NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

29 de nov de 2012

A BARCA OU A FALTA DE RENOVAÇÃO

Eu podia estar matando, eu podia estar roubando, e até mesmo falando da Copinha, que decidiremos no próximo domingo depois de um empate muito do xarope em Itajaí, mas me parece que o mais preocupante, nesse exato momento, é o parcial desfazimento do time. Willian já foi pra China, ou Coréia ou coisa que o valha. Glaydson para o São Bernardo pra jogar o paulistão. Maurício e Pedro Paulo, aparentemente, não foram procurados para renovar contrato. Ivan disse que pode sair, pois tem propostas da Série A. Parece-me que o Linno também já andou reclamando de que a diretoria não o procurou. Em compensação, Gilton está voltando, e o Ricardinho fica. É mole ou quer mais?
É pra ficarmos preocupados?
Nereu disse que já tem três jogadores contratados para o ano que vem. Mas, perder Maurício, PP e Linno é uma temeridade. A zaga não foi nosso problema neste ano, e até entendo que o salário de Maurício (55 merréis) é muito alto, mas pelo menos o PP deveria ficar junto com Jussani. 
Glaydson é bom jogador, mas volantes como ele há vários. Willian é uma perda imensa, e Ivan não pode ir embora (parece-me que está usando a tática "limesca" para pedir um aumento).
Esperamos que a reposição seja à altura, e que não comecemos uma segunda era Nereu de contratações repetitivas (tipo Tesser ou Vaguinho), o ressurgimento de uns 3 ou 4 que a cada ano saem e vem, sempre sob as bençãos de nosso atual presidente. Se a qualidade de nosso time cair em três ou quatro posições faremos não mais que figuração no Catarinense, mais uma vez. Por isso, seu Nereu, ganhemos a Copinha, nos classifiquemos para a Copa do Brasil, mas, pelamordedeus, montemos um time no mínimo igual a esse, de preferência melhor, para que não fiquemos no primeiro semestre ali em quarto ou quinto no Estadual (é onde temos ficado ultimamente) e façamos papelão na Copa do Brasil, que há tanto tempo não disputamos. AVANTE, JEC!

Ah, como tenho escrito muito pouco, acho que ainda é hora de recomendar o texto do Bocão, lá no blog Gestão Jequeana, que analisa a situação econômico-financeira do JEC, verificando os últimos balanços do Tricolor. Aqui está o link

15 de nov de 2012

SAUDADES DOS AVIÕES DA PANAIR... VERSÃO POBREZA

Pois que depois de percorrer tortuosos 771 km, estou em Joinville para ver o que será o último jogo do ano a que poderei assistir in loco, na Arena. 
Quando vinha viajando, lembrei da música de Milton Nascimento que falava da experiência "nas asas da Panair", pois vivi  experiência semelhante, num nível de pobreza muito maior. Eu diria que vim "Na lata velha da Pluma" - cada ônibus pior que o outro. O trajeto Cascavel-Joinville, de 620 km durou apenas 12h. 
Já em Laranjeiras do Sul - duas horas de viagem, o motorista saiu reclamando que o ônibus não subia a serra, na verdade, não subia merda nenhuma. Em Ponta Grossa (ui!) o motorista disse que se aquele ônibus fosse seu não sobrava nem o letreiro, ele já tinha tocado fogo naquela joça. Mas nos tranquilizou, dali para frente seria só descida, e pra baixo o ônibus ia muito bem. 
Isso sem contar que naquela primeira parada, o caixa da lanchonete de beira de estrada deixou o caixa, pegou o ônibus, foi limpar o banheiro e, pasmem, tentou consertar a falta de potência do motor do latão para as subidas . Depois, voltou para o bar com as mãos cheias de graxa, as lavou e foi pra chapa. É de rir pra não chorar - em "meros" 55 minutos de parada.
O interior do ônibus parecia a Síria do pós-guerra. Meu banco era automático. Se eu deitava, ele abaixava o encosto, se eu levantava o corpo, o assento voltava para a vertical- sem acionar qualquer botão. Mas, sabe lá deus - ou o motorista da Pluma - como, cheguei e sábado estarei na Arena.
E, durante o trajeto, sempre - quem dorme num zarcão destes? - me lembrava do nosso querido "JECÃO". Imagino o que os jogadores já não passaram dentro do "latão" do nosso clube. A patrocinadora lá da terra do carvão já deu no pé e não cumpriu a promessa de nos entregar um ônibus novo (ou pelo menos, não tão velho).

Mas, pra falar do JEC volto às asas da Panair, em que Milton diz que "nada de novo existe nesse planeta que não se fale aqui na mesa de bar". Pois, então: sábado, no pós-jogo, após uns dois meses, poderemos de novo tomar uma geladinha depois de JEC e Vitória, e isso é muito bom. 
Vamos encerrar nossa boa campanha na Série B, e uma vitória seria  muito bom para nos garantirmos ali no sexto lugar, fazendo uma campanha que podia ser a do acesso, mas tal qual a Pluma, não conseguimos subir a ladeira mais íngreme no returno. 

E aí, "cacentração". Já vencemos - pela Copinha - o Camboriu, por três a um, com dois do Lima (deve ser o maior artilheiro do mundo da Copa Santa Catarina), na estréia do "redentor", Dom Artur Sebastião Neto. Basta vencer o Marcílio em casa para, novamente os enfrentarmos mais duas vezes na final, para conseguirmos a importantíssima vaga na Copa do Brasil. Essa é nossa principal missão até o final do ano. 
Esse post é só pra avisar que estamos aí, e sábado quero ver o JEC ao vivo, e ver a rapaziada, e tomar uma Brahma. AVANTE, JEC!

12 de nov de 2012

DOM SEBASTIÃO VOLTOU: ARTURZINHO, ARTUR NETO - IMAGINA QUANDO VIER O ARTURZÃO.

falei aqui sobre o sebastianismo, aquela eterna espera pelo salvador, aquele que resolverá todos nossos problemas. 
O mais antigo eterno desejo da torcida era quem agora está aí: Artur Neto. Não sem motivo! Nossos dois últimos títulos estaduais foram sob seu comando, e lá se vão onze anos sem levantar o caneco do Catarinão. Depois, recentemente, Arturzinho passou a ser o desejo de todos, nas arquibancadas, no botecos, nas ruas. Já tivemos o Arturzinho (o filho), o Artur Neto: imaginem se tivéssemos um Artur pai. Seria um desespero de nossa gente tricolor.

Mas, calma aí! Eis mesmo o nosso salvador? Quem tem acompanhado de perto a trajetória do Artur Neto? Eu reconheço que não estou tão por dentro assim. Seu último trabalho foi no rebaixado Atlético-GO. Assisti mesmo apenas à vitória do Atlético contra um time chileno, e os comandados de Artur jogaram bem. Mas se recorrermos à wikipedia, veremos que o Artur queridinho  do vovô treinou da primeira divisão o Goiás (com quem chegou à final da Sulamenricana), Atlético-PR e Atlético-GO. No mais, seu lugar tem sido a Série B, e principalmente em Goiás, onde também treinou o Vila Nova. Artur estabeleceu-se com um bom treinador de Série B, com ocasionais aparições - modestas - de Série A.

Torço imensamente para que dê certo, mas não quero depositar em um homem todas as nossas expectativas. O fato é que temos saudade do cara que treinou o JEC há 11 anos. Será o mesmo? Terá melhorado? Terá piorado? - Sua fama é de um homem obcecado com o trabalho, detalhista, supersticioso, e que chega a ser até chato de tanto que exige (ou reclama, depende do ponto de vista). 
O que mais precisamos é o que vem sendo paulatinamente (talvez até menos do que deveria) feito pelo Clube: estrutura, planejamento, formação de um elenco mais fixo e mais qualificado, permanência longa na Série B (quiça com um acesso rápido à primeira divisão).
E a salvação do JEC foi, e tem sido uma só: a torcida.

Amanhã é a estreia de D. Sebastião, fora de casa, contra o Camboriú, e ele já chega com a missão (nem tão difícil assim) de vencer a Copinha, eis que pelo que soube - não corri atrás dessa informação com profundidade - a CBF, do nada, alterou o ranking de clubes e de uma posição entre o trigésimo e o quadragésimo, iríamos pra lá da sexagésima posição no ranking e estaríamos fora da Copa do Brasil por esses critérios. É ir lá com o time titular e patrolar. Não se pode admitir que o sexto colocado na Série B pene para vencer o Camboriú. 
Vencer a Copinha é mais um daqueles pequenos passos que o JEC tem de dar - para que 2013 seja melhor que 2012 e continuemos nessa ascensão. Classificar para a Copa do Brasil, e ali, quem sabe, avançar três ou quatro fases, e nos metermos de novo, em uma competição nacional, entre os dez melhores. AVANTE, JEC!

5 de nov de 2012

JEC VENCE O TIGRE - POR QUE O ANO PODERIA SER MELHOR?

Ei, renova logo comigo!
O Mário expressara um receio, na sexta-feira, de que poderíamos ir a Criciúma e voltarmos envergonhados. Eu também tinha essa desconfiança: um adversário motivado, pronto para garantir o acesso, e o JEC assim, no chove-não-molha, tanto-faz-como-tanto-fez, sem mais a cumprir (além de tabela) no campeonato. 
Aí, fomos lá e vencemos, e bem, mesmo com 10 em campo (sou obrigado a concordar que o Lima não fez nada no jogo). William jogou pra cacete, Eduardo fez jogada muito boa no terceiro gol. Mais uma vez o Mário (sim, aquele - o Nascimento) alertou - desde Little Artur só agora voltamos a jogar declaradamente no 3-5-2, e com isso nossos alas tornaram-se importantes armas ofensivas.
O jogo foi bom, mas irrelevante para a classificação. Com a vitória do Atlético-PR são 9 pontos e 4 vitórias a menos para descontar em 4 jogos. Segundo o site de estatísticas "chance de gol" nossas probabilidades de conseguir o acesso são de 3 chances em mil, ou seja, é mais fácil eu ser o próximo James Bond contracenando com a Gisele Bündchen que o JEC subir.

Em algum lugar nos perdemos. Como disse outrora, ficamos sem Alex e Tiago Real, o que fez cair o rendimento (nunca mais achamos o segundo atacante), e até o William se ajustar andamos penando na meiúca. Contratamos uns carne-moída (de 2ª), do naipe de Alvim, Vanderlei, Thuram, Romano, o grande Jean Carlos, entre outros - onde andaria Araruama? - que não serviram para nada. Ramon se foi, Aldair nunca veio pra ficar. Quando escapamos cedo do rebaixamento, esquecemos de jogar bola.

Perdemos pontos "imperdíveis" contra rebaixados ou rebaixáveis, que nossos adversários próximos mataram. Não matamos dois ou três jogos em casa que tinham de ser ganhos só na raça, camisa e na torcida. Em certos jogos jogamos sem ousadia alguma (LC), e a surrada famosa frase de Luxerley Wanderburgo me vêm à cabeça: o medo de perder... vocês já sabem o complemento. 

É quase hora de pensar no ano que vem - para a diretoria já é hora, mas para os jogadores ainda não. Tem que chegar alguém de cima e chamar: - Olha, putada, tem esses duas peladas da Copa SC contra Camboriú e Marcílio pra ganhar, chegar na final, e ganhar mais dois. Não há outro resultado admissível pra vocês. Se não ganhar, vai passar a barca! AVANTE, JEC!

2 de nov de 2012

DIA DE FINADOS NO JEC! E JÁ SÃO ALGUNS.

William Thuram, Rodrigo Alvim, Vanderlei, Willian Ribeiro se finaram. Isso só dentro de campo. E tudo indica ainda sairão outros, ou por vontade do clube, ou mesmo opções pessoais dos jogadores. Leandro Campos, igualmente, já era, depois da derrota para o Ipatinga. 
Na outra semana, toda a cúpula da base do JEC também finou-se. Gonzaga Millioli, Julinho Batista, Nazareno Silva, o ex-goleiro Silvio e Jaison Fachi
Entre mortos e feridos, vê-se, nem todos se salvaram. Já são 10 rescisões (vulgo pé-na-bunda) nas últimas duas semanas, entre atletas e outros profissionais das comissões técnicas. É bastante mudança em pouco tempo. Espera-se que para melhor.

Não tenho muitas dúvidas de que as dispensas de dentro do campo foram corretas. Alvim, uma esperança frustrada; Thuram e Ribeiro, nunca foram realmente testados e vieram mesmo para compor elenco; Vanderlei poderia ser mais testado, até porque a outra opção - Jean Carlos, é de uma nulidade profunda e já deveria também ter ido nessa mini-barca (para usar a terminologia do falecido LC). Nereu disse que já tem dois novos jogadores contratados, e que ainda estão jogando o Brasileirão, e que a escolha do novo treinador deve demorar.

Quanto à divisão de base, só dúvidas. O que estava errado? - Eu realmente não sei, porque praticamente não acompanho as divisões de baixo.
Os jogadores vindos da base não eram aproveitados, isso é uma realidade. A culpa era dos profissionais que lá estavam ou do clube, que tradicionalmente não dá chances para quem vem das canteiras (não é Aldair, Jocinei, Edinho, entre outros)? - Agradeço se alguém tiver a resposta!
Nereu I aparentemente quer buscar um novo tempo no JEC - o do reinado de suas ideias, sem interferência do Márcio. 
A contratação do novo técnico tem pelo menos um perfil estipulado: jovem, sem vícios (acho que o principal vício a extinguir será o de só olhar o futebol de SC), que aposte na base. Nesta toada é que me parece que o presidente vai querer agir: contratar profissionais mais capacitados formalmente para dirigir a base, menos boleiros e mais um técnicos (no sentido de preparação tática, técnica, física profissionais, embora não exista nenhum indício, ainda, do que Nereu vá fazer), e um treinador para o time de cima que saiba interagir com a turma de baixo, e não tenha medo de arriscar um pouco com a gurizada, mesmo deixando o seu na reta - falam em Hemerson Maria, Ricardinho (dois Little Richards no mesmo time vai ser dose), Émerson Ávila

Este ano temos aí no elenco Aldair, Tarcísio (que por azar se machucou gravemente), o garoto Christian - que ainda não vi jogar pessoalmente - e o bom goleiro Jhonathan. Subiram mais dois (Anatole e um outro de que não me lembro o nome). Pelo menos 6 jogadores serão da base no Catarinense, embora para assumir a camisa titular eu aposte em no máximo um ou dois. Vamos ver até quando eventuais maus resultados não deixarão os guris eternamente treinando e só os figurões jogando, como costuma acontecer.
Luiz Gonzaga Miliolli é um técnico de currículo respeitável, mas hoje ultrapassado. Basta ver o que fez quando assumiu o time principal - um papel tão ridículo que o medíocre Argel virou um técnico bastante razoável, dada a comparação. Nazareno Silva também tivera seu auge aqui em Santa Catarina há mais de dez anos. Parece-me que, dependendo dos novos contratados, uma renovação fará bem à gurizada. 
Como sempre, a minha torcida é que os passos estejam sendo dados na direção certa. As dispensas de LC e dos jogadores que não mostraram nada de diferente me agradou. As da base, não tenho tanta certeza; depende do que vem por aí - e o clube não nos dá nenhuma pista a esse respeito. 
Como nos dizem os finados no portão dos cemitérios: nós que aqui estamos por vós esperamos! E por vós, entendam-se "boas notícias". AVANTE, JEC.

Ah, e amanhã enfrentamos o Tigre. Seria bom garantir os 12 pontos contra os adversários catarinenses e "carimbar" o acesso deles, porque o nosso...