo, escreverei logo) - deslanchou contra a Costa do Marfim, fazendo uma partida muito boa, a despeito de o segundo gol de nossa seleção ter sido uma jogada típica de vôlei, usando ambas as mãos. Irregular, mas um golaço. Temos 6 pontos. Mais uma pequena falha da zaga, compreensível, quando os jogo já estava decidido, tal qual ocorrido contra os coreanos.
Portugal foi a quatro pontos, com saldo 7, dada a goleada incrível sobre os mesmos norte-coreanos. Costa do Marfim tem um só ponto e saldo -2. Assim, somente com alguma coisa próxima um repeteco da goleada pelos marfinenses, somados a uma vitória ampla brasileira, pelo menos três gols, sobre Portugal, haveria alguma surpresa neste grupo. Brasil e Portugal já estão classificados. As chances de Cote d´Ivoire são matemáticas, apenas isso.
GRUPO H:
Aqui, nem com reza braba. O Chile, com duas vitórias e seis pontos, é, em tese, o mais forte candidato à classificação, basta-lhe o empate. O problema é que enfrenta a Espanha, tida e havida, antes da Copa, como a principal seleção do mundo - com méritos, dada a conquista da Eurocopa há dois anos. Já discorro mais sobre os problemas de nossos hermanos chilenos.
Do outro lado, cruzam-se fabricantes de relógios cucos há 500 anos (apud Orson Welles) versus caribenhos, estando Honduras já eliminada (mais uma vez, chances matemáticas há, suas duas derrotas foram razoáveis - 1X0 e 2X0, sem passar vergonha).
A Suíça, embora tenha dificuldades patentes no ataque, deve vencer uma das seleções mais frágeis desta Copa.
Assim, indo a Suíça a seis pontos, tudo se decidiria naquele jogo problemático que há pouco mencionei, e aí, uma vitória simples da Espanha tira os chilenos, o time mais constante dessa chave. Um empate, de outro lado, muito provavelmente tira a Espanha da Copa (Chile - 3 pts, saldo 2, Espanha - 3 pts, saldo 1, Suíça - 3 pts, saldo 0), salvo empate da Suíça, classificando então os hispanos.
É até complicado escrever sobre esse grupo, tamanho o imbróglio. Palpitão: Espanha em 1°, Suíça em 2° - e nossa adversária. Mero chute, não há como saber o que ocorrerá aqui. De todos, acho que a Suíça pode ser o adversário mais morrinha para o Brasil (uma seleção mais fechada que o sigilo bancário de seus bancos). É isso. Logo escrevo sobre os classificados dos grupos A e B (Uruguai e México; Argentina e Coreia do Sul).

21 de jun de 2010

GRUPOS E e F - (IN)DEFINIÇÕES.

Nesse grupos, pouca coisa se pode dizer com certeza, mas vamos lá!
GRUPO E:
Camarões é a primeira seleção eliminada, e a Holanda, a primeira matematicamente classificada. Apenas isso é certo.
Na última rodada, os eliminados de Camarões pegam a tranqüila Holanda, e nada faz desconfiar que a Holanda corra qualquer risco de perder o primeiro lugar da chave. No outro jogo, Dinamarca enfrenta o Japão, ambos empatados com três pontos, o Japão com um gol a mais de saldo (saldo zero versus saldo -1), e se enfrentam, tendo, por isso, os nipônicos a vantagem do empate. Aposto, contudo, na Dinamarca, que fez um bom jogo contra Camarões, com ótima partida de Romedahl, jogando como ponta.
Sei lá porque, se pelo eterno complexo de vira-lata brasileiro, quando vejo um time europeu, sempre sou levado a acreditar que um IDH alto equivale a um bom time de futebol, o que nem sempre é verdade, e portanto meu palpite pode ser facilmente refutado pelos japoneses (que diga-se, também estão no primeiro mundo - econômico, não futebolístico). O favoritismo dinamarquês sequer se sustenta com base nos fatos, tendo o Japão a seu favor dois de três resultados. Mas palpiteiro é assim mesmo, pouco importam os fatos.
Grupo F: "Fratelli d'Itália/l´Itália s´e desta/dell´elmo de Scipio/s´è cinta la testa/Dov´e la vittoria?..." (Irmãos da Itália, a Itália se levantou, com o elmo de Cipião, cobriu a cabeça. Onde está a vitória?).
É mister ler o trecho do hino italiano por duas razões: primeiro pela pergunta irrespondível até agora: onde está a vitória italiana, depois de dois empates, um defensável contra o Paraguai outro medonho contra a Nova Zelândia; depois, porque talvez não se ouça mais, nesta Copa, 0 hino após a próxima partida contra a Eslováquia. Poucas razões ainda há acreditar na Itália - a ruindade da seleção eslovaca, e a tradição infernal de a Itália sempre ir mal no início da Copa, recuperar-se e ainda incomodar - em 1982 também começaram com dois empates, com o diferencial que aquele time deles tinha ótimos jogadores (Rossi, Conti, Tardelli, Gentile, Zoff, Bergomi).
O Paraguai - quem diria? - está praticamente classificado - e não há nada de falsificado nessa afirmação. Um empate contra a fraca Nova Zelândia já lhe é suficiente. Deve passar em primeiro. Se a Itália se classificar, enfrentará, provavelmente, a Holanda já na próxima fase, num daqueles encontros entre grandes um pouco antes da hora devida. Todos tem chances, mas a tradição deve pesar, e teremos, neste grupo, Paraguai e Itália, nessa ordem, passando às oitavas.

