NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

27 de set de 2011

COMO FOI BRA X CHA. A CHAPECOENSE É A PRÓXIMA ADVERSÁRIA.

Ainda tentando normalizar os batimentos cardíacos e a pressão depois do jogaço de domingo, é hora de começarmos a pensar em mais um confronto contra a Chapecoense (e também já colocar na alça de mira o Brasiliense, na outra semana).

Por vezes, já é muito querer que um raio caia duas vezes no mesmo lugar, e o nosso desejo agora é ainda mais inusitado: que ele caia quatro vezes no mesmo lugar, ou seja, que vençamos a Chapecoense mais duas vezes. Convenhamos, é bastante ambicioso e bastante difícil. Fizemos uma grande partida lá no Oeste e vencemos por dois a zero. Jogamos mal em Joinville, mas vencemos mesmo assim. Mas, conseguiremos duas novas vitórias? O meu palpite para essa dúvida não virá agora - ainda falta muito para o jogo.

Para ainda não falar só da Chapecoense - assunto de um próximo post -, assisti ao jogo entre BRA e CHA, na tarde de ontem,  e este nos trouxe possibilidade de novas observações e/ou dúvidas, tanto em relação à classificação (o empate foi bom para nós?) quanto para observar mais um pouco um (a CHA) e conhecer o outro adversário - o Brasiliense. O jogo foi transmitido pela TV Brasiliense, pela internet, em ótima conexão.

A Chapecoense veio, de início, com o time que vinha jogando, sem Negueti, Nequinha e Diogo Oliveira, os novos contratados que entraram no decorrer da partida, como se verá abaixo.
O Brasiliense, que iniciara bem o certame, nas últimas rodadas (até então três jogos sem vitória, agora quatro) caiu de produção e teve as modificações do novo técnico Argel foda-se, talvez para tentar dar uma nova feição ao time, colocando em campo jogadores que andavam fora do time há um bom tempo, exemplo disso foram as entradas de Tuta (37 anos) e Fabiano Galhudo (o eterno sonho do Nereu).
Faço resumo dos lances - é meio chato, mas dá para ver por onde o jogo fluiu mais, onde são as jogadas mais fortes dos adversários, etc. "Narro" o jogo:

1º TEMPO:
Com 30" o BRA quase abriu o placar. Diego Lira entortou Amaral Rosa pela esquerda, e após cruzamento Ferrugem quase fez o primeiro gol.
A 1' jogada ensaiada da Chape, em falta, e bem ensaiada. Ovelha fazendo das suas. Em escanteio, nova tentativa de jogada ensaiada da bugrada.
Aos 6' quase gol do IPA, após cobrança de falta de Gadelha. Bola na rede pelo lado de fora.
Aos 7', chute da CHA, livre, da intermediária.
Aos 9', grande cobrança de falta pela CHA, goleiro fez difícil defesa botando pra escanteio. Na cobrança, acho que foi pênalti a favor da CHA (talvez tenha sido fora da área), não marcado pelo Arilson da Anunciação - que apitou mal Campinense x Guaraná de Sobral, prejudicando o time visitante.
Aos 12', mais uma vez em bola de Gadelha, o ataque do BRA levou vantagem em jogada de bola parada.
Aos 16', falta batida pelo Galhudo, direto, quase. Ótima defesa de Rodolfo.
Aos 17', escanteio para o BRA, vantagem de novo sobre a zaga da CHA.
Aos 22', Galhudo abriu o placar, em grande jogada do time candango. Em poucos segundos a bola saiu da lateral, Tuta deu passe de calcanhar, Cicinho - o lateral - enfiou bola no meio da zaga da CHA e Galhudo tocou por baixo de Rodolfo.
Aos 29', em mais uma jogada ensaiada da CHA - escanteio, quase gol, perdido por Amaral Rosa, dentro da pequena área.
Aos 32, CHA perde gol, novamente, em ótimo lançamento pelo meio da zaga do BRA.
Aos 33, contra-ataque do BRA, cartão para Aelson, apelando.
Aos 38', Neilson fez grande jogada pela direita, e Jean Carlos chutou por cima.
Aos 39' o BRA perdeu gol feito. Gadelha começou jogada deixando Tuta livre, que rolou para Diego Lira sozinho, em frente ao goleiro, entre a marca do pênalti e a linha da pequena área, chutou bisonhamente para fora. Acho que estava impedido.
Aos 40', jogada pela esquerda da CHA, e quase o empate, mas chute por cima da trave.
Aos 43', Jean Carlos tomou cartão - a primeira suspensão da indiada, e um dos dois melhores jogadores da CHA, junto com Neilson não nos incomodorá.
Aos 45', Amaral Rosa afasta bola perigosíssima, em jogada do BRA pela ponta esquerda.

O nome do jogo, na primeira etapa, foi Fabiano GALHUDO. Vamos ter que cuidar desse cabra. As melhores chances da CHA foram pelas laterais do campo - e eles têm jogadas ensaiados em faltas e escanteios. Abrir Capixaba e Jailton, ter Aldair como opção pode ser interessante contra o time de Brasília (isso se o matador já não voltar).
A Chapecoense desceu o porrete, mas o árbitro não deu cartão pra ninguém nos primeiros trinta minutos. No mínimo duas ou três jogadas dignas de cartão até então. Só foi amarelar a indiada no final da primeira etapa - beneficiando o time catarinense. O BRA mereceu pelo menos um amarelo, que também não foi dado.
Neilson sempre caindo pelos lados e incomodando o BRA em boas jogadas individuais (Capixaba terá chances de jogar pelas alas contra o BRA). Ferrugem (MEI), Cicinho (LD) e Diego Lira (ATA, pelos lados)  também foram destaques do time candango.
No intervalo, Ovino sacou Sagaz (que realmente não fez grande coisa) e colocou o bom Nequinha, ex-boy do subterrâneo (jogou muito aqui no empate amistoso JEC x Metrô antes da Série C).

2º TEMPO:
Aos 2', quase ampliado o placar, Diego Lira deixou Cicinho na cara do gol, mas chutou mal, mascado.
Aos 4', Galhudo bateu falta a quase 40 metros de distância, muito bem, Rodolfo fez ótima defesa.
Aos 6' Deda dá uma cacetada e na falta, a CHA levanta a bola em jogada ensaiada, mas sem perigo.
Aos 8' grande jogada da CHA pela esquerda, em cruzamento de Aelson. Neilson quase empata.
Aos 12', mais uma boa jogada da CHA pela esquerda.
Aos 14', boa chance da CHA, com Diego Felipe, em chute da intermediária.
Aos  15' substituição na bugrada, entrando Diogo Oliveira no lugar de Marcus Alexandre; e no BRA, entrou Djavan e saiu o perigoso Diego Lira.
Aos 17, ótima jogada de Cicinho, pela direita. Logo depois, com participação de Cicinho, Gadelha (que brigou por uma bola quase perdida), a bola sobrou para Djavan, no rebote de Rodolfo após chute de Edinho. BRA 2 x 0 CHA.
Aos 24', após escanteio, a CHA teve duas chances claríssimas, uma salva por grande defesa de Weldon, e na outra o Grolli isolou, da linha da pequena área.
Aos 29', quse gol olímpico do Galhudo.
Aos 30', Neilson diminuiu, em bela jogada da CHA (do suspenso Jean Carlos), a bola sobrou pelo lado esquerdo da grande área, e fez CHA1 x 2 BRA.
Aos 32, chute de longa distância da CHA.
Aos 34, saiu Cicinho, o bom Lateral do BRA, entrando outro ala.
Aos 36, mais uma boa jogada da CHA, pela esquerda do ataque.
Aos 37 sai o filho-da-Tuta e entra Bebeto, no BRA.
Aos 38', em mais uma jogada pela esquerda, espetacular, de Diogo Oliveira, Nenê empatou para a indiada. BRA 2 x 2 CHA.
Aos 40', sai Neném e entra Negreti, e este já toma cartão no seu primeiro lance.
Mais uma ou outra chance sem contudência. Acabou empatado.

