NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

24 de dez de 2009

FELIZ NATAL

No Jornal do Almoço de hoje, uma reportagem sobre os anos vitoriosos do Joinville nos enche de esperança. Aguardemos os reforços que ainda serão anunciados. Eduardo e Valença já estão aí. Um chegou a jogar no Vasco, logo deve ter algum futebol pois esteve em um time da segunda divisão (ops! o Vasco conseguiu subir), o outro jogou por anos no Santa Cruz, e teve passagens por Corinthians e Náutico. Aparentemente o time se reforça. Que de saco cheio fique só o Noel, nos queremos felicidade e um saco de gols - a nosso favor. Avante, JEC!

18 de dez de 2009

SÉRIE B - POR QUE NÃO ESTAMOS LÁ?


Estes times estão na série B:
Icasa
– Município de Juazeiro do Norte/CE – População 242.000 habitantes, PIB per capita de R$4.812,00; Estádio Romeirão – 16.000 lugares.
Asa de Arapiraca – Município de Arapiraca/AL, PIB per capita de R$6464,00, População de 202.000 habitantes, Estádio Coaracy Fonseca, com 12.000 lugares.

Este time e nossa cidade não estão:

Joinville Esporte Clube – Município de Joinville, População de 487.000 habitantes, PIB per capita de R$23.561,00, Estádio Arena – 22000 lugares.

Alguma coisa anda(va) muito errada no JEC. Façamos uma breve viagem no tempo, para o ano de 2004.
O fato é que em 2004 estávamos na série B, quando fomos rebaixados – a estréia contra o Santa Cruz, em casa, perdendo de 4X1 foi um prenúncio da porcaria que ia acontecer (na segunda rodada já estávamos na lanterna ao perder em Jundiaí por três a um). Depois anos na C, depois nem na C, outrora nem na D, agora finalmente conseguimos um lugarzinho na quarta divisão.
O rebaixamento se concretizou com o seguinte “timaço”: Marcelo Alves; Eder, Wagner, André Luis e Beto; Jean Carlo (Felipi), Doriva (Anderson), Coracini e Toreti; Maurício e Reinaldo Paulista (Fabiano). Técnico interino: Zé Carlos Paulista (o quarto ou quinto técnico naquele certame, depois de Edson Gaúcho, Galli Neto, Luiz Carlos Cruz, etc.). Saldo final – 17 derrotas em 23 jogos.
Coincidentemente, na data do último jogo do JEC, contra o Náutico, inaugurava-se a Arena, que era um primor, segundo o Governador (A Notícia, 26.09.04):
“É importante lembrar que Joinville não fez nada que não seja de primeiro mundo. Quem vai a Tóquio ou a Seul deve encontrar estádios iguais, mas nunca superiores ao que está sendo entregue aqui hoje", disse Luiz Henrique da Silveira. (Pelo que se viu nos últimos dias, não foi bem assim a história, e a Arena corre perigo).
Além disso, diz-se que a cachaça e as festas eram, além da má qualidade do elenco, grandes entraves ao futebol, e que nos tiraram do lugar em que deveríamos estar. Além do mais, a política municipal – quem não se lembra, por exemplo, das contratações feitas por um político e desfeitas pelo outro no dia seguinte? – e a má-gestão de dirigentes que pareciam não gostar nem entender de futebol, mas se aferravam à cadeira da presidência – Bartholi, principalmente, completaram o quadro de horror a que chegamos e do qual, agora, parece que começaremos a sair.
A torcida também pouco ajudava. Tirando as organizadas, uns poucos gatos pingados iam ao Ernestão ver o JEC jogar. Contra o Anapolina, por exemplo, na terceira rodada, o público foi de 2298 pagantes, uma mixaria de gente para um jogo da série B (a nossa torcida melhorou – aumentou seria o termo mais mais correto – muito depois disso, mas esse é um assunto ao qual voltarei em breve).
Enfim, esse era o quadro há cinco anos!
Voltando ao presente, pode-se argumentar que os cruzamentos na série C sejam mais fáceis para os times do Nordeste do que para os daqui do Sul, pois se ASA e ICASA são potências regionais, imaginem os times que perderam para eles. Mas o fato é que nosso time e cidade são muito grandes para continuarmos comemorando a participação na quarta divisão do futebol brasileiro. Somos maiores do que pelo menos cinco dos times que estão na série B.
Outro dia disse e agora repito. Nos últimos dez anos, nossas alegrias se deram com o Márcio Vogelsanger à frente do JEC (títulos de 2000 e 2001). Esperamos que o raio caia várias vezes no mesmo lugar. Avante, JEC! Vamos deixar esses mais de cinco anos entre a queda para a série C e o início de 2010 enterrados como o sapo que dizem existir na Arena (eu acho que não era sapo algum, era incompetência).