19 de jun de 2010

ALEMANHA, ARGENTINA. E O JEC!

Pois não é que depois de vinte e poucos jogos na Copa do Mundo, em que apenas Alemanha e Argentina ousaram balançar as redes do adversário por quatro vezes, do lugar mais improvável vem outra goleada. Mais especificamente da Arena Joinville: JEC 4 X 0 indiada do Oeste.
Porra, se o Capello ganha 8 milhões de euros ano (com um orçamento deste estaríamos na série B há muito tempo), pra oferecer um England 0X0 Argélia, prefiro gastar 25 merrecas, sentar nas arquibancadas de concreto, e sofrer o JEC na veia. Ver Lima - duas vezes, Elton e Ricardinho balançarem as redes da Chapecoense e nos levarem - em primeiro lugar - para as semi-finais do returno da Copa Santa Catarina.
O único senão é que as coisas não são excludentes, e me sinto obrigado, pelo tanto que gosto de futebol, a aturar as peladas internacionais e desejoso de ver as também peladas do Joinville Esporte Clube.
Eu vivi, em minha infância, os (últimos dois ou três dos primeiros doze) anos áureos do JEC, e mal-acostumado a ver aqui os times da primeira divisão brasileira - para se ter idéia vi aqui os menudos do São Paulo - Silas, Müller e Careca, vi Casagrande, Vladimir, Carlos e Édson do Corinthians, vi Jorginho, Leonardo, Júnior, Zinho pelo Flamengo, etc. etc., assistir aos atuais jogos repetitivos contra Brusque, Chapecoense e quejandos dá uma certa vontade de afundar em depressão profunda.
Mas, adotando o bordão mais canalha e mentiroso desse nosso Brasil-il-il, sou obrigado a parafraseá-lo: sou jequeano e não desisto nunca. E, por fim, num enfadonho sábado à tarde, quando o JEC goleia - ou ganha sofregamente por um a zero, saímos todos do estádio com a tênue esperança de que o pior já passou, e um dia nosso time ainda voltará àquele passado, ao mesmo tempo, longínquo e nem tão distante assim, pensando em Vinícius de Moraes: "e nada como esse apelo da lembrança, para se transfigurar numa esperança...". AVANTE, JEC!

VOLTANDO À REALIDADE - JECÃO


Depois de tantos jogos chochos, com esses boleiros que jogam na Europa e ganham milhões, finalmente voltamos a ter o verdadeiro futebol, pois é esse que está ao nosso alcance, aquele que nos faz ir à Arena, torcer por um time que há anos vem em dificuldades (mas que é o nosso time), e ver jogadores que nos exasperam a cada passe errado pra ganhar seus caraminguás durante a realização da Copa (não a do Mundo, mas a de Santa Catarina).
Hoje, pela sétima ou oitava vez no ano, jogaremos contra a Chapecoense (esse nossos torneios de SC são uma piada), precisando da vitória para passar à semifinal do returno da Copinha. Temos três pontos (vitória contra o Imbituba 1X0 e derrota para o Figueira B pelo mesmo placar, ambos os jogos fora de casa). Voltamos hoje à Arena, e a vitória, que pode ser insuficiente para a classificação em razão do saldo de gols será, no mínimo, bastante para nos garantir a melhor campanha e decisão da Copinha em casa, tendo em vista que ganhamos o primeiro turno. Todavia, a classificação será importante para que não fiquemos uns 20 dias parados até a primeira partida da final desse torneio. Essa espera já nos foi prejudicial no Catarinense, e não repetir os erros já será um avanço para nosso time e diretoria.
Já faz umas duas ou três semanas que não tínhamos jogos aqui em Joinville, a gente sente falta desse futebol que nos fala muito mais de perto do que esse jogado lá na África. O torcedor é, antes de tudo, um torcedor de seu time, que o acompanha todos os dias, todos os anos, e não uma vez, por um mês, a cada quatro anos. E assim, quem sabe, um dia qualquer, voltemos a tempos como os da foto aí acima, com Geraldo Pereira, Paulo Egídio, Roberto Gaúcho. Tempos mais felizes. AVANTE, JEC!