CHA conseguiu um ótimo empate fora de casa, depois de estar perdendo o jogo por 2x0. O primeiro tempo foi candango. O segundo da indiada. Diogo Oliveira entrou muito bem, deve ser titular, até porque Jean Carlos estará suspenso contra o Tricolor, e acho que Nequinha também jogará, pois foi melhor que Sagaz, defensivamente inclusive. Os reforços da CHA foram contratações acertadas. A Chapecoense está forte (mas nós também estamos).
O time do Oeste se complicou defensivamente com jogadas pelo meio - o primeiro gol numa enfiada de bola de Cicinho, no meio da zaga; o segundo também pela meiúca, em jogada de Galhudo; além do gol perdido por Diego Lira, em contra-ataque que também iniciou centralizado.
Nem precisa subir na tabela, é só ficar onde está!
O BRA jogou um ótimo primeiro tempo (poderia ter vencido por mais de um a zero), e um segundo tempo aparentemente cansado. É um time mais velho, e conseguindo segurar o time candango na primeira etapa, há uma grande chance de vitória no segundo tempo. Contudo, como já disse, se continuarmos fazendo faltas bobas na intermediária teremos problemas com o Gadelha, que é um perigo tanto batendo direto para o gol como alçando a bola na área, inclusive nos escanteios. Tuta já não tem mais a mesma mobilidade de antes. Argel ainda conta com a possibilidade de escalar Acosta e Ruy Cabeção, que não jogaram, mas também não sei quando e se vai utilizá-los -  pois envelhecem ainda mais o time.
Nota estranha sobre o jogo: dois mil torcedores, renda de 6 mil e poucos reais. O ingresso deve custar R$1,99.

Acho que é isto, e  concluo sem concluir, ou seja, volto à pergunta esboçada lá em cima: o empate dos adversários foi bom ou foi ruim para o JEC?
Não há como saber antes da próxima rodada. Como a Chape conseguiu ponto fora, para que continuemos em vantagem na tábua de classificação temos de buscar ponto(s) fora, exatamente contra a indiada.
Estamos em boa fase, acho que a Chape se reforçou bem (malgrado tenham perdido Dema definitivamente e Jean Carlos para o próximo jogo ), mas estamos bem e confiantes. O ideal seria repetir a vitória da primeira fase, mas um empate já seria bastante bom. Tenho certeza que Little Artur assistiu ao jogo, e certamente analisou os pontos fortes e fracos da Chape. Estaremos preparados. No próximo post pretendo tratar do jogo do próximo domingo.
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

26 de set de 2011

JEC X IPATINGA: FOI DIFÍCIL MAS, COM VASELINA, QUIETINHOS, COMEMOS OS MINEIROS!

Um dia nublado, chato até, somente poderia ser de algum brilho se o JEC fizesse alguma coisa diferente (ou melhor, igual, haja vista que andamos jogando bem nos últimos tempos). Mas realmente eu não esperava o que houve na tarde deste domingo. Rapaz, se eu fosse cardíaco, eu teria infartado - por precaução o Sandrão levou o desfibrilador para as arquibancadas.
Para o alto e avante! O caminho é pra lá, pra Série B.
O jogo começou perigosíssimo - contra nós. Mal a peleja iniciara e o Ivan já tinha feito dois milagres (embora antes Rangel quase abrira o placar), um com os pés numa bobeira da zaga em jogada de escanteio, e outra defesa em jogada pela esquerda, num chute rasteiro bastante difícil. O Ipatinga dava espaços pelo lado esquerdo de sua defesa, mas pouco aproveitados por nosso ala-direito. Renato Santos é que por vezes se apresentava por ali.
Da metade do primeiro tempo em diante equilibramos o jogo. Aos 36' Eduardo roubou uma bola na defesa, arrancou 80 metros, e após uma tabela em que Bruno Rangel deu um passe espetacular de calcanhar, nosso ala direito fez um golaço. Logo depois Ricardinho quase ampliou, em belo chute de fora da área.

No intervalo, o Ipatinga tirou o inoperante e pendurado Frontini e mais um qualquer - acho que o lateral Chiquinho que estava mal mesmo, e colocou um tal de número dezessete e mais um qualquer, e esse 17 (Vander) jogou muita bola, veloz, complicando muito nossa marcação. O Ipatinga cresceu no jogo, mas mesmo assim ainda tivemos boas chances com Capixaba e Jailton. Contudo, nos últimos 20 ou 25 minutos o adversário, jogando com qualidade, nos botou numa correria louca, tendo claras chances de empatar com uma bola no travessão em escanteio e outra que o Linno tirou em cima da linha com o Ivan já vencido.
Tínhamos algumas chances de contra-ataque, mas as desperdiçávamos, quase sempre errando um último passe. Assim, sofrendo, fomos até os 49' e asseguramos os três pontos.

Posso ter tido uma impressão errada (não sei o que vocês acham), mas acho que nosso time abriu o bico nos minutos finais. O time deles pareceu mais inteiro fisicamente no final da partida. Badé sentiu o ritmo. Eduardo teve cãimbras (claro que isso pode ser em razão de eles serem alas e terem que correr muito). Nossas substituições não puderam ser táticas, em razão das substituições por problemas físicos, e isso também pode ter contribuído para nosso final de jogo complicado.
Talvez por isso Little Artur resolveu botar a turma no RDD , e o elenco já se reapresentou hoje pela manhã. Acho que os jogadores não vão fazer biquinho, pois afinal tiveram a folga prolongada na semana passada, e vão entender que fazendo o regenerativo hoje, amanhã já podem trabalhar, inclusive a parte física. E esse sacrifício não dura mais de um mês, dá pra aguentar. Reverson disse que o time esta a 80% de sua capacidade. É hora de chegar aos 100%, e rápido.
Por fim, como jogaram bem, a meu ver, Ivan, o Terrível, Pedro Paulo (para mim o melhor em campo) e Capixaba - um leão, pelos dois lados do ataque! Acho que Glaydson destoou um pouco, mas penso que deva ser mantido para o jogo lá em Chapecó. Não me parece ser hora de Mateus voltar ao time titular - até porque o jogo do Glaydson encaixou bem na última vez que estivemos no Oeste.
A vitória foi imprescindível. O time do Ipatinga é bastante bom, foi até melhor do que o Joinville em boa parte do jogo, o que só enaltece nosso triunfo. Esse time de Minas Gerais ainda vai buscar pontos fora de casa, e isso poderá nos beneficiar - vou começar as mandingas pelos empates.
E aqui vai a mesma conclusão já proferida naquele jogo em que vencemos a Chapecoense jogando mal: é importantíssimo vencer quando não se joga bem. E ontem fizemos isso. Vencemos um jogo difícil, tenso (se via que a torcida estava nervosa - eu pelo menos estava). Demos o primeiro passo - faltam 5 ainda.
Até a noite desta segunda-feira (e talvez depois disso), somos líderes - isolados. Vamos aproveitar.
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

Ficha técnica: Joinville 1 x 0 Ipatinga, Arena, 25.09.2011, 11.753 pagantes
JEC: Ivan; Renato Santos, Linno e Pedro Paulo; Eduardo (Fabiano Silva), Glaydson (Mateus), Ricardinho, Jaílton e Badé (Tiago Real); Bruno Rangel e Ronaldo Capixaba. T: Arturzinho.Ipatinga: João Carlos; Alex, Pedrão, Eron e Chiquinho (Gedeon); Leanderson, Leandro Brasília (Vander), Wellington Bruno e Everton; Frontini (Malaquias) e Cristiano. Técnico: Ney da Matta.

Gol: Eduardo, aos 37/1º tempo (Joinville).

23 de set de 2011

UM TIME PRA CHAMAR DE SEU! TODOS CONTRA O IPATINGA. ESQUEÇAMOS - INCLUSIVE O LOCUTOR DA ARENA - OS OUTROS TIMES!

OCTA, EU DISSE OCTACAMPEÃO!
UM TIME PRA CHAMAR DE NOSSO!

Valter, Alfinete, Leandro, Adilson e Jacenir; Júnior, Nardela, Maringá; Paulo Egídio, Moreno e Geraldo Pereira.
ou
Marcão, Heverton, Bandoch, Téio e Magal, Hermê, Doriva, Lico, Perdigão, Paulinho, Fabinho.
Muitos outros times da história Tricolor poderiam ser escalados de cabeça, pois estão em nossas memórias afetivas - e às vezes a escalação pode até conter algum equívoco da memória, mas não importa, pois o que vale é do que nos lembramos, ainda que os fatos não tenham sido assim exatamente.