P.S: Ah, e qualifiquem o elenco.

14 de dez de 2009

PERIGO!!! ARENA SOB AMEAÇA


No jornal "A Notícia" de ontem - 13.12.2009 - consta que a Arena pode ser interditada. Aparentemente o risco existe, mas pode ser contornado.
Primeiro é de se dizer que de todos os estádios de Santa Catarina, verdadeiramente só há quatro em condições para que os torcedores possam assistir aos jogos com segurança: o Heriberto Hülse, a Ressacada, o Scarpelli, e é claro, a Arena. Se interditar a Arena, tem que interditar o Augusto Bauer, o Hercílio Luz, o João Marcatto, o Índio Condá, etc. Vamos ser razoáveis!


Isso, contudo, não impede de ver que a nossa Arena tem, sim, problemas bastante relevantes. Segundo o jornal, e de acordo com inquérito civil presidido pelo Ministério Público de Santa Catarina, há problemas quanto a: a) construção dos banheiros do segundo anel (nem segundo anel é, só uma extensão para cima das arquibancadas); b) instalações elétricas; c) vestiário interditado; d) proteção na parte superior das arquibancadas, para evitar que alguém caia lá de cima -aí sim vai dar m...; e) fácil acesso ao campo - fechamento da rampa; f) infiltração e vazamento nas juntas e lajes; g) piso dos bancos de reservas cedendo; h) cerca e portão do estacionamento; i) falta de equipamentos para prevenir e combater incêndios, j) rede sobre o fosso, e outros problemas menores que deixo de mencionar. Pra acertar tudo seriam necessários R$500.000,00. É muito problema e muito dinheiro pra um Estádio tão novo, inaugurado em setembro de 2004.
Tirando um ou outro questionamento que em verdade nem problema chega a ser - rede no fosso é absolutamente desnecessário, há muitas coisas sérias a serem feitas pra se perder tempo com bobagens. Apontem-me um estádio que o fosso tenha rede! Tem rede no fosso do Maracanã? Tem rede no Beira-Rio?
As infiltrações e vazamentos de água decorrentes das chuvas parecem ser o mais grave. A impermeabilização não pode mais esperar. Além de causarem a deterioração da estrutura de concreto e dos ferros que dão solidez à essa estrutura - quando ocorrer tragédia como a da Fonte Nova vão dizer que o estádio mereceu a manutenção adequada - causam a formação de um limo que deixa as áreas de circulação (e as próprias arquibancadas, que aparentemente nunca são lavadas) parecendo pista de patinação no gelo, de tão lisas que ficam. Quando um infeliz, um idoso, uma criança escorregarem e sofrerem um grave acidente o responsável será o Município de Joinville e, logo, nós, contribuintes, ajudaremos a pagar o prejuízo.
Quando o prefeito diz que "Tenho que pensar em prioridades. A Arena não é" (p. 31, A Notícia, 13.12.2009), parece se esquecer que ano que vem, semanalmente, pelo menos 5000 pessoas (se o time estiver bem, aumente-se o número para 10.000) irão à Arena a cada final de semana, seja no Catarinense, seja na Série D, em busca de lazer, um dos direitos de cada munícipe. Se houver alguma tragédia, essa frase do prefeito há de ser lembrada para todo o sempre. Não quero agourar, mas não precisamos de uma tristeza como a da Fonte Nova, em Salvador.
O nosso tricolor tentou ser o responsável pela administração do Estádio. Disseram que o JEC não conseguiria arcar com os custos de manutenção do Estádio. Pelo jeito, nem a Prefeitura.
Ademais, é uma pena que qualquer discussão política em Joinville vire um FlaXFlu ideológico, e que as coisas não possam ser feitas racionalmente, para o bem do JEC, principalmente, e depois para o bem de toda nossa cidade. Disseram que era ilegal a cessão. Não sei, não estudei a matéria, mas o Engenhão, no Rio, um estádio público, não foi cedido ao Botafogo? Qual a diferença?
E digo mais - se não fosse o JEC, pra que a Arena? Tirando uma ou outra secretaria municipal, aquele estádio só existe pelo e para o JEC (fora alguma pelada de fim de ano, ou jogos finais da primeirona, a contragosto dos times que disputam a final, que preferem jogos nos seus estádios pra vender cerveja e arranjar algum dinheiro).
Ademais, a Arena é PATRIMÔNIO PÚBLICO (foram investidos mais de 30 milhões de reais de dinheiro do povão - 24 milhões em 2004, sem correção monetária, e mais 7 milhões na ampliação), e portanto, como bem público, de todos nós, deve ser cuidado. Se deixar às moscas, se deixar deteriorar, o responsável pelo prejuízo deve ser responsabilizado.
Cuidem da Arena e por conseqüência, do bem estar de quem a freqüenta. Avante, JEC!