17 de jun de 2010

GRUPO A e B - DEFINIÇÕES

GRUPO A:
O Uruguai, que não perde a classificação, a meu sentir, tem 4 pontos e saldo 3, após a importante vitória sobre os anfitriões africanos (1 ponto, saldo -3).
A França, derrotada por dois a zero para o México, precisa de um milagre. Isto porque basta que Uruguai e México façam un juego de compadres latinos para ambos se classificarem, mandando os gauleses de volta pra Paris - o que também não deve ser a pior coisa do mundo. A única esperança é que Uruguai e México se digladiem para ficar com o primeiro lugar do grupo - hoje com o Uruguai por um gol de saldo - para evitar o confronto já nas oitavas com a Argentina. Até uma derrota simples - um gol - de Uruguai ou México pode ainda ser suficiente para classificá-los, obrigando a França a fazer sobre a África do Sul uma diferença de 3 gols, se o México perder, e 4 se o Uruguai perder. A África também tem chance remota, necessitando golear a França por 4 ou 5 gols. Tchau, Bafana. Adieu les bleus (nesses eu apostava para passarem a segunda fase. Errei longe.
GRUPO B:
Após a vitória Argentina por 4 X 1 sobre a Coréia do Sul, com três gols do grosso, porém eficiente Higuain (ainda acho que Milito deveria ser o comandante do ataque), o time portenho ficou com seis pontos e saldo 4. A Coréia ficou com três pontos e saldo -1.
Os gregos venceram a Nigéria por 2X1, após infantil expulsão do Kaita ainda no primeiro tempo, e ficaram também com saldo -1, e três pontos. Os nigerianos, por sua vez, não pontuaram, e saldo -2. Tá tudo em aberto na disputa do segundo lugar.
Ainda que a Argentina perca da Grécia - o que é improvável, classificar-se-á em primeiro lugar dado o saldo de gols. Os hermanos devem chegar a 9 pontos.
A outra vaga deve ser da Coréia, pois lhe bastará um empate contra a Nigéria, em caso de vitória Argentina. Parece que aqui vou acertar meus chutes.
Isso dito, só aguardo Gana X Austrália, fechando a segunda rodada dos grupos C e D, para comentar o bololô que virou o grupo C (liderado pela ... Eslovênia) e pode virar a chave D, deixando a Alemanha em maus lençóis para a última rodada da primeira fase.

PREVISÕES PÓS PRIMEIRA RODADA

Depois de assistir a todos os jogos da primeira rodada, quase sempre na íntegra, parece possível fazer prognósticos para classificação às oitavas-de-final, e com boa probabilidade de acerto, facilitado pelo resultado de ontem, primeiro jogo da segunda rodada - Uruguai 3X0 África do Sul.
No Grupo A, o Uruguai classifica até pelo saldo de três gols, e penso que a França, embora mal, vence o México e também passa. Cuido que o Uruguai passa em primeiro.
No Grupo B, dá Argentina em 1o, fácil (até porque se não vencer a Coréia pega a fraquíssima Grécia na terceira rodada); a Coréia do Sul, de quem gostei contra a Grécia, também passa. A Nigéria, obrigada a vencer a Grécia corre por fora.
No Grupo C, fácil, Inglaterra e EUA, embora ambos estejam hoje em segundo lugar do grupo, com um ponto, liderado pela horrível Eslovênia, que bateu a Argélia com a ajuda do frangueiro Chaouchi. Não aposto em ninguém como líder, pode dar qualquer um dos anglo-saxões.
No Grupo D, Alemanha, sem dúvida, lidera o grupo (até pelos 4 a 0), e pela primeira vitória, Gana passa em segundo.
No Grupo E, a Holanda bateu o time mais duro, a Dinamarca, e ficará em primeiro. Acho que os daneses passam em segundo, com chances também - menores - para o Japão.
No Grupo F, apesar do empate de Itália e Paraguai, a igualdade entre Nova Zelândia e Eslováquia - dois timecos - deixa os italianos e os falsificados em boa posição. Pode dar Paraguai em primeiro.
Os grupos G e H são os de mais difícil prognóstico. Tem que dar Brasil, pela tradição e um pouco mais de talento que os outros - embora o futebol fraquíssimo, e o segundo lugar está completamente aberto entre lusos e marfinenses. É chute - acho que dá Costa do Marfim, com a recuperação de Drogba.
No último ajuntamento, malgrado a derrota de ontem, a Espanha classifica, possivelmente em segundo lugar (e nessa situação pegará o Brasil, logo na segunda fase). Aqui, a zebra suíça passa, pois dois empates lhe serão suficientes - e eles não tomam gols em Copa há uns cinco jogos, na última em que estiveram (2002) passaram invictos por quatro jogos - pois o Chile perde a Espanha. Os chilenos jogam bonito, mas com marcação frouxa.
Acho que é isso. Mas o futebol é um mistério, e a possibilidade de França, Itália, Espanha e Inglaterra não passarem em primeiro em seus grupos abre possibilidade de confrontos gigantes precoces como Brasil X Espanha, Argentina X França, Alemanha X Inglaterra, Holanda X Itália, abrindo um caminho mais suave para a conquista da Copa para quem eventualmente vença esses imaginários confrontos.