Esse time atual ainda não chegou lá, mas tem potencial para isso. Já sabemos o nosso onze titular de cabeça, o que é uma grande notícia, e restam 6 jogos para que seus nomes entrem na história do JEC e fiquem gravados em nossas memórias tal qual as escalações acima.

Todos sabemos que no domingo teremos em campo Ivan, Eduardo, Linno, Renato Santos, Pedro Paulo e Badé; Gleydson, Ricardinho, Jailton; Capixaba e Rangel.
E sabemos que no banco temos opções como Ramon (principalmente), João Henrique, Aldair, Mateus, Fabiano Silva, Gilton, e chegando por aí, logo, logo, o Lima.
É absolutamente legítimo que confiemos nesse time, nesse elenco, nesses jogadores, nesse técnico, e no domingo lhes demos todo o incentivo. Vamos subir, JEC!

Não tem fantasma nenhum!

OS OUTROS: O Ipatinga tem o retorno de dois jogadores, o zagueiro Chicão e o lateral-esquerdo Alex (destaque do time, segundo o Fábio Menezes). Não vem jogar aqui o zagueiro grandalhão Cláudio Luiz, suspenso, que certamente seria um tormento nos cruzamentos em nossa área.
No site do Ipatinga, há jogador dizendo que vem para cá jogar no ataque, mas considera o empate um bom resultado. Se jogarem mais ou menos abertos, dando campo para nosso jogo de contra-ataque, temos tudo para obter a vitória.

OS ANÚNCIOS NOS ALTO-FALANTES - só nos interessa JEC x Ipatinga:
Muito já discutimos sobre o anúncio de gols de outros times na Arena, pelo Weber ou por outra menina que não sei quem é. Todos já concluímos que está errado.
Mas ontem ouvi uma história que só reforça nossa tese. Disse um integrante da UT no programa da 89FM, que em tempos idos os jogadores foram até a Diretoria do Clube pedir que tal tipo de anúncio não mais acontecesse porque uma das coisas que mais DESMOTIVAVAM os jogadores era a comemoração da torcida em relação a gols de outros times, às vezes com mais empolgação do que tinham no jogo do JEC.
Porra, se isso não é argumento definitivo para que PAREM DE UMA VEZ com esses anúncios, não sei qual seria.
Veja que na última rodada, enquanto o JEC jogava contra o Brasil, havia, no mesmo horário, jogos de Flamengo, Vasco, Corinthians, São Paulo, enfim dos clubes de maior torcida no Brasil, e mesmo assim, tivemos 12 mil jequeanos na Arena.
Em boca fechada não entra mosca!
Se eles estivessem tão interessados assim nesses clubes, teriam ido à Arena? Não teriam ficado em casa vendo o jogo de "seus" times pela TV?  Não poderiam esperar até as 18 horas para saber os resultados da Série A?
Então, atenção exclusiva para o JEC. É o que peço. É o lógico. É o correto.

E complementando essa história, embora nem tenha tanto a ver, trago a declaração do Bruno Rangel, hoje, no Notícias do Dia: ano passado, pelo Paysandu, disse que uma das principais razões para terem perdido o acesso foi o anúncio, nos alto-falantes da Curuzu, durante o intervalo, pedindo que a torcida não invadisse o gramado após o jogo, para comemorar o acesso - o que eriçou os brios do Salgueiro e fez esse time virar o jogo (que estava um a zero para o PAY, com gol do Rangel) e deixar o Papão mais um ano na Terceirona.
Então, qualquer coisa impertinente, mal colocada, irrelevante pode ser um desestímulo à nossa equipe, ou uma injeção de ânimo no rival.
Por favor, só utilidade pública e propagandas. Nada de assuntos futebolísticos que não digam respeito única e exclusivamente ao JEC e ao campeonato em que esse estiver envolvido.
TODOS PARA A ARENA - COM CHUVA (provavelmente) OU SEM CHUVA!
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

21 de set de 2011

SEGUNDA FASE: UMA CAIXINHA DE SURPRESAS? - NEM TANTO, NEM TANTO...

Não tenho dúvidas que na primeira fase, não havia, entre Brasil, Santo André, Caxias e Chapecoense - embora esta última tenha ficado à nossa frente - um time que fosse melhor do que o nosso. No máximo, havia times que podiam se equivaler ao JEC - a CHA, principalmente - ou seja, em todos os jogos podíamos jogar de igual para igual.


Surpresas? Nem tanto, mestre!
Nessa segunda fase, ainda não temos essa certeza. Temos de estar preparados para que, ou Brasiliense ou Ipatinga sejam equipes melhores, mais qualificadas do que o JEC, e aí, vamos ter que ganhar na correria, na raça. Pode acontecer de uma equipe disparar na classificação (oxalá sejamos nós) e ficarem as outras três brigando pela segunda vaga.


Fábio Menezes já descartou essa superioridade ipatinguense, embora tenha alertado para três jogadores deles: o lateral Alex, o meia Wellington Bruno (essa é pra ti, Glaydson) e o atacante Frontini (contra esse aí me parece que temos de ter um colado nele e um na sobra, pra não deixar esse argentino querer fazer graça dentro da área. Nas bolas aéreas, Linno ou Renato Santos vão ter de colar nele, e mais um ficar nas redondezas). Estamos avisados que essa jogada será complicada, portanto, nada de dar bobeira.


A presunção corriqueira por aí, de que Madureira, Macaé e Marília fossem piores que Caxias, Brasil e Santo André é somente isso, uma presunção, Não dá pra apostar nisso e confiar que BRA e IPA sejam mais fracos que JEC e CHA, mas também não dá pra dizer, de antemão, que sejam mais fortes.
Mas algumas notícias dão razão ao pensamento de que talvez os adversários de BRA e IPA, fossem mais fracos. O Marília vem numa crise terrível, há dois ou três anos. Caiu para a terceira divisão paulista, e um time que vinha bem na Série B até outro dia, de repente, em dois anos, cai para a Série D. Desmandos na diretoria, ingerência dos diretores na escalação, etc., culminaram no rebaixamento. O MAC estava mal, portanto (veja aqui) .
Madureira e Macaé (essa cidade tem royalties do petróleo) não têm torcida, são times do subúrbio carioca ou de cidade sem grande representatividade futebolística - certamente porque por lá deve grassar essa cultura do segundo time, e os habitantes devem ser viciados nos times do Rio, fizeram um Campeonato Carioca bastante modesto (respectivamente 11º e 14º lugares).


Como dizem por aí: essa é a maior patrocinadora do JEC!
Isto posto, temos (além de um time, no mínimo, em igualdade de forças) em relação a nossos adversários, uma vantagem grandiosa nessa segunda fase: A NOSSA TORCIDA.
Nossa média de público como mandantes é de 7.996 TRICOLORES (que vai chegar a mais de 9 mil com o jogo do próximo domingo, em que mais de 12 mil pagantes estarão na Arena). A do Ipatinga é de 1365 testemunhas, a do Brasiliense de 2142 candangos, e a da Chape, 3832 kaingangues. Essa diferença só não é ainda maior porque tivemos aquele jogo sob um temporal horrível, em que menos de 5 mil tricolores estiveram na Arena.
Ademais, o Ipatinga jogou contra Macaé e Madureira (com média de público inferior a 500 torcedores), Marília - com boa torcida, e Brasiliense, uns gatos pingados.
Aqui, vão sentir o bafo na nuca (homenagem aos gaúchos, pelo dia comemorado ontem - ui!) de mais de 12 mil torcedores, e vão sentir a pressão, vão jogar contra Estádio cheio pela primeira vez na competição. A mesma coisa o Brasiliense, só jogou contra públicos merrequinha, sem torcida gigante os pressionando. Só a Chapecoense já está acostumada à nossa torcida - embora presumo que tenham de lidar com mais do que o dobro daquilo que viram na Arena na primeira fase. Até podermos querer repetir a primeira fase e fazer novamente 6 pontos contra o time do Oeste, mas isso será bastante difícil, não contemos com o ovo antes de ele ser posto. Nossa torcida pode fazer a diferença.

Acho que esse é um handicapa massa tricolor - que não se pode deixar de considerar. Lotar a Arena nesses jogos do turno - e fazer 6 pontos; arrancar um empate (se vencermos, é só partir pro abraço e pra Série B) lá no Oeste, e aí teremos a grande chance de chegar na última rodada, contra o Ipatinga, talvez já na Segundona.
Vamos lá, galera! Agora é nossa hora. Todos à Arena!
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

19 de set de 2011

JEC X IPATINGA: PRIMEIRAS IMPRESSÕES.

Eram 20, só restam 8!
Agora está definida nossa briga pela Segundona.
Com a vitória da bugrada ontem contra o sangue-doce Caxias, ficamos em segundo no grupo, e jogaremos contra IPA (C), CHA (F) e BRA (C); no returno, pegamos BRA (F) CHA (C) E IPA (F). Nesses seis jogos definiremos se ascendemos à Série B ou continuamos na Terceirona.
Conhecemos a Chapecoense, é um time bem acertadinho, mas os vencemos duas vezes. Eles contrataram o bom Nequinha, o Negreti e o Diogo Oliveira. Não sei se algum será titular, e se eventual contratação não vai quebrar o grupo (mas, pensemos neles mais adiante). Estão reforçando. 
Serão novamente jogos equilibrados contra todos os adversários, pois todos os times - com exceção do BRA - fizeram boas campanhas fora de casa (IPA - 9 pts; CHA - 7 pts; JEC - 6 pts; BRA - 3 pts).

O Ipatinga venceu todos os seus jogos, em casa e fora, contra Macaé, Madureira e Marília. Suas únicas duas derrotas foram exatamente contra o Brasiliense, a outra equipe classificada no Grupo C. É um adversário, portanto, bastante respeitável. Marcou 15 gols (dois a menos que o JEC) e sofreu 8 tentos (três a menos que o tricolor).
Como já disse na semana passada, ao analisar nossa defesa, essa disparidade de gols sofridos tem explicação naquela péssima jornada contra o Caxias, de modo que temos de abrir o olho, mas nada de desespero. No restante do certame nossa zaga tem feito bons jogos.

O Ipatinga tem aquele zagueiro grandalhão que jogou no Criciúma, o Cláudio Luiz, o argentino Frontini (5 gols, dois de pênalti). Também tem a artilharia diversificada, com 9 jogadores com pelo menos um gol na primeira fase, assim como o nosso Tricolor, em que 8 jogadores diferentes marcaram. Mas os últimos anos do Ipatinga têm sido ruins, foram inclusive rebaixados no Campeonato Mineiro deste ano. Obviamente o time deve ser outro, mas contra o adversário mais qualificado do grupo na Série C perderam duas vezes por dois a zero. Temos tudo pra ganhar, e vai ser 2 a 0, acredito eu.

Esse é o primeiro obstáculo.
O negócio, penso eu, é estrear bem, e fazer pelo menos 7 pontos no turno. Acho que com 11 pontos estaremos classificados (como demonstrei, é possível classificar até com 9, dependendo dos resultados dos outros times), e portanto, esses 3 primeiros pontos em casa são primordiais.
Temos que vencer uma fora de casa, acho eu. É melhor do que três empates, embora com três empates roubemos pontos de todos os adversários, ao passo que com uma vitória e duas derrotas só tiremos ponto de uma equipe.

Mas, as conjecturas ficam para outro momento. Agora é acelerar até o final de semana para esta estreia. Os jogadores tiveram dois dias de folga, e hoje já fazem trabalho físico. A partir de amanhã devemos ir para o campo, deixar todo mundo pronto para o jogo, acertar os probleminhas da zaga. Mas o importante será colocar na cabeça de nosso time que domingo já é decisão, temos que partir pra cima do Ipatinga, e vencer. Como disse o André Bocão, o Ipatinga tem por mascote um tigre, e contra o Tigre costumamos nos dar bem.
Ah, e não será aceitável que menos de 12 mil pessoas estejam na Arena. Tem de ser daí pra mais (e tomara que bem mais).
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

17 de set de 2011

ARTURZINHO TEM DE SER IGUAL À MÃE DE MISS!

Sem jogo do JEC no final de semana, as preocupações são menores, o número de leitores do blog diminui, então até dá tempo para alguma descontração.
Os primeiros post do JECMANIA - há quase dois anos - eram mais nesse rumo, dando menos atenção ao futebol propriamente dito, mas o negócio mudou de rumo, o JEC andou melhorando, os textos foram mudando. Mas agora, com essa tranqüilidade da classificação antecipada da até para fazer alguma graça - embora certamente muitos dos leitores vão achar uma grande besteira (eis aí também a graça). Mas lá vai.

O futuro pode ser assim...

Assistindo ao final do concurso Miss Universo, vi que a vencedora foi uma angolana, de nome Leila Lopes, e logo lembrei da homônima "professorinha" brasileira, e aí pensei que a vida prega cada peça para cada um de nós, e que o destino pode mudar por uma só decisão errada, por menor que seja, e trazendo a comparação para o futebol, que nosso time pode se transformar numa personagem de filmes para adultos - e levando ferro na boneca, ou na figura mais bonita do mundo.


Eis que no mundo dos concursos, tão importante quanto a modelo, há a sua mãe, a famosa "mãe de miss". Cabe à mãe de miss tomar todos os cuidados para evitar o tropeção. "Mãe de miss" não é uma pessoa, é uma instituição. Em resumo, é aquela figura que cuida de sua prole, ou de sua protegida de qualquer espécie contra todos os perigos, percalços, embarangamento, deslizes, enfeiamento, ganho de peso, etc, etc, para que o que era um cisne não vire um ganso ao menor descuido.

"ARTURZINHO MÃE DE MISS", portanto, é aquele que tem o encargo de, ao orientar seus pupilos, saber que o concurso é uma vez só, que a chance de ganhar não pode ser desperdiçada, e que a beleza (do jogo) é efêmera, e que basta um tropeço na passarela (ou na Arena) para que todos os preparativos para uma grande festa virem um fim de festa infernal, com chuva de carteirinhas, etc.


Ou assim...
Dessa forma, cabe ao Little Artur cuidar muito bem de nossas prima donas, não deixar o sucesso obtido até agora subir à cabeça, porque na última meia-volta ou volta e meia o angu pode desandar. 

Portanto, nosso time agora tem de se cercar de todos os cuidados possíveis. São apenas seis jogos e pouco mais de 40 dias para decidirmos se tudo de bom que vem ocorrendo se confirmará, e seremos coroados ou ficaremos a ver navios.
Tenho certeza que Arturzinho tá mais que escolado, tá de olho nos outros concorrentes pra ver se tem algum mais ajeitado, e se ainda dá pra dar uma turbinada no nosso candidato, com uma cirurgiazinha plástica pontual (por exemplo, um atacante que anda pedindo para a diretoria).
Mas cabe também aos jogadores se cuidarem, se concentrarem, não deixarem a peteca cair, não criarem atritos dentro do grupo, cuidar com os excessos nessa folguinha de final de semana, e com o excesso de confiança (guizos falsos da alegria) que pode resvalar na soberba - lembremos da Copinha 2010, em que menosprezamos a "marrecada".
Como disse, são apenas 6 jogos e pouco mais de 40 dias até a coroação (do trabalho, do bom futebol, da carreira individual de cada jogador, da valorização profissional - quem subir certamente ganhará mais dinheiro daqui por diante). Passo a passo, sem tropeço, sob a condução de Arturzinho, nosso casting vai se dar bem.
And the Master of the Universe is ...
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

15 de set de 2011

OS GOLS QUE O JEC SOFREU. COMO DISSE ARTUR, PREOCUPAM - MAS ACHO QUE NÃO TANTO ASSIM!

Percebi nos comentários ao último post, que o assunto de ser o JEC um time que seria competitivo na Série B e que por isso deve ir para lá, gerou alguma preocupação nos leitores do blog, talvez temendo um salto alto, um oba-oba, uma euforia em momento inoportuno, e entendo que a superstição - eu as tenho - também faz parte do futebol, e por isso muitos acharam prudente (e eu concordo) não contar com a vitória (ou o acesso) antes que se concretize.

Tira essa porra dessa bola daí!!
Resolvi então baixar um pouco a fervura, botar os pés no chão, e falar de um probleminha que atinge nosso time, embora eu também preze no futebol a alegria momentânea, ou seja, sonhar AGORA com esse time na B, aproveitar AGORA a boa campanha, porque qualquer time de futebol, no frigir dos ovos, mais perde títulos do que ganha, dá mais motivos de preocupação do que motivos de euforia, e por isso aproveitar o momento, malgrado lá na frente alguma coisa possa dar errado, também deve fazer parte do cotidiano do torcedor.

Mas encaro o problema: tomamos muitos gols! O Brasiliense, por exemplo, só sofreu 3 gols em 7 jogos. O Ipatinga sofreu 8 gols em 8 jogos; a bugrada tomou 7 em 7 jogos (e 4 desses contra nós), e o glorioso TRICOLOR tomou 11 gols em 8 jogos).
Tirando a derrota contra o Caxias - uma má jornada, sem dúvida - o quadro não é tão feio como parece, basta analisar com cuidado para ver que temos um probleminha, com disse, e não o apocalipse que se alardeia por aí - mas temos que estar atentos. "É preciso estar atento e forte!"

Recapitulemos, então, os gols sofridos pelo JEC.
Brasil 1 x1 JEC - gol de falta da intermediária, que desviou na barreira e enganou Ivan.
JEC 2 x 1 Chape - gol de bola rolando em jogada pela direita de nossa defesa, cruzamento e gol de Neilson.
Caxias 2 x 2 JEC - gol de escanteio de Márcio Hahn e gol de falta de Têti, frontal à área.
Santo André 1 X 1 JEC - jogada de contra-ataque, pela direita de nossa defesa, saída equivocada de Ivan, e bola alçada para a área.
JEC 2 x 4 Caxias - gol de falta de Itaqui, da intermediária, frontal à área. Jogada pela esquerda de nossa defesa, com o anão cruzando para o Têti; gol pós cobrança de escanteio, em vacilo coletivo da zaga; pênalti sofrido após passe errado de Eduardo, que cometeu o pênalti.
JEC 5 X 2 Brasil. Gol de cobrança de falta lançada na área, em desvio de Athos, em falha de marcação assumida pelo próprio Bruno Rangel no programa Esporte Verdade; gol de contra-ataque em jogada pela direita de nossa defesa, quando Eduardo se mandara para o ataque e se encontrava, no momento do início do lance, lá na meia-esquerda.


Então, três gols foram de cobranças diretas de falta da nossa intermediária. Esse é um probleminha para o qual venho chamando a atenção há algum tempo. Deve-se evitar faltas bobas nas imediações da grande área. É sempre uma chance de gol evitável. Some-se a estes três gols diretos, o gol sofrido contra o Caxias, em que a bola foi alçada para a área no primeiro pau.


Dois gols de escanteio, uma naquela cagada do Márcio Hahn, e outro numa falha coletiva horrorosa contra o Caxias aqui na Arena.
E um de pênalti, que não considerarei bola parada e não entra nestas (minhas) estatísticas, a meu ver, porque o que houve foi um time já desorganizado buscando o empate, e com passe errado de Eduardo que o levou a cometer o pênalti, como assinalei.

Então, urge com a bola parada, acertar o posicionamento e aumentar a concentração e atenção na hora do lance - e principalmente evitar faltas bobas (parece que com Glaydson isso pode melhorar). Com a bola rolando, me parece que o maior problema é o posicionamento defensivo do Eduardo, algo que parece um pouco mais difícil de corrigir, dada a vocação ofensiva de nosso lateral. Acho que é por aí, mas quem sabe mesmo das coisas (ou seja, na Real...), nosso treinador, é que tem de se virar para arrumar a cozinha.

Sigam nossos zagueiros, portanto, o conselho de Jorge Ben: "Arrepia zagueiro/Zagueiro/Limpa a área zagueiro/.../Quando tiver perigo com a bola no chão/Pensar rápido e rasteiro/ Ou sai jogando ou joga bola pro mato/ Pois o jogo é de campeonato...".
E junto já dá pra ouvir "Umbabaraúma, ponta-de-lança africano", em homenagem ao Capixaba, Rangel, e ao Lima. VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

13 de set de 2011

ESSE TIME QUE ESTA AÍ NÃO FARIA FEIO NA SÉRIE B! ENTÃO, VAMOS PARA LÁ!

Ivan, Eduardo ou Real, Linno, Renato Santos, Pedro Paulo e Badé; Glaydson, Ricardinho, Ramon, Jailton e João Henrique brigando por duas vagas na meiúca, Capixaba e Rangel (Lima quando estiver recuperado). Essa equipe aí disputaria, para mim, a Série B sem fazer feio, com média de público na Arena acima de 10 mil pagantes.


O que ficamos devendo a times como Duque de Caxias, Salgueiro, Guarani (afundado em dívidas e "treinado" pelo Giba), Icasa, Asa, Barueri, Ituiutaba (hoje BOA), Bragantino, Criciúma, Americana?  Só aí contei dez times com menos tradição (tá, o bugre campineiro tem mais tradição) ou futebol que o JEC. Daria para estar brigando ali na meiúca da tabela, ou até pelo acesso, pois se o Criciúma está a 4 ou 5  pontos do G4, porque não poderíamos nós estar por ali?
É claro que há vários times com mais estrutura, mais dinheiro, jogadores de um nível um pouco acima, mas se no primeiro ano na Série B ficarmos ali pelo meio da tabela, e nos estruturando passo a passo, como vimos fazendo nestes últimos dois ou três anos, em breve estaremos prontos para brigar pelo acesso à Primeira Divisão.


Então, se poderíamos estar bem na Série B, porque não haveríamos de estar bem na Terceirona? Por que não seríamos sérios candidatos ao acesso à segunda divisão? Por que não deveríamos acreditar nesse time?
A resposta é que não há qualquer razão para essa desconfiança. Com a classificação já assegurada, é acreditar cada vez mais. Teremos duas semanas de folga para deixar todo mundo na ponta dos cascos, fisicamente (e o preparo físico evidentemente é um importantíssimo fator para o sucesso nessa competição), e talvez dar uma acertadinha na zaga e botar na cabeça do Eduardo que ele precisa se concentrar um pouquinho mais - defensivamente.


A única coisa que resta conjecturar até o próximo domingo é se seremos primeiros ou segundos colocados, para ver como fica a seqüência de jogos lá à frente.
Se passarmos em 1º lugar, estreamos fora, e a seqüência é a seguinte: F-C-C-F-F-C.
Se em 2º, a seqüência é: C-F-C-F-C-F.
Vocês têm alguma opinião do que seja melhor? A mim me parece que a seqüência alternada é a melhor, apesar de o jogo final ser fora de casa. Mas, na primeira opção, na hipótese de um bom resultado fora na estreia, teremos dois jogos em casa para, quem sabe, deixar a classificação já encaminhada ao final do turno. No frigir dos ovos, são seis jogos, em qualquer das hipóteses, e acredito eu, que não são tantos pontos os necessários para subir.

Para exemplificar, volto à Série D de 2010 (por nós disputada), em que na primeira fase eram 10 grupos de 4 equipes, para que possamos comparar os desempenhos.
Naquela competição em todas as 10 chaves, quem fez 11 pontos classificou, e em 4 grupos dez pontos foram suficientes, e também 7 times conseguiram se classificar com apenas 9 pontos.
Cálculos muito simples para o acesso!
Ou seja, com 9 pontos (50% de aproveitamento) já dá pra sonhar com a vaga, com 10 pontos provavelmente teremos o acesso (55,5% de aproveitamento) e com 11 pontos (61% de aproveitamento) , teremos a classificação assegurada, salvo alguma catástrofe (um time que só perca e outros dois que façam 12 pontos, por exemplo, deixando o JEC com 11).

É de se ver que na primeira fase da Série C fizemos 15 pontos em 24 possíveis, e tivemos aproveitamento de acesso - 62,5% (aproveitamento dos líderes das Séries A e B), o que em tese significa pouco, pois os demais classificados estão mais ou menos no mesmo nível - ou acima - de pontuação.

E quando iniciarmos a segunda fase, o Lima já terá completado 60 dias de estaleiro, e a reta final de sua recuperação já terá começado. Quem sabe o tenhamos, com alguma sorte, já na quarta rodada dessa fase, se não em condições físicas para ser titular, para deixá-lo ali, no banco - até porque Rangel parece finalmente ter engatado a marcha - pronto para voltar a merecer o adequado apelido de LIMATADOR!
Acho que vamos subir. SE TEMOS UM TIME DE SÉRIE B, É PARA LÁ QUE DEVEMOS IR!
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

12 de set de 2011

TÁ INDECISO SOBRE ALGO EM SUA VIDA? CHAMA O JEC QUE ELE DECIDE! - JEC 5x2 BRA

Chuck disse que só tem medo de uma coisa:
de enfrentar o JEC na Arena!
Quem ainda tinha algum receio de que o JEC poderia se complicar em jogos decisivos agora pode ficar tranqüilo. Esse JEC de hoje em dia, com Little Artur no comando e esse grupo de bons jogadores não pipoca.
Você anda em dúvida se casa ou compra uma bicicleta, se vai de aluguel ou casa própria, se vai de Brahma fora do estádio ou Bavária sem álcool dentro da Arena? Não se preocupe: CHAMA O JEC, QUE ELE DECIDE!!! Chuck Norris é café pequeno perto do JEC.

É fato, como disse Arturzinho, que o real campeonato começa agora, mas se é assim, não podemos negar que estamos começando muito bem. Não dá para apagar a ótima primeira fase que fizemos, e esse resultado elástico de ontem, a classificação jogando bem em casa e com casa cheia, nos dá o direito de comemorar o jogo de ontem e mais, a confiança para esses seis jogos importantíssimos que teremos daqui por diante. Acredito que os jogadores folguem hoje e amanhã, e voltem na quarta-feira para recomeçar os trabalhos. Merecem dois dias de descanso.

Sobre o jogo, finalmente fizemos um ótimo primeiro tempo, e marcamos quatro gols na etapa inicial. Não é muito mais fácil sair na frente do placar do que correr atrás?
Gilton estava como aquele cara, que lá na pelada, quando tá correndo tanto e jogando pra cacete, dizemos que "tava cheirado", tanto é que no segundo tempo deu um safanão em alguém e entregou a lateral-esquerda de mão beijada para o Badé, na próxima(s) partida(s). Dois gols e uma expulsão.
Bruno Rangel parece que definitivamente vestiu bem a camisa 9 do Tricolor (ainda bem, porque o Eraldo já vazou e o Lima ainda não tá pronto - mas parece que semana que vem volta a trabalhar com bola), e fez um gol de centroavante - dominou de costas para a zaga o passe de Eduardo e bateu girando, quando a bola quase escapava de seu domínio. O segundo gol foi um presente que recebeu do goleiro adversário.
E o gol contra, pra mim foi gol do Pedro Paulo e pronto. Foi assim que eu vi no estádio e a imagem da TV que se lasque.

Fonte: blog do RDB - Roberto Dias Borba.
Jogamos bem mas também tivemos a vida facilitada pela burrice do Athos, que conseguiu ser expulso  ao brigar com o gandula e com o árbitro, e pelo Ramirez (não me lembrava desse mal costume dele, de sempre substituir de forma equivocada), que tirou Marcos Denner, acabando com o ataque do Brasil, deixando nossa zaga com folga antecipada, tanto que no segundo tempo o Arturzinho botou o time no 4-4-2.
Detalhes dos gols que sofremos: bola parada alçada no primeiro pau - com três zagueiros deveríamos evitar tais lances; e depois, com o Eduardo dando uma de meia-esquerda (é verdade, ele tava quase na ponta esquerda no início do lance), ele deixou uma avenida no lugar em que deveria estar, e aí o cruzamento certeiro permitiu que o Brasil descontasse - menos mal que o jogo já estava decidido.

Recorde de público: 12626 torcedores estiveram na Arena, o maior público da Série C, até agora. E com Fortaleza e Campinense já eliminados, e com o Paysandu correndo o risco de ficar fora (são esses times que estão à nossa frente na média de público), podemos começar a segunda fase o time de melhor média de público, o que, espero, sirva para, além de incentivar o time no Estádio Municipal, fazer a CBF ver a nossa força, e mandar para cá bons árbitros, que não prejudiquem o time e essa massa tricolor.

Agora é manter a concentração, pois pela primeira vez ficaremos quinze dias sem jogo. O Fábio Menezes esteve ontem assistindo à vitória do Ipatinga sobre o Madureira, e Arturzinho verá o Brasiliense, na semana que vem, contra o mesmo Madureira. Tá tudo bem planejadinho, já estamos analisando nossos adversários. Só falta continuar botando em prática o que é planejado e jogando essa bola que estamos jogando.VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!
Ficha técnica: Joinville 5 x 2 Brasil de Pelotas, Arena, 11.09.2011, 12626 pagantes.

JEC: Ivan; Renato Santos, Linno (João Henrique) e Pedro Paulo; Eduardo, Glaydon, Ricardinho, Jaílton (Ramon) e Gilton; Bruno Rangel e Ronaldo Capixaba (Badé). T: Arturzinho.
Brasil de Pelotas: Vanderlei; Wilson, Júnior Carvalho, Asprilla e Galego; Léo Medeiros, Guilherme (Neto), Athos e Juba (Cláudio); Marcos Denner (Anderson Bill) e Juninho. T: Sérgio Ramirez.
Gols: Gilton, aos 8' e aos 39' do 1º T; Bruno Rangel, aos 14' 1T e 10/2ºT; Pedro Paulo, aos 33' do 1ºT.

11 de set de 2011

I´M A BELIEVER!!!

Eu acredito, e depois do 5 a 2 de hoje - eu tenho a foto do placar, e vou publicar, eu acho que vamos subir. Não quero discutir agora, só comemorar. Não há o que dizer. Há só que rangelnear, que giltonear, que gozar. Amanhã, eu promento, penso no JEC.AVANTE. E VAMOS, PORRA. Comentários só amanhã, porque tá tudo bom demais para ser verdade!!

10 de set de 2011

AMANHÃ VAI SER "OUTRO" DIA: JEC x BRA

Não há mais muito a falar, é só conter a ansiedade e contar as horas para ir ao jogaço de amanhã, e torcer, e torcer, e vencer. E por falar em amanhã...
Como canta Chico Buarque, em "Apesar de Você", "amanhã [na Arena] vai ser outro dia", ou seja, vai ser diferente, e o histórico de insucessos no Estádio Municipal será se não sepultado definitivamente - porque para isso precisamos de vários jogos vencedores em decisões - bastante deixado para o passado, para trás.
E "quando chegar o momento, esse meu sofrimento, vou cobrar com juros, juro". E esse dia, espero, o do fim do sofrimento, será em 29 de outubro, na última rodada da segunda fase, quando conquistaremos o acesso à Série B (quem sabe até antes).

Arturzinho parece que definiu o time com Ivan, Eduardo, Linno, Renato Santos e Gilton (acho que aqui devia ir de Badé, mas parece que Gilton merece uma recompensa por segurar a bomba durante a contusão do titular); Pedro Paulo, Gleidson, Ricardinho, Jailton; Capixaba e Rangel.

O Brasil, ao contrário do que eu havia afirmado, já perdeu um jogo após o centenário, em verdade, pior, perdeu o jogo no dia do aniversário de um século, o que traz um pouco menos de simbologia ao jogo. Agora "só" vale a classificação.
Convenhamos, apesar de tudo que está em jogo, somos mais time que o Brasil, e ouso dizer, favoritos. Não só pelos pontos na tabela (12 a 7), mas também pelos últimos resultados (o BRA perdeu três em seguida, duas da Chape e uma do Caxias), e igualmente pela história recente, pois o Brasil tá estacionado na segundona gaúcha, e sequer conseguiu o acesso este ano. Nós estamos, nestes últimos dois ou três anos, em ascensão, com percalços, é claro, mas em ascensão.

Já se vendeu mais de 1.000 ingressos antecipadamente, e a Toca fica aberta até às 17h, e a "Toquinha" do Müller fica aberta até as 22h, ou seja, ainda vai sair muito ingresso no dia de hoje. Talvez uns 2 mil antecipados.
Com esse sol, o salário que saiu esta semana, o time em grande fase, estou certo que vai dar mais de 12 mil na Arena. Temos chance de fazer o maior público da Série C até agora, suplantando os 12181 de Paysandu e Rio Branco - inclusive para ajudar o caixa do nosso clube. Portanto, todos à Arena.
VAMOS, PORRA. AVANTE, JEC.

8 de set de 2011

O JOGO, AS MELHORIAS NA ARENA, A TORCIDA DO BRASIL, A FRASE.

AS MELHORIAS NA ARENA:
No domingo do jogo contra o Caxias, quem foi à Arena viu algumas melhorias no Estádio Municipal. Parabéns à diretoria.
 
Tá melhorando a Arena...
Primeiro, ampliou significativamente o número de catracas para acesso aos sócios, o que é um evidente acerto, pois nestes últimos tempos a maioria esmagadora dos torcedores que vão aos jogos são sócios, e a velocidade de entrada da torcida aumentou muito, o acesso foi bastante rápido.
Que isso se repita no domingo, quando, se tudo der certo (ou seja, não chover), deveremos ter mais público do que os 9.099 pagantes da última peleja, até porque esta semana saiu o salário de quase todo mundo, então a torcida está com o dinheiro no bolso, tem promoção de ingresso, e é jogo muito decisivo.
Só uma ressalva: a velocidade de entrada ao Estádio também se deveu ao fato de as catracas eletrônicas estarem desligadas, ou seja, não se conferiu se somente os sócios adimplentes entraram no jogo, enfim, abriu-se uma brecha para que alguns pensem que podem deixar de pagar as mensalidades, pois bastava mostrar a carteirinha que entrava no Estádio. É apenas um registro, não uma crítica. Nessa hora da decisão, esse detalhe tem pouca importância, mas é algo a se pensar em outro momento para que o clube não perca dinheiro. Voltarei a escrever sobre o sistema de leitura ótica (lento) de nossas catracas, em momento oportuno. Agora só importa o jogo.
Segundo, o clube identificou com placas muito bem feitas e visíveis, o local em que cada tipo de torcedor (sócio ou pagante de ingresso) deve entrar, evitando confusões, filas equivocadas, etc, e deu prioridade (aumentou o número de catracas) para os sócios. Melhoras simples, mas significativas. Desse jeito, daqui a pouco, teremos um ótimo atendimento à nossa torcida.

TORCIDA BADERNEIRA? VAMOS ABRIR O OLHO.
A torcida do Brasil realmente complicou a vida do Caxias, e pode querer complicar a nossa. O primeiro alerta que eu vi a esse respeito foi dado aqui no blog pelo Douglas, comentarista que já na segunda-feira alertava que a torcida xavante estourou um rojão lá no Centenário, e fez o Caxias perder quatro mandos de campo (é isso mesmo, a pena foi aumentada, conforme pode-se ver aqui) em competições nacionais, porque o clube mandante teria permitido a entrada do artefato.
 Fizemos aqui no blog algum esforço para divulgar essa notícia, o Wilson França escreveu em seu blog e alertou no Bola na Rede; o Portal JEC transcreveu a mensagem do Sandrão, que sempre está por aqui; o Diego Santos no "JEC na Rede" - AN também já deu a letra. Cabe, portanto, à PM, fazer revista rigorosa na torcida Xavante, porque não vou admitir que tal incidente se repita, pois não terá sido por falta de aviso.
Olha, o JEC não tem poder de polícia (por isso acho errada a perda de mando do Caxias), não pode revistar a torcida adversária, pois tal poder cabe à PM. Assim, revistar faixas e bandeiras, fazer revista pessoal séria, e não essa preguiçosa que é feita por aí, não permitir a entrada de mochilas, bumbos, nem nada volumoso - talvez só uma sacola em que caibam umas 4 ou 5 bolas para eles levarem a Pelotas os gols que tomarem - em vez de ficarem preocupados com a cervejinha fora do estádio, são medidas indispensáveis da PM.
Não dá para contar com o "óvulo revestido por membrana resistente ou casca rígida" na cloaca da galinácea, e temos que fazer o resultado antes de pensar na próxima fase. Mas, nessa hipótese, não podemos correr o risco de fazermos jogos decisivos fora da Arena.
PM, FAÇA O SEU TRABALHO BEM FEITO, POR FAVOR!

O JOGO
Por fim, o mais importante, o jogo: Arturzinho finalmente conseguiu botar o time em campo nessa manhã(como chove...), e não colocou Badé como titular no primeiro trabalho. Imagino eu que seja só uma precaução, para ver como ele se comporta fisicamente, e para se assegurar que a lesão não voltará a incomodar. Promoveu o retorno de Eduardo à lateral e de Linno à zaga.
Ramon parece que será reserva doravante. Não se ouve de nosso camisa 10 (atual 16) a mais tênue reclamação. É um jogador imprescindível, de uma educação e inteligência ímpar, e se transformou, jogando ou não, num líder para o elenco. Se qualquer cabeça-de-bagre pensar em se insurgir, vai pensar mil vezes, ao ver Ramon no banco, sem resmungar. E Ramon sempre é a certeza que temos um jogador para melhorar o time na segunda etapa.
Acho a opção de Little Artur acertada, o time que inicia o jogo fica mais rápido e pegador sem Ramon (parece que no time hoje joga ou Ricardinho ou Ramon, não mais juntos na meiúca), embora variações com o 10 em campo no lugar de Jailton também sejam possíveis. No programa "Esporte Verdade" de segunda, Arturzinho sem explicar exatamente como, confirmou o que eu escrevera antes do jogo em Chapecó, que o Jailton poderia ter uma função tática que eu não conseguia ver. Ele disse que realmente esse jogador tem uma importância grande dentro do esquema. Continuei sem entender, e até por isso pode-se notar que o treinador entende muito mais do que eu de futebol, pois o negócio tá dando certo. Há uma razão para Jailton, mesmo mal ofensivamente, continuar na equipe.
Coragem, cacete!
A FRASE:
IVAN, o Terrível, deu a letra, e eu só a repito: "É preciso parar de ter medo de subir. Se continuar assim, não vai subir mesmo. Todos têm de acreditar no JEC".
Duas notas: primeiro, esse pensamento já parece ser o do elenco, o que afasta em grande parte o risco de dar merda; segundo, a torcida tem que assimilar a lição: nada de medo, cagaços, de pé atrás. CORAGEM, CORAGEM!
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

7 de set de 2011

COM ESSE TIME, TUDO PARECE POSSÍVEL! ... MAS, ATENÇÃO: O BRASIL VIRÁ MOTIVADO.

Assistindo aos melhores momentos do jogo, fiquei (bem) impressionado com a comemoração do primeiro gol do Joinville. Primeiro, há de se dizer que o gol foi numa jogada bem trabalhada pelo nosso time, de Tiago Real p/ Rangel p/ Ricardinho p/ Rangel p/ as redes (e o Capixaba estava ali ao lado da bola na hora do gol, pra conferir se fosse preciso). Depois, o abraço dos jogadores e Ricardinho mandando um soco no ar e gritando na cara da torcida da Chapecoense mostram que a turma "está a fim" de jogo, quer ganhar, quer classificar, quer o acesso.
Pela foto, só o Gilton parece estar de sacanagem (sacanagem mesmo foi o seu belíssimo passe de 40 metros para Aldair), mas aí rapidamente concluí que ele apenas pode estar mandando "aquele abraço" por trás ao nosso amigo manauara, que por vezes dá (ui) as caras por aqui.

Voltando a falar em sério: estes dias, após a derrota para o Caxias, conversando com nosso artilheiro da Série D-2010, Dr. Roberto Pugliese, ele me disse que as coisas iam bem no Tricolor, pois o que ele via dentro do clube era muito bom. Um técnico que sempre joga pra ganhar, quando substitui durante o jogo, quase sempre é pra colocar o time ainda mais para o ataque, o grupo com objetivo, sem cachaça ou putaria, e formado por bons jogadores. Enfim, que a receita básica para as coisas darem certo estava sendo seguida à risca.
Embora meio cético tive que concordar com ele - e a realidade se mostrou melhor que a encomenda.

As palavras do Arturzinho no pós-jogo de domingo também foram (e costumam ser) muito boas: ele sempre transmite confiança ao grupo, diz que eles têm qualidade, só elogia, nunca o vi queimar qualquer jogador, mesmo após a má apresentação aqui na Arena. E dessa forma, acredito eu, os jogadores compram o discurso e as ordens do técnico, e as seguem. E time que tem jogadores que acreditam no "professô" tem tudo pra dar certo, ainda mais se o técnico entende do riscado, como parece que Little Artur entende.

Nessa toada é que precisaremos encarar o Brasil de Pelotas no próximo domingo. 

Muito foco na próxima peleja!
 Acho que a concentração que faltou contra o Caxias (um gol do meio da rua - em falta daquelas frontais ao gol que podem ser evitadas; um gol de cabeça em jogada de dois anões - o anão inominável e Têti - já eliminados, diga-se; um gol de escanteio com a zaga vadia no finalzinho do primeiro tempo; e um pênalti ocasionado por erro de passe - ou seja, eram 4 gols evitáveis) sobrou contra a bugrada, e basta o time se conscientizar que precisamos estar de olho na bola durante os 90 minutos, e que não vamos ganhar ao natural, para que tudo de bom aconteça.
Até porque nada acontece ao natural no JEC, tudo é a fórceps, na força, na vontade, com dificuldade. Se os jogadores entrarem assim no próximo jogo (e entrarão, porque a lembrança da lambança contra o Caxias estará na cabeça de cada um, e eles sabem que jogando como jogaram contra a Chape obteremos o resultado), a classificação é nossa. E aí a contagem regressiva para o acesso, que era de quatorze jogos, baixa para seis, e as chances de classificação serão de 50% (duas vagas para quatro times).

NÃO NOS ESQUEÇAMOS DO ADVERSÁRIO:
Não jogaremos contra ninguém. É bom sempre lembrar que do outro lado tem um time querendo a mesma coisa que nós.
Nosso adversário completa hoje o seu centenário, no domingo venceu o clássico de maior rivalidade do interior do Rio Grande do Sul, contra seu arquirrival, o Pelotas, por um a zero, com gol no finalzinho de Athos, e tem um técnico motivador (Sérgio Ramirez, que tão bem conhecemos por aqui, e que nos conhece, inclusive a eventual pressão - ou cornetagem - da torcida). É bom ficarmos avisados que eles não vão querer, em seu primeiro jogo no segundo século de existência, perder e ser eliminados da Série C. Isso só aumenta a necessidade de entrarmos em campo, no mínimo, com a mesma vontade de nossos adversários, porque, na bola, somos melhores.

PROMOÇÃO DE INGRESSOS: A diretoria resolveu baixar o preço dos ingressos PARA COMPRA ANTECIPADA, a partir de amanhã (quinta-feira). Os descontos que eram de apenas 5 reais serão de 10 reais, de modo que os ingressos ANTECIPADOS (não adianta chegar no dia do jogo e reclamar do preço) custarão 20 merréis - descoberta, 30 e 40 merréis - cadeiras nível 1 e 2. LOTAR A ARENA É OBRIGAÇÃO DA TORCIDA.
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!

5 de set de 2011

NOVA SEÇÃO NO BLOG: O COMENTARISTA MANDA! INCENTIVO DA TORCIDA.

Desde que no dia 13.11.09 iniciei este blog - que inicialmente era para ser um escrito a oito  mãos (mas tal objetivo não se concretizou pois os co-autores Frank, Alceu e Luis não escreveram) e para falar mal da impensa, e eu o toco sozinho, sob pseudônimo desde então, e é a primeira vez que abro espaço para, não nos comentários, mas no corpo do texto, colocar palavras que não são minhas (mas indiretamente o são), e sim de Mário Nascimento, jequeano de quatro costados, conhecedor do futebol e uma pessoa espetacular, que conheci por intermédio do blog, no Shawarma (sei lá se esta porra se escreve assim) tomando uma Brahma e batendo um papo, e que em suas palavras representa toda a esperança, o amor, o fervor, enfim, o que é torcer para esse time que a cada domingo nos leva a todos ao estádio. Seguem as palavras de Mário (que confessa que não sabe se o time lê o blog, mas eu sei que Ivan, o Terrível lê), que faço minhas - embora as dele com mais talento:

" Não sei se o pessoal do time costuma ler o blog. Espero que sim, pois quero usar esse espaço para mandar um recado para eles.
Rapaziada, o JEC acostumou muito mal o seu torcedor. América e Caxias eram máquinas enferrujadas e ninguém via em qualquer um deles potencial para ser campeão estadual. Lembro bem do primeiro jogo, contra o Vasco de Roberto Dinamite e Zé Mário. Só o que se ouvia era que seria uma goleada retumbante. Foi 1 a 1, com o JEC marcando antes. Um bom sinal...
Praticamente sem investimento em novos jogadores, mas contando com uma força impressionante que vinha das arquibancadas, o time foi campeão catarinense logo de cara, derrubando os "poderosos" da ilha, que dominaram os 4 campeonatos anteriores. Pouco depois, enfileirou 8 títulos estaduais e participou com sucesso de competições nacionais. Daí é natural que o torcedor se torne enjoado, né?
Mas ao mesmo tempo se transforma em um apaixonado. Depois foram muitas decepções e o comportamento que se vê hoje é um reflexo de tantos anos de desacertos, com muitas quedas e quase nenhum título. O apaixonado e enjoado acaba tendo muito de corneta. A moçada cobra mesmo.
Não vou aqui criticar a cornetagem porque não adianta. Ela faz parte da torcida. Não deveria ser tanto, mas existe e pronto.
O que eu quero fazer é, depois dessa vitória importante, dizer que fazia muito tempo que eu não via um time do JEC com tanto potencial para resgatar os grandes momentos do nosso tricolor. São vocês que vão transformar os cornetas novamente naqueles simplesmente apaixonados que iam ao Ernestão.
Vocês mostraram que é possível. Que o JEC pode e vai voltar a ser aquele time vencedor que acostumou mal seu torcedor. Que um time vencedor, mesmo depois de um mau resultado, pode entrar em campo com determinação, com garra, com vontade de ganhar e com competência para fazer frente a um time muito difícil de ser batido em seus domínios. Estão de parabéns e a torcida tem certeza de que daqui para diante mais e mais alegrias virão.
Um recado especial para o Arturzinho. Você deu um jeito no time, cara. Deu um jeito tático, jogando num 3-5-2 para o qual alguns torcem o nariz. Mas quem tem dois laterais apoiadores não tem outro jeito de jogar. Deu um jeito ao encaixar cada peça no seu melhor lugar. Deu um jeito ao deixar claro que existe um comando e este tem que ser obedecido. E fez isso sem criar medo em quem está disposto a trabalhar. Mas fundamentalmente você deu um jeito na cabeça da moçada. Nos últimos anos o JEC não teve elencos que justificassem as posições ruins em que se colocou. Faltava alguém que fizesse os jogadores acreditar que poderiam e podem. Para mim o desastre contra o Caxias foi superado ontem com atitude e este foi o aspecto mais importante. Mais do que os pontos tão importantes. Confio que você vai saber fazer o time manter essa pegada e virão, na sequencia, a classificação para a 2ª fase, a vaga na série B e o título da série C.
Parabéns, Arturzinho. Parabéns a cada um dos jogadores e a todos os que trabalham no JEC.
Como torcedor, peço a vocês que dêem o máximo para conseguir a vaga à série B. Este é o grande objetivo e a torcida confia em vocês. Como sofredor, porém, peço um pouquinho mais. O título da série C será um prêmio a todos os que vêm acompanhando a trajetória do JEC, sofrendo com o time sem nunca abandoná-lo. A maior e mais fiel torcida.
VAMOS SUBIR, JEC!!!!! "

Não tenho nada a acrescentar. Em verdade, tenho duas frases e algo que ainda ninguém disse - e comentarei amanhã (não quero que alguém se aproprie dessa ideia, vaidade minha, reconheço), mas que eu pesquei do site do Xavante. Esta é a semana do centenário do Brasil. Isto é importante, e eles não vão querer sair do campeonato na semana comemorativa. Por isso,  modestamente, alerto: eles vêm pra cá com tudo. Precisamos frear tal empolgação.  E agora - para quem esperava - as famosas duas frases:
VAMOS, PORRA! AVANTE, JEC!