13 de dez de 2009

TRINTA MIL-RÉIS, MAS SUFOCO CONTRA UM TIME DE SEGUNDA

Ganhamos um torneio interestadual! É bem verdade que como disse, o torneio não era lá grande coisa - um era campeão da segundona paranaense - até a primeira é fraca, com exceção do Coritiba e Atlético, o outro campeão da A3 do Paulistão, e outro o substituto do Internacional B, do Rio Grande do Sul. De qualquer forma, botamos trinta caraminguás no bolso (em sentido figurado, porque eu não ganhei um puto de um tostão), além de ter a chance de observar alguns poucos jogadores. Os que jogaram ou eram titulares, ou o foram em algum momento da Copinha. Nada de muito novo.

É de se ressaltar o Lima, que fez seis gols em dois jogos lá em Votorantim, e um total de 21 em dezesseis jogos durante este ano, salvo algum engano na conta, o que não é difícil de ocorrer.
De outra banda, é preocupante que o time do Serrano tenha se mostrado melhor do que o nosso, não obstante tenhamos vencido. Marcação no campo de ataque, triangulações, toque de bola rápido embora o campo encharcado, jogadores habilidosos, tudo isso o outro time (de segunda divisão paranaense) tinha, ao contrário do nosso.

Vi também que o tal de Jeje e o Gleison foram dispensados - não vão fazer falta, nunca os vi em campo na Copinha e nem em qualquer lugar. Acho que a diretoria continua acertando num primeiro passo - dispensa quem não aprova. O segundo passo seria, penso eu, contratar bem, menos jogadores, mas sempre melhores do que os dispensados. Qualificar o elenco é preciso. Sem qualquer menosprezo aos jogadores que aí estão, pois nosso dever é apoiar, como afirmado no cabeçalho do site e aqui o serviço é torcer verdadeiramente e incentivar, afirmo que temos de pensar que o time pra série D tem que ser bem mais forte que o atual.

A hora é de comemorar, com os pés no chão e cabeça no futuro. Temos de pensar no ano que vem. Avante, JEC!


11 de dez de 2009

1° LUGAR - UM BEZERRO; 2° LUGAR - UMA CAIXA DE CERVA


Prosseguindo, passo ao segundo dos oito posts sobre diversos assuntos que interessam à comunidade Jequeana.
Eis que após o título da Copinha já nos vemos às voltas com a possibilidade de mais um caneco - a Recopa Sulbrasileira.
Esse é um daqueles torneios "de porco", que o campeão leva um bichano como esse aí do lado. Nesse caso específico, o porco (digo bezerro) vale trinta paus. Acho que dá pra pagar a gasolina do busão do JEC.
O negócio é o seguinte: joga uma semifinal no sábado à tarde, contra o Porto Alegre - lá jogam Adão (e eu que achei que ele só estivesse vendendo cerva na descoberta da arena) e Fabrício, cada um com uns 150 anos. Se ganhar, pega o vencedor de Votoraty/SP e Serrano/PR, no domingo, às 10h, com transmissão da Rede Vida (palmas pra Jesus!) - tenho certeza que será um pico de audiência de dar inveja à Rede Globo. Veja-se que pelos regulamentos da CBF e FIFA não se pode jogar duas partidas em menos de 48 horas, se não me engano. Desde logo podemos chegar à conclusão que esse não é um torneio sério, mas tudo vale a pena se for pra ganhar e elevar a moral de nosso time.

Mudando de assunto: Profeticamente, no último post - ou nem tanto, já que quarqué anarfabeto que visse os jogos do Joinville chegaria à mesma conclusão - antevi as dúvidas quanto ao Martin e à incógnita chamado Rogério Correa. Foram dispensados, penso que corretamente, abrindo espaço para a qualificação do elenco para o próximo ano. É isso aí - dispensa dois mais ou menos, e traz um bom. Avante, JEC! Rumo a Recopa - e tragam o bezerro.

9 de dez de 2009

COPA SC 2009 - UM PEQUENO PASSO PARA UM TIME...

Dentre as frases antológicas, e que sempre merecem ser citadas, lembro-me de Neil Armstrong, que ao pisar pela primeira vez na lua, disse que se tratava "de um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade".

Não posso querer comparar a nossa vitória na Copinha SC/2009 ao desembarque lunar, mas o fato é que sem um primeiro passo o JEC não iria a lugar nenhum, nosso clube nunca daria o grande salto que todos esperamos. E, nesse caso, começar já é boa parte da ação. Depois de dois anos, voltamos a existir no calendário nacional.

É até engraçado, mas o fato é que estamos de volta ao CAMPEONATO BRASILEIRO, ainda que na quarta divisão.

A Copinha não foi difícil. Um primeiro turno moleza, em que apenas perdemos o jogo fora para o Avaí B, garantindo a vaga para a eventual final, caso não ganhássemos o segundo turno.
O returno foi um pouco menos feliz, com a derrota para o Criciúma, o empate com o Figueirense B, ambos em fora, e o único resultado que realmente não podíamos ter - o empate em casa com o Metrô, por 0 a 0, e que deu o título ao time de Blumenau, obrigando-nos à final.

Pois bem, então repetimos a boa partida fora de casa que fizeramos no turno, vencendo por um a zero. No primeiro jogo da final vencemos, de novo, lá em Blumenau, agora por 2x0. Viemos para o último jogo, em casa, com a taça e a vaga para a D praticamente assegurada. Só uma catástrofe mudaria a história, até porque o ataque do Metrô é uma solene nulidade. A vitória por um a zero, em jogo que não acompanhei por motivos explicados em post anterior - Maracanã, Flamengo campeão brasileiro - foi o cumprimento dos objetivos. Não importava ser brilhante, era indispensável assegurar a vaga pois sem calendário esse time não poderia mais ficar.

Assim, garantimos calendário. Jogadores aprovados e que devem continuar no elenco, na minha opinião:
Goleiros: Fabiano (ótimo goleiro), o André é arriscado para a reserva. No jogo que vi este não esteve muito bem.
Zagueiros: Lacerda, Samuel e Duílio, razoáveis. Rogério Correa é uma incógnita (no site do JEC dizem que tem 30 anos, mas vive machucado e raramente entra nos jogos. Foi até campeão brasileiro da primeirona, pelo Atl-PR). Penso que é necessário mais um zagueiro de qualidade, para ser titular absoluto, podendo sobrar para algum dos que estão aqui. Em alguns jogos tomamos (vários) gols de bobeira. Num mata-mata pode não ter solução depois.
Laterais: Tesser e Elton bons, contudo aquele machuca bastante e esse não deve prosseguir, parece que volta ao Vitória. Rogério Souza é bom para compor o elenco. Enfim, precisamos nos preocupar com as laterais.
Meias: Gosto de Claudemir, William joga muito, Carlinhos Santos idem. Ricardinho é bom. Os outros volantes são garotos, para compor o elenco (Pedra e Douglas). Rafael Bittencourt e Martin ficaram devendo. Não há um grande organizador de jogo no JEC (e diga-se, em poucos clubes do Brasil). O Fernandes do Figueira me agrada muito, mas está estabelecido em Floripa e deve ganhar muito bem. Precisamos de um grande volante. O meio é um problema.
Atacantes. Lima e Chris, ótimos. Lino e Leandro Costa, boa opção para o segundo tempo. Aldair compõe bem o grupo, junto com Charles (quando se recuperarem completamente de suas lesões).
Técnico: gosto do Ramirez, tenho a impressão que joga pra ganhar também fora, o que é importante - quem não se lembra de dois anos atrás, quando ficamos mais de um ano sem ganhar fora de Joinville?

Em resumo, temos um grupo razoável, que fará um papel aceitável no Estadual. Acho que como está não ganha (e já não ganha desde 2001), tem que qualificar. Avaí e Figueira vêm fortes, a Chapecoense, com a vaga na C, também deve estar bem montada. Criciúma acho que vem mal, o resto é fraco e sem grana pra montar um time. Há quatro times, portanto, e entre os quatro temos o dever de ficar.

Para a série D TEM QUE QUALIFICAR - e bastante. Basta ver que muitos desses jogadores que aqui estão fracassaram junto com Marcílio e Brusque na série C desse ano, inclusive caindo pra série D.
É isso, o time da Copinha serviu para a Copinha, e classificar para a D. Não serve para a série D, embora muitos possam ser aproveitados - pelo que li n'A Notícia o Martinelli também acha isso (em 08.12.09, disse - segundo o Maceió - que precisa de cinco ou seis contratações, subindo os gastos com o time, ou seja, com jogadores mais qualificados).
Tem que chegar na D e subir já em 2010. Avante, JEC!

8 de dez de 2009

O QUE SERÁ DO AMANHÃ, RESPONDA QUEM PUDER


Como eu dissera no último post, fui ao Maraca e vi o Flamengo ganhar o hexacampeonato brasileiro, razão pela qual pela primeira vez não estive na Arena neste ano. Acompanhei o jogo recebendo torpedos por celular e ligações avisando sobre o andamento do jogo, e ao final, a confirmação do títulos.
Esperava que meus companheiros de blog comentassem o jogo aqui, o que não ocorreu. Por isso comentarei em breve sobre o que li em nossos jornais, pois não posso dizer "Meninos, eu vi".
Há muito a dizer, de modo que vou aos poucos comentando o que penso ser importante.
Coisas sobre as quais quero dizer alguma coisa, com um ou dois posts para cada assunto:

1. Resumo da nossa participação na Copa Santa Catarina.
2. Recopa Sul-brasileira.
3. Previsões e necessidades para o ano que vem - Elenco e estrutura.
4. Estes jogadores são bons o suficiente ou precisamos de reforços?
5. Campanha sócio-torcedor - em que pé estamos? (Coloquei aí ao lado o símbolo da campanha "10.000 sócios".
6. Comportamento da torcida do JEC - organizadas e torcedores "comuns".
7. Análise da gestão Vogelsanger-Martinelli.
8. Necessidade de engajamento da imprensa - ou no mínimo de imparcialidade - não ao "crítica pelo simples cacoete de criticar". O exemplo do jornal "A Notícia" ajudando o JEC.
Por enquanto só me resta dar os parabéns aos jogadores, comissão técnica, direção, patrocinadores e à torcida, que tem acompanhado este time nos últimos dois anos, quando só tristezas houve. Avante, JEC! Por um 2010 muito melhor!

4 de dez de 2009

NÃO TEM MAIS JEITO... É CAMPEÃO


Essa aí é a foto do time campeão do ano de 2001. Dá saudade, não dá? O que o Clube tem em comum naquela data e hoje? Quem mandava era o Vogelsanger (não me recordo bem, pode ser que o Márcio tenha largado a presidência no meio do campeonato, por motivos pessoais, mas pouco importa, ele esteve presente na montagem do time).
Temos de dar crédito a essa diretoria que chega agora ao título da Copinha e garante calendário para o ano que vem. Teremos futebol pelo menos até setembro - ao contrário dos dois últimos anos quando o JEC parou já em abril.
Nem vou falar do Metropolitano. Já era. O jogo de Blumenau, ouvido pelo rádio, foi muito bom. Um primeiro tempo primoroso de nosso ala-direita improvisado bastou para acabar com o jogo e o certame.
Infelizmente não poderei comparecer ao jogo final. Estive em todos os outros, esse passo, pois vou ao Mário Filho ver o Flamengo erguer a taça do Brasileirão. Deixo para meus amigos que também escrevem nesse blog a missão de comentar o jogo. Espero voltar do Rio bi-campeão - JEC e Flamengo. Avante, JEC! Rumo a 2010, ano de nossa almejada retomada.

26 de nov de 2009

TODOS PARA A METRÔ


É hoje! Todos para a Arena!

Para tristeza dos agourentos, basta uma vitória contra a Metrô - essa boate lá do Itaum aí na foto, pra torcida festejar o acesso à série D, e garantir calendário pelo menos até setembro do ano que vem. Para quem, no ano passado e neste ano ficou sem calendário em fins de abril, sem dúvida, uma grande melhora. Uma vitória por um gol é suficiente, eis que passaremos a ter seis gols de vantagem no saldo sobre o Metropolitano, que teria de vencer o Figayrense por seis gols, no mínimo, para que fosse necessária uma final contra a turma da boate do querido Itaum - o que convenhamos, seria castigo demais.

O fato é que na Copinha o JEC sobrou. Quando perdemos para o Criciúma, o Marco Antônio - da RIC - logo disse que estava bravo, envergonhado, essas coisas de mau torcedor. Esquece ele que o JEC ganhava de dois a zero, perdeu um pênalti aos trinta do primeiro tempo, e a partir daí, é verdade, jogou mal. Então podemos dizer que esse time que envergonha uns e outros jogou mal - pasmem - por 60 minutos, uma hora inteira, vejam só, em doze jogos. Aí fica difícil torcer pra um time tão ruim, diria o nosso querido palpiteiro da TV.

Parabéns pela maiúscula vitória em Brusque, e vamos confirmar nosso calendário do ano que vem hoje à noite. Dois a zero basta, ficaremos com saldo de 8 gols. Ao ataque, tricolor.

16 de nov de 2009

OS CAVALEIROS DO APOCALIPSE

Disse outro dia que embora freguês, o Criciúma inspirava respeito. O fato é que não nos demos o respeito necessário. Fizemos dois a zero, o Lima perdeu um penal (chega de paradinha!), e depois conseguimos tomar quatro gols em poucos minutos, com três gols do Moscatelli, que jogou bem aqui no Joinville - embora esse Mosca tenha perdido um pênalti que quase me causou um infarto - todos nos lembramos desse fatídico dia.
Mas ressalvei que o empate contra o Criciúma seria bom, e continuou sendo bom após o empate do Avaí com o Metrô (nome de boate furreca aqui em Joinville). Por enquanto, continuamos na briga e dependendo somente de nós. Na quinta-feira, ganhando do Avaí na Arena tudo volta à estaca zero, recomeçando o returno prontos para despacharmos os timinhos que querem nos incomodar.
Chega dos Cavaleiros (ou BESTAS) do Apocalipse, que a cada resultado ruim decretam o fim do JEC.
Meus parabéns a Diego Santos - acho que Nardela e Ricardo tem créditos no atual momento -, do Blog do JEC, que entende que futebol não é maniqueísmo, é feito de nuances que transcendem o mero disputar três pontos, ganhar ou perder. Hoje, Diego fez dois posts em seu blog sobre o JEC (o Maceió nem falou no JEC, devia estar de folga depois que o jogo acabou, às 21h de ontem), discutindo, entre outras coisas, a nossa defesa - estou até agora tentando entender a barração de Samuel. Será que foram os gols em Floripa, contra o Avaí?
É claro que se tivermos que disputar contra qualquer um desses timinhos uma final da Copa SC, um milhão de fantasmas nos assustarão - e serão devidamente exorcizados, e asseguro que o JEC é maior do que esses times caolhos. Triunfaremos! Viva o JEC!

15 de nov de 2009

JEC VERSUS CRICIÚMA


Embora o Criciúma seja freguês do JEC, não podemos descuidar no jogo de hoje. Particularmente, não considero um empate um mau resultado, considerando que que o Metrô pega o Avaí em Floripa, na segunda.
Segundo A Notícia (a matéria da página 28 não é sequer assinada, deve ser aquela notícia "da redação" ou "da equipe de AN", e se houver erro não há sequer como apontar o reponsável pelo equívoco. A reportagem do Juventus de Jaraguá, vejam só, é assinada - p. 29), o time, desfalcado de Paulinho Dias, terá Ricardinho como meia. Além disso, ganham posição no time Rogério Souza, que entrou no segundo tempo contra o Brusque e melhorou muito a lateral-esquerda, e volta Chris, que perdera a posição para Lino. Considero um acerto do Ramirez promover tais substituições, reparando equívocos que a meu ver cometera.
Contudo, é preciso lembrar aos torcedores (entenda-se corneteiros) da Arena que vaiaram o Lino quando substituído contra o Ibirama - e que provavelmente eram os mesmos que o pediam no jogo anterior contra o Brusque - que o rapaz é bom de bola - nota-se pelo domínio de bola, pelo toque refinado - e que embora tenha deixado de fazer dois gols no segundo tempo, o fato é que estava bem colocado e no lugar exato pra marcar o gol. Só faltou um pouco de sorte. Vamos lá, JEC!

13 de nov de 2009

UM NOVO BLOG PARA O JEC

Aqui começa um novo Blog sobre o Joinville Esporte Clube. Ele é escrito por um grupo de amigos que vai sempre ao estádio e não pode concordar com o que se diz sobre o JEC, principalmente na mídia, com raras exceções.
A nosso ver, além de pouco entenderem de futebol, e apesar de dependerem do Joinville para sobreviver - basta ver que há um membro da impresa que se diz "o mais vezes campeão", sem nunca ter entrando em campo, ter sido eleito vereador com a força da torcida, ou outros que apresentam programa de TV que é até poluído dado o absurdo de propagandas e merchandising lá existente, ou outro ainda que na página de esporte do mais importante jornal da cidade só fala da Malwee, do Pavanello, do Marchetti e outros de seus amigos - nada mais fazem do que falar mal do Joinville.
Aqui não se falará mal do JEC. Poderão existir algumas críticas, mas nosso intuito é fortalecer, ajudar, empurrar, torcer por esse nosso clube tão maltratado. Viva o JEC!