16 de jun de 2010

GRUPOS G e H - ANÁLISE


Depois de assistir aos jogos do Brasil, Portugal 0X0 Costa do Marfim (grupo G), Chile 1X0 Honduras e Espanha 0X1 Suíça, e considerando que daí sairá nosso cruzamento nas oitavas-de-final, tudo fica para o futuro, incerto e opaco, como diria Delfim Netto, para esses grupos.
A inesperada derrota espanhola abre a possibilidade de já nas oitavas vermos um Brasil X Espanha, numa "final antecipada". Em nosso grupo, malgrado o jogo ruim do Brasil, tudo indica que nos classificaremos em primeiro lugar - até pelo empate entre lusos e marfinenses, e cresceu bastante a chance de a Espanha ficar na segunda posição.

Não acredito na desclassificação espanhola, mas dificilmente atingirá a primeira posição, ainda mais se houver um vencedor entre Chile e Suíca. A Espanha deve passar facilmente pela frágil Honduras, e é favorita para vencer o Chile, time que deixa jogar, não tendo marcação tão forte, facilitando um pouco a vida espanhora.

No nosso grupo, parece essencial que o Brasil vença a Costa do Marfim, para não chegar na última rodada a perigo, contra Portugal, que deve vencer a Coréia do Norte, chegando a última rodada com 4 pontos e, se o Brasil não vencer, jogando provavelmente pelo empate para se classificar. A Costa do Marfim tem um time muito forte fisicamente, uma zaga mais sólida do que a da Coréia, e sua marcação é muito mais eficiente na meia-cancha, dando ainda menos espaços para os lentos Gilberto Silva e Felipe Mello e para o dispersivo Kaká.

Muito cuidado, Dunga!

POTOCAS...


O jogo foi muito bom, o time foi impressionante.
Kaká certamente foi o melhor jogador do time. Candidatíssimo, a repetir essa atuação, a ser o melhor jogador da Copa.
Luis Fabiano muito incisivo, um grande atacante, não deixou nenhuma saudade de Romário, Bebeto, Ronaldo Gordo. Só não fez gol depois de suas 9 finalizações pois o goleiro fez milagres.
No gol que sofremos por puro azar, nem Gilberto Silva nem Lúcio tiveram culpa alguma. Ademais, não é nenhuma grande coisa tomar um gol da Coréia do Norte, que conta em seu ataque com o Rooney asiático, melhor do que o Rooney original.
A criatividade do meio-campo é estonteante. Troca de passes, inversão de jogadas, Felipe Mello orquestrando nossa opereta futebolística.
Júlio César, exigídissimo, defendeu umas trinta bolas antes de sofrer o gol. O ataque coreano era muito perigoso.
Apenas Robinho, Elano e Maicon destoaram, jogando muito mal. Enfim, noventa minutos muito agradáveis, que nos dão uma confiança absurda para o prosseguimento da Copa.
Ass: menino feito de madeira, com pequena propensão à mentira.

15 de jun de 2010

MEU PERSONAGEM DA PRIMEIRA RODADA

Não poderia ser outro meu personagem da primeira rodada. Em verdade, a minha personagem: a tal da Jabulani.
Tenho a impressão que a baixíssima média de gols se deve, em parte (há outras causas também), a tal da bola. Os gols marcados em chutes de longa distância praticamente inexistiram. Lembro-me apenas do gol dos USA, todavia com falha absurda do goleiro inglês Green, e o gol sofrido pela Argélia, também num frangaço do Chaouchi. Bons chutes apenas aqueles que tiveram como destino a trave - um de Cristiano Ronaldo contra a Costa doMarfim e outro de um camaronês contra o Japão.
Parece impossível o que acontece. Basta ver qualquer jogo do futebol europeu para se notar o tanto de lindos chutes à distância, com golaços incontáveis.
Outra coisa que não pude deixar de notar foi a quantidade de passes errados, mas sempre compridos, fortes, adiante do objetivo pretendido pelo passador. Pouquíssimos foram os passes errados por serem curtos, feitos atrás do recebedor do passe.
Também é possível ver quantas inversões de jogadas deram errado, com o lateral a quem se destinava a bola invertida não conseguindo chegar nela, e muitas bolas paradas - escanteios e faltas - em que as metidas de bolas igualmente ficaram muito longas.
Uma bola leve, que pega um efeito estranho, mudando de trajetória em seu percurso, somando-se a isso o fato de que pouquíssimos a utilizaram antes da copa (parece que só no campeonato argentino, no alemão e em mais um que não me lembro) vem dificultando muito o controle de la pelota.
É claro que os poucos gols não podem ser creditados unicamente à bola. A falta de talento de muitos dos times, os esquemas defensivos utilizados pela grande maioria das seleções também são concausas relevantes. Mas que a bola tem sua parcela de culpa, isso tem. E não posso dizer que não seja uma temeridade usar uma bola praticamente experimental no mais importante torneio do futebol mundial. Vamos torcer para que, com o decorrer da Copa, os jogadores se acostumem ao comportamento temperamental da Jabiraca e consigam mandá-la lá onde a coruja dorme.

14 de jun de 2010

QUE DUREZA! PELADAS DA COPA - TUDO SEM DUPLO SENTIDO

Às vezes, o principal problema do futebol da Copa do Mundo é que o jogo pode começar, como nesta copa, às 8h30, e fica meio feio encher a cara nesse horário, embora esse fosse o remédio certo para alguns desses jogos a que assisti.
Depois de uma série de peladas (Argélia 0X1 Eslovênia, Sérvia 0X1 Gana, Japão 1X0 Camarões, Nova Zelândia 1X1 Eslováquia), resolvi escrever brevemente para dizer que esses oito times são uma grande porcaria, talvez salvando-se o Japão pela consistência tática, embora o talento também lhes falte. Ninguém desses fará nada mais do que papel coadjuvante no certame. Nessas pelejas, os dois times eram horrorosos - logo, já são oito (sete, se excluirmos o Japão) times sem pretensões sequer de passar às oitavas.
Ainda entre os demais times, há os que perderam seus jogos e podemos qualificar de horrorosos: a Grécia (0X2 Coréia do Sul), a Austrália (0X4 contra uma forte Alemanha), e por antecipação a Coréia do Norte que pega o Brasil hoje e Honduras, que está no grupo H e estréia - a reforma ortográfica ainda não me pegou - contra o Chile. Assim, a meu ver, após a primeira rodada, poderíamos mandar uns dez times embora, e ficariam uns 22 brigando pelas 16 vagas às oitavas-de-final.
Amanhã, depois de Espanha X Suíça, acho que já é bem razoável palpitar, com mínima margem de erro, e ainda que faltando dois jogos de cada time para o final da primeira fase, quem serão os classificados em cada um dos oito grupos.
Anuncio, então: logo, logo, realizarei a sessão de descarrego para adivinhar os classificados, ou melhor, para descarregar em seus respectivos países esses bandos que se convencionou, por pura bondade, chamar de times de futebol.

12 de jun de 2010

ARGENTINA x NIGÉRIA


Um dos favoritos estreou. E jogando (parcialmente - a parte da frente do time) como favorito.
No primeiro tempo, doze chutes a gol da Argentina, com cinco no alvo, e um gol de escanteio marcado por Heinze. Higuain teve duas chances claríssimas, desperdiçando dois gols. Aí a Argentina já poderia ter matado o jogo.
Messi chutou cinco vezes, com quatro difíceis defesas do goleiro nigeriano, e um chute raspando a trave. Os portenhos tiveram as maiores dificuldades pelo lado direito de sua defesa, em que jogava (?) Jonas Gutierrez, perdidinho. As jogadas da Nigéria saíram por ali, e o Gutierrez já foi amarelado na primeira etapa. Di Maria parecia assustado. Não apareceu para o jogo nos quarenta e cinco minutos iniciais, jogando pouco coisa melhor nos derradeiros.
Na segunda etapa tais falhas pela direita da defesa ficaram mais evidentes, e por pouco a Argentina não sofreu gol (mas o empate teria sido injusto).
A vitória hermana poderia ter sido muito mais fácil, tanto é que o melhor jogador da partida, até para a FIFA, foi o arqueiro Eneyama, principalmente pelas várias defesas nos arremates Messiânicos. Parece que a Argentina classifica fácil em primeiro nesse grupo em que os dois outros times parecem mais frágeis que os contendores desse jogo, embora a velocidade coreana possa trazer alguma dificuldade para a confusa defesa portenha.
O cruzamento das oitavas-de-final, se o Maradona não der uma acertada na zaga, já pode representar perigo, seja o adversário França, México ou África do Sul. O negócio é confiar no ataque, que hoje desperdiçou várias chances. A turma da banda ocidental do Rio da Prata precisa acertar a pontaria ou acertar a zaga para ter alguma chance. Fazendo ambos, a chance será grande.
No fim das contas, um jogo muito bom, o melhor da Copa até agora. Partida nota 7.

XING LING X PRÉ-SOCRÁTICOS


Embora Xing Ling seja um termo para genéricos chineses, o termo é utilizável aqui porque a Coréia é o genérico da China, ou vice-versa. Onze jogadores iguais de um lado, onze filósofos hedonistas e preguiçosos do outro.
Na partida desse sábado, talvez a Grécia tenha se confundido com tantos jogadores iguais entre si. Quando Xenofonte imaginava estar marcando um, em verdade, outro jogador já o ludibriara. Quando Euclides ainda estudava as triangulações, uma bola em parábola, de escanteio, aos 7 min, já estava nas redes guardadas por Aristarco de Samos.
Na segunda etapa, Park roubou uma bola, driblou Platão e Erastótenes, e mais uma vez vazou a defesa helênica. Socrátes, o magrãonidis, dizia: só sei que nada sei!
A Grécia, inacreditavelmente campeã européia em 2004, foi medíocre. Só chuveirinhos da meia-cancha para dentro da área. Meias sem qualquer criatividade, zagueiros falhando grosseiramente (ninguém subiu no escanteio que originou o primeiro gol sul-coreano e erro na saída de bola no segundo), atacantes batendo cabeça pra dominar os tijolaços que lhes eram lançados.
A Coréia, não se sabe se realmente por ser uma boa seleção, ou se facilitada pela ruindade da Grécia, jogou bem. Praticamente não se viu ameaçada - só duas bolas chegaram a seu gol, teve um bom contra ataque, boas trocas de passes, jogadores com alguma habilidade. Por esse jogo, a Coréia merece um 7. A Grécia, sob as exigentes lentes do Aristóteles, o parvo peripatético, merece nota 3.
Agora acompanharemos aquele que promete ser o primeiro grande jogo de uma seleção que está entre as favoritas - o jogo da Argentina de Messi e Maradona.

11 de jun de 2010

FRANÇA VERSUS URUGUAI


Um jogo entre campeões mundiais, embora o último título uruguaio seja já sexagenário, é sempre uma boa promessa (ao final, não realizada).
Nos primeiros minutos Govou perdeu gol dentro da pequena área para os azuis,que vestiam branco na peleja, naquela que seria a melhor chance do jogo. Fora bem melhores na primeira etapa, com boas trocas de passes no meio, Diaby e Ribery jogando bem, e uma jogada forte de bola parada com as boas cobranças do Gourcouff (até parece o nosso Ricardinho ... esse me irrita! - Parênteses: o blog é sobre o JEC, logo quase sempre haverá alguma referência ao tricolor), uma inclusive exigiu boa defesa de Muslera. O Uruguai chutou apenas uma bola a gol, com Forlan, e no mais seus atacantes entraram em impedimento quando o time tentava, com pouco sucesso, ir à frente.
Um segundo tempo modorrento, tendo a França caído sensivelmente. O Uruguai, embora levemente melhor no segundo tempo, viveu de alguma eventual jogada de seu único jogador que demonstrou algum talento, o já citado Forlan; no mais uma retranca desavergonhada.
Cada time chutou apenas três bolas com direção, o resto foi só bica pra fora. Após a expulsão do uruguaio Lodeiro, aos 36' do 2T, a França até ameaçou uma pressão, sem qualquer efetividade. Um jogo bem ruinzinho.

Nesse grupo A tudo pode acontecer; se havia, não há mais favoritos pra classificação. O grupo até pode ser o mais equilibrado da Copa, mas é nivelado por baixo, e quaisquer que sejam os eliminados não haverá surpresa; antes dessa rodada, apostar na França fora poderia parecer loucura. Não é mais. Jogo nota 4.

10 de jun de 2010

ALEA JACTA EST. AFRICA DO SUL X MÉXICO


A sorte está lançada! Para o bem ou para o mal.
Como nunca antes na história desse país (para prestar homenagem a D. Lula I - e único) dependeremos tanto de nosso goleiro - essa figura de mármore aí ao lado - como nessa Copa que agora se inicia. Como diz um amigo meu, pela primeira vez o melhor jogador de nossa seleção é o goleiro. Isso não está muito certo. Uma dorzinha nas costas de nosso arqueiro parece o fim do mundo, com especulações mil de nossa imprensa.
Pra falar rapidamente do JEC, cuido que o futebol tem mistérios insondáveis. Quem diria, há três anos, que o Ramires, que era cotidianamente xingado na Arena estaria na Copa do Mundo, e com chances de vir a ser titular depois do primeiro jogo.
No jogo de abertura, o México dominou completamente o primeiro tempo, tendo criado 5 ou 6 chances, inclusive com um gol (corretamente) anulado, em difícil impedimento bem marcado pelo bandeira (auxiliar é a PQP). A África, por sua vez, no final da primeira etapa, teve uma ou duas boas chances com bolas cruzadas na área do baixinho goleiro chicano.
Aos 8' do 2T, em rápido contra ataque, Thsabalala fez o primeiro gol da Copa e da África do Sul. O jogo ficou truncado a partir daí. Khune, o goleiro africano, fez algumas boas intervenções, o México passou a jogar com grande lentidão, facilitando a marcação africana, até que num lance em que Mokoena (ou Umbabarauma, ponta-de-lança africano), esqueceu bisonhamente de fazer a linha de impedimento e deixou o Rafa Marquez sozinho para empatar o jogo, aos 35min. Inexperiência pura! E foi isso, num joguinho nota 5. No geral, um mau resultado para a África que controlava a partida após ter aberto o placar e chutou uma bola na trave aos 44min. Era jogo pra ganhar, e assim ter chance maior de passar para a 2a fase da Copa.

4 de jun de 2010

ZIMBÁBUE, ZANZIBAR, TANZÂNIA E RAMIRES


Bem sei que Zanzibar não foi nosso adversário nos amistosos, mas me lembrei que em meus tempos de infância, lá no bairro Glória, havia um infeliz que tinha por nome Zanzibar. O rapaz até fazia parte de uma ganguezinha mequetrefe, que obviamente não deu em nada. Alem disso, o grande Farroukh Bulsara - vulgo Freddie Mercury, ou Frederico Mercúrio - é oriundo daquela ilhota africana.
Mas Zimbábue e Tanzânia (pra falar bem a verdade, Zanzibar parece que faz parte da Tanzânia, mas não podia perder o "glorioso" gancho) tiveram o desplante de enfrentar o Brasil - na verdade nós tivemos o descaramento de enfrentar tais timezinhos.
Contra o Zimbábue (3X0) - 110 do ranking da FIFA, antes de abrirmos o placar, poderíamos ter sofrido dois gols. Só essa frase já é ignominiosa, imaginem o jogo, o gol sofrido, se tivesse acontecido. Depois, até pela inexperiência, pela falta de preparo físico dos adversários, o amadorismo explícito, metemos três gols. Isso sem falar que, a meu ver, o gol do Michel Bastos, num chute a 139 km/h pode ser creditado à criticada Jabulani.
Contra a Tanzânia (108 na FIFA, e 5X1 no jogo), igualmente demonstramos alguns problemas. Além de sofrer um gol de bola parada (sem que ninguém da nossa zaga sequer tenha saído do chão), abrimos o placar com um gol irregular, o Gomes fez três ou quatro defesas difíceis (ah! como vamos precisar do goleiro na Copa), nossa defesa pela esquerda tá uma baba. Isso sem contar que a Tanzânia havia jogado uma partida contra Luanda no dia anterior, e evidentemente não estavam no melhor da forma física.
De tudo isso, só restam preocupações. O que mais me interessou, realmente, foi a ótima participação do ex-JEQUEANO Ramires no segundo tempo da peleja, com dois belos gols. Cada boa partida desse jogador nos dá mais uma esperança de grana entrando nos nossos cofres, pois como 'clube formador' do atleta, se ele for realmente vendido para a Internazionale ou para o Milan, como se comenta, o JEC tem uma beirada pra receber.
Como ainda temos mais uns poucos dias de inatividade antes de pegarmos o Imbituba, amanhã pretendo falar sobre a contratação do Marcelo Silva. AVANTE, JEC!

TAL QUAL NA ELEIÇÃO, O 1º TURNO É SÓ UMA PEQUENA ETAPA


Vencemos, tudo muito bem.
O importante, contudo, vem agora. Como já disse, além dos times do interior - e do Avaí, que não pode nos tirar a vaga na Copa do Brasil ou da eventual série D/2011- teremos o Figueirense pela frente, provavelmente com o time titular (eis que a série B paralisa durante a Copa do Mundo), para a disputa da vaga na competição nacional.
Em Brusque, o que menos houve foi futebol; dada a chuva, o jogo mais parecia water polo, condição esta a que já estamos bastante acostumados, considerado o tanto que chove aqui em Joinville. Nesse ano de 2010, pouquíssimos jogos da Arena não foram disputados parcial ou totalmente sob chuva.
O Joinville soube segurar o resultado, facilitado pelo gol de Eduardo já aos 8 minutos de jogo, após uma rebatida ridícula do goleiro do Brusque, que ficou perdido na marca do pênalti, deixando o gol aberto para uma bola colocada por cobertura, praticamente selando nossa classificação para a final já no início da peleja.
Ouvindo o jogo pelo rádio, notei que não corremos muitos riscos, soubemos congestionar o jogo, empatando "de olho no regulamento", tal qual o guri aí em cima.
Assim, demos o primeiro passo. Não há nada ganho, tanto é que sequer havia um troféu para comemorar a conquista junto à nossa torcida em Brusque, e a volta olímpica foi dada com o troféu de melhor jogador oferecido ao Eduardo pela Rádio Globo.
Aliás, que torcida! Lotou o espaço que nos foi destinado no A. Bauer, malgrado a chuva; sair de Joinville e ir pra Brusque naquelas condições só me faz pensar que é de uma injustiça enorme termos uma torcida como essa e ficar penando por divisões subalternas do nosso futebol. Para exemplificar: o Vasco perdeu ontem, em casa, para o Guarani, na 1a Divisão, perante nada mais do que 1000 (mil) torcedores. Imaginem o JEC na série B. Vai ter pelo menos dez mil na Arena (acho que dá pra manter média de uns quinze mil) a cada rodada. AVANTE, JEC!
Iniciando os registros das fichas técnicas dos jogos, para consultas posteriores, vai aí o que interessa:
Ficha técnica: Brusque 1 x 1 Joinville - Augusto Bauer, em Brusque, 03/06/2010. JEC: Fabiano; Rafael Tesser, Fernando, Renato Santos e Eduardo - expulso; Carlinhos Santos, Luís André, Ricardinho (Souza) e Emerson (Elton); Cris e Lima (Miro Bahia).Técnico: Edinho Nazareth. Gol: Eduardo.

2 de jun de 2010

ALL QUIET ON WESTERN FRONT

Nada de novo no front jequeano - exceto a contratação de Marcelo Silva - assunto de que tratarei em momento oportuno. Ainda estou em dúvida quanto à relevância desse reforço.
Apenas aproveito esse pequeno posto para dizer que, doravante, algumas pequenas alterações serão feitas. Umas duradouras, outra efêmeras.
A primeira, por uma questão de arquivo histórico, pois vá lá que daqui a dez anos eu ainda esteja escrevendo neste blog, será a anotação, jogo a jogo, das escalações, substituições, e apontamentos sobre o jogo. Posso querer saber, daqui a um decênio, quem esteve em campo na conquista da copinha, e o próprio blog será uma interessante ferramenta de pesquisa.
A segunda, por apenas quarenta dias, será opinar sobre a Copa do Mundo da África. Pretendo ver todos (ou quase todos) os jogos, e penso poder dizer alguma coisa sobre a competição, e espero, sobre o fracasso da mais retranqueira das seleções brasileiras, salvo, talvez, a de 90 (não me digam que a de 94, com todos os seus defeitos, mas com Romário e Bebeto, fosse retrancada.). Uma seleção brasileira que leva na convocação apenas quatro atacantes - a Argentina, por exemplo, leva seis - tem tudo pra dar errado. E que dê tudo errado, espero que voltemos pra casa na primeira fase para nunca mais termos que engolir um energúmeno tal qual o Dunga. AVANTE, JEC!