NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

30 de nov de 2010

O JULGAMENTO - 48 HORAS PARTE II

Esse alemão FDP anteviu os problemas do JEC
O JEC vive o "mito do eterno retorno", há uns dez anos, pelo menos. É hora de quebrar de uma vez esse círculo vicioso e iniciar uma nova fase - ainda que não inteiramente por nossos méritos.

Cito Nietzsche: ''E, se um dia ou uma noite um demônio se esgueirasse em tua mais solitária solidão e te dissesse: Esta vida, assim como tu vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes: e não haverá nela nada de nova, cada dor e cada prazer e cada pensamento e suspiro e tudo o que há de indizivelmente pequeno e de grande em tua vida há de retornar, e tudo na mesma ordem e seqüência".

Até o blog está condenado, por culpa do Joinville Esporte Clube, ao "eterno retorno", e precisa um novo rumo, um novo alento. Ora,  somente sobre o julgamento já escrevi várias vezes (12 posts específicos, para ser exato, fora referências esparsas em vários outros), pois obrigado a retornar sempre a esse assunto.

Ano que vem, não quero ter de falar novamente sobre necessidade de classificação para a Série D, formação dos grupos da série D, Copinha Santa Catarina, etc. Meu assunto, espero, seja a série C, a perspectiva de acesso à segunda divisão, enfim, assuntos novos, para que eu não tenha a triste facilidade de apenas pegar os posts desse ano e adaptar no ano que vem, pois tudo seria nada mais do que uma variação sobre o mesmo tema. Quero assunto novo, quero um clube diferente, um time diferente, um ano diferente desses últimos em que tantos sofremos. 
Esse demônio que condena ao "eterno retorno" deve ser agora exorcizado.  Quem ouviu o sussurro do diabo e nos condenou a uma vida eterna de repetição das derrotas e insucessos deve agora esquecer desse vaticínio, e gritar algo: "daqui pra frente, tudo vai ser diferente...", como já cantou o Rei - Beto Carlos. Chega dessa repetição de cagadas, de derrotas, de amarelões, de más contratações e dispensas, enfim, chega de tudo que deu errado nesses últimos anos.
Digo tudo isso porque, segundo os sites esportivos e o Dr. Pugliese - com quem ainda conversarei antes do julgamento - depois de amanhã, na quinta feira dia 02 de dezembro, nosso futuro será decidido no STJD, pelo Pleno daquele Tribunal.
Ainda não há no site da Justiça Desportiva a pauta de julgamentos, e por isso não há a certeza de que o julgamento realmente saia - pois pelo número de processos na pauta sempre é possível o adiamento. Espero que não.
Assim, publico esse post - 48 horas, parte II (já  houve o primeiro, portanto) - esperando que seja o último nessa senda, até porque não houve uma terceira parte do filme e eu ficaria sem "figurinha" para ilustrar a postagem.
Vamos aguardar o julgamento desta quinta-feira, como a data em que subiremos à Série C e inauguremos, finalmente, uma nova era no JEC, até para evitar nosso apequenamento definitivo, que é um risco que efetivamente corremos, em caso de insucesso no Tribunal. Em caminho atapetado, avançaremos.

PS: Eis a notícia do site da Justiça Desportiva, de ontem:
A Série D acabou no dia 14 de novembro, mas as polêmicas da competição continuam ganhando capítulos no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Às 14h da próxima quinta-feira, dia 2 de dezembro, será julgado no Pleno o recurso do Joinville contra a decisão da Quarta Comissão Disciplinar de absolver o América/AM por escalar irregularmente Amaral Capixaba no confronto entre as equipes, realizado pelas quartas-de-final do torneio.

O time amazonense foi denunciado e julgado após o Joinville, time eliminado pelo América, ter relatado ao STJD a escalação de Amaral Capixaba no jogo erte os dois times, alegando que seu nome não estava presente no BID da CBF.
O América/AM foi denunciado com base no artigo 214 (incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, incluído o parágrafo quarto (não sendo possível aplicar-se a regra prevista neste artigo em face da forma de disputa da competição, o infrator será excluído da competição). Contudo, em primeira instância Quarta Comissão Disciplinar decidiu que o América deveria ser absolvido e seguir normalmente na Série D.

O Joinville espera que o resultado da partida contra o América/AM não tenha valor, que equipe amazonense seja eliminada e que seja refeito o jogo da semifinal, só que desta vez entre o time catarinense e o Madureira. O vencedor enfrentaria o Guarany/CE, campeão da Série D, na final.
AVANTE, JEC!

29 de nov de 2010

JÁ TEMOS UM TIME DE SEGUNDA EM JOINVILLE

É, meus amigos tricolores. Há um tempo, escrevi que se não nos cuidarmos, o futuro do futebol joinvilense será logo ali, no Ernestão.

Isso porque o Caxias reiniciou as suas atividades no futebol neste ano de 2010, e parece que com um planejamento - o que falta ao JEC.
Tenho um amigo envolvido com as coisas do Gualicho, e ele me afirmou que há um planejamento estratégico detalhado no Clube da Cel. Francisco Gomes, para que em dez anos o Caxias esteja na Série A do Brasileirão. É óbvio que esse plano não é uma garantia  de sucesso, mas é a garantia de um norte, de um objetivo a ser buscado, visando evitar a dispersão de estratégia e uma conduta errática. O planejamento do JEC, por sua vez, vem sendo o de não fechar as portas.
O alvinegro conseguiu sábado, ao empatar com o Guaraná de Palhaço, por 2 a 2, o acesso à segundona Catarinense. Esse acesso é mais difícil, penso eu, do que será o da segunda divisão para a primeirona. Isso porque o Caxias estava voltando ao futebol agora, e nesse campeonato somente uma vaga existia. Ano que vem, já com uma maior experiência, e num campeonato que sobem dois times, posso quase apostar que o Gualicho estará na Divisão Principal no ano de 2012.
Então, esse é o nosso deadline, nosso prazo fatal - dezembro de 2011. Ou até o final do ano que vem estamos, no mínimo, na série C (se não conseguirmos o acesso no tapetão ainda este ano), ou de preferência, na série B do Brasileirão (tapetão este ano mais acesso no campo em 2011), para que nos destaquemos - e para que em 2012 não estejamos em pé de igualdade com o Caxias, disputando a vaga para a série D - 2013.
Se essa igualdade infeliz acontecer, será a decretação do fracasso do JEC.
Ora, se o Caxias, em dois anos de atividade chegar ao mesmo patamar do Tricolor, aquele infausto futuro terá chegado, e ele será negro para nós (ou melhor, alvinegro para eles).
De qualquer forma, parabéns ao mais novo time de segunda de Joinville.  AVANTE, JEC! REAGE, JEC!

26 de nov de 2010

NOVO CONTRATADO E UM REFORÇO DO DEPARTAMENTO MÉDICO

Acho prematuro considerar qualquer novo jogador que chega ao JEC como um reforço antes mesmo de vê-lo em atuação com a camiseta Tricolor.
Digo isto porque contratamos o tal de Diego Zanut, que estava no Operário/PR. É salutar novidade a contratação de um jogador que pelo menos alguém viu jogar. Dessa vez, a contratação não se deu por DVD, não se deu por indicação de um zé mané qualquer: esse jogador nos enfrentou provavelmente quatro vezes (não sei se esteve em campo em todas os confrontos entre o Tricolor e o Operário/PR) e alguém deve ter observado seu futebol e gostado do que viu.
É bem verdade que provavelmente o jogador terá de passar por um período de adaptação a um esquema que se não é uma Brastemp, será levemente ofensivo, ao contrário daquilo a que estava acostumado tal jogador, eis que  jogava num time que costumeiramente atuava retrancado, num 3-5-2 mequetrefe, com todo mundo atrás da linha da bola. Quando o Sopp(erário) teve de sair pro jogo tomou duas tamancadas do Madura na Série D (4 a 2 e 6 a 2).
Bom, mas também se trata de apenas um volante. Eu sinceramente penso que se um time depende de um volante para ser um bom time, alguma coisa vai mal, vai dar errado. É óbvio que se pudéssemos ter volantes do naipe de Elias e Jucilei, Arouca ou Maldonado, eu retiraria o que acabei de dizer. Mas por aqui, volante, de regra, só destrói. O próprio Carlinhos Santos, ídolo por aqui, é um grande ladrão de bola, mas tem uma saída de bola e qualidade de passe não mais que razoáveis.
Neste 2010, se nos demos mal em alguma coisa (e realmente nos demos), não foi na meia-cancha defensiva, mas sim na armação de jogo e, no final do ano, no ataque.
Por isso, tomemos o Zanuto como nosso mais novo contratado, mas não nosso mais novo reforço - por enquanto. Se ele vai REFORÇAR o time, só saberemos quando a bola rolar e ele demonstrar alguma coisa que conquiste a confiança do treinador e da torcida.

Quem, sem dúvida será um reforço - acho que se ele estivesse na série D teríamos subido em campo - é o Chris, que hoje voltou a correr em volta do campo, no processo de recuperação da ruptura do tendão de aquiles. Acredito que Chris estará pronto para o início do Campeonato Catarinense - 2011, provavelmente reeditando a dupla de ataque com o Lima - pra mim um dos melhores avantes que já vi com a camisa Tricolor - pelo menos o melhor dos últimos dez anos. AVANTE, JEC!

25 de nov de 2010

JEC ELIMINA UM ADVERSÁRIO

Pois não é finalmente eliminamos um adversário? Numa manobra arriscada, nosso volante contundido - e já operado em artroscopia que aparentemente correu bem - Carlinhos Santos passou por cima, literalmente, do Jacaré (lembram dele - esse centroavante gordo do Avaí?) e o eliminou (perdeu, playboy!). Um animal de 2,20m foi impiedosamente aniquilado pelo nosso volante que em vez de um carrinho usou um carrão pra vencer (atropelar) o adversário.
É bem verdade que a peleja foi disputada, tanto que o carrinho do nosso craque deu uma capotada básica, mas entre mortos e feridos, salvaram-se todos - menos o Jacaré, por óbvio.
Tem coisas que só acontecem com o JEC (dizem que é com o Botafogo, mas é porque não conhecem o JEC). Atropelar um jacaré no interior do Estado de São Paulo, capotar o carro (e ainda bem, sair ileso), não é pra qualquer um.
Depois dessa, entrar e dar porrada em qualquer um no Catarinão será café pequeno pro nosso jogador.
(Nem reclamem dessa baboseira do post de hoje, reclamem do JEC, que não nos fornece qualquer novidade para comentar a sério).

Por fim, o Tesser pediu pra ir embora - parece para que o time do Red Bull, do interior de São Paulo - Campinas. Disse o Nereu: "infelizmente, no futebol o dinheiro fala mais alto".
Olha, "seu" Nereu, pense um pouco mais antes de sair por aí com disparates. Porque no mesmo dia, afirmou que houve jogadores que aceitaram redução de salário para renovar com o JEC para provar alguma coisa para a torcida.
O que me parece mais crível é que o Tesser acredita mais em outro "projeto" do que no projeto joinvilense, e não se pode dizer que esteja errado. Se for mesmo para o Red Bull, basta pensar na equipe de Fórmula 1, que ganhou o campeonato de construtores e de pilotos neste ano, e no futebol, em três anos de história no Brasil, já conquistou dois acessos e poderá já estar na Copa do Brasil do ano que vem.
Valeu, Tesser!
A propósito, veja-se do site do RB - com metas e objetivos, factíveis ou não, mas com planejamento - coisa que nos falta:
"Campeão Paulista da Segunda Divisão em 2009 e Campeão Paulista da Série A-3 em 2010, o Red Bull Brasil tem como meta disputar a Série A-1 do Paulista e a Série A do Campenato Brasileiro".

Esse "tapar o sol com peneira", esse amadorismo irritante, têm que acabar no JEC. E sobre os jogadores que ficaram desejarem "provar alguma coisa" a quem quer que seja que os tenha chamado de pipoqueiros, é uma grande besteira, como já tratei em outro post, dizendo que eu, pelo menos, não preciso de um cala-boca, mas de um time que jogue e ganhe, e não que coloque como objetivo calar a boca da torcida - mas jogar bola, até porque a torcida incentivou o ano inteiro. AVANTE, JEC!

23 de nov de 2010

MACUNAIMICAMENTE PREGUIÇOSO

"Macunaíma passou mais de seis anos sem falar. Quando o incitavam, exclamava:— Ai! que preguiça!..." (Mário de Andrade, em Macunaíma, herói sem nenhum caráter).
Pois é: que preguiça de falar qualquer coisa do JEC, quando nada acontece.

De qualquer forma, o time se reapresenta hoje. Com certeza, haverá um período curto de avaliações médicas e físicas, para então iniciar a pré-temporada. Segundo ANotícia, os trabalhos do Tricolor recomeçam com os seguintes jogadores: GOL - Paulo Sérgio e Jhonathan; LAT - Eduardo, Tesser (pende renovação) e Daniel, e da base Filipe e Ednei e Divonzir; ZAG - Fernando, Souza, Renato Santos e da base Sidney; VOL - Soler e Paulinho Dias, e da base Régis, Gabriel, Mancini e Tarcísio; MEI - Marcelinho e da base, Jocinei e Cristian; ATA - Lima, Pantico, Edinho, Marcelo Silva, e da base, Felipe, Romero e Deivid.
Teremos a volta do Aldair que está no Vitória, e Chris, Carlinhos Santos (contusão e contrato pendentes) e Ângelo enconstados no DM.

Afora esse retorno dos boleiros, o fato é que continuamos em compasso de espera em relação à decisão do STJD. Não haverá julgamento neste dia 25, então o julgamento será ou no dia 2 ou no dia 9 de dezembro, se a turma do STJD assim resolver. Parece que há vários processos para serem julgados pelo Pleno do Tribunal - o que pode ir adiando a sollução dos problemas da série D.

Ademais, não me emociono (como alguns da imprensa) com o fato de o Procurador-Geral do STJD ter apresentado recurso contra a decisão da 4ª Câmara.

Primeiro, porque o Procurador-Geral não julga o caso, não vota. É como se fosse o Ministério Público, que acusa ou dá pareceres, sem valor vinculante. Depois, porque este Procurador já esteve ao nosso lado no primeiro julgamento, e não adiantou de merda nenhuma.

Acho o mais importante do julgamento é que o Pleno do STJD poderá tender a ser mais conservador - no sentido de conservar a autoridade da CBF e do BID - até para evitar futuras alegações de "não sabia" que o jogador não estava inscrito, de que houve engano da CBF ou outros argumentos estapafúrdios como o do América - e assim nos dar ganho de causa. Continuo no aguardo de alguma notícia relevante - embora o marasmo Tricolor deva continuar por um bom tempo. AVANTE, JEC!

21 de nov de 2010

BAILE DA TERCEIRA IDADE NA CEL. FRANCISCO GOMES

Ai... que falta de assunto. Mas vamos lá.

Torcida do Caxias feliz no Círculo Operário
Até pensei em ir ao Ernesto Schlemm Sobrinho, assistir ao jogo do Caxias contra o Guaraná de Palhaço.
Depois, desisti, pois preferi ver a (uma das) rodada(s) decisiva(s) do Brasileirão na TV. E são várias as razões.
Primeiro, porque não tenho carteirinha de aposentado (tô velho mas não tanto) - e se havia mais de dez pessoas com menos de 70 anos no Ernestão - sou capaz de desdizer o que disse.
Segundo, porque embora adore o Ernestão - passei anos muito felizes naquele estádio - me recuso, hoje em dia, a dar dinheiro para o "gaylicho".
Acredito piamente que Joinville não comporta dois times de futebol. Nossa cidade bateu agora nos 500 mil habitantes, é município do interior (de todos os 20 clubes da série A, só o Santos - mas aí não vale, é o time do Negão - , Guarani (já rebaixado) e Prudente (também já foi pra fita) são do interior.
Campinas é uma cidade equivalente à nossa, porém maior (1,1 milhão). Guarani e Ponte vivem numa gangorra infindável e nunca mais (desde 77 ou 78) fizeram nada de muito importante. Acho que se realmente tivermos dois times, estaremos fadados a reproduzir os times campineiros, num tom ainda menor. Ou seja, estamos fodidos.
Cavalinho paraguaio
Terceiro (e essa razão decorre da anterior), porque não consigo dar dinheiro a um clube que não seja o meu. Dar dinheiro ao Caxias me dá urticária. Ajudar quem quer nos afundar não tem lógica alguma. E digo mais, ainda não tenho certeza das boas intenções de quem comanda o Caxias (é claro que não falo do Pingo e do nosso "craque" Bandoch, o albino). Posso estar errado, é claro, como costuma acontecer. Se eu estivesse certo de alguma coisa tava jogando na mega-sena - e ganhando.
Ah, e a propósito, entendo que quem lê esse blog é minimamente inteligente. Não vem venham com patrulha ideológica porque falei dos velhos, dos albinos, chamei Pelé de "negão", ou o Caxias de "gaylicho". Quem só vê o mundo em preto e branco (cores feias, afinal - se tricolores já muda a história), não consegue compreender um chiste, uma ironia, que vá ler outro blog, talvez do Pe. Marcelo Rossi (pronto, agora também sacaneei a religião). Já posso ir embora.

De qualquer forma, o Caxias meteu dois a zero no Guaraná de Palhaço. Parabéns, pinguinzinho.
AVANTE, JEC! Vá pra PQP, gualicho.

18 de nov de 2010

COMO O JEC SE COMUNICA COM SEU TORCEDOR?

Pelo menos até 25 de novembro o JEC estará mais parado que olho de vidro, é preciso procurar algum assunto para tratar. Analiso, então: como o JEC se comunica com seu torcedor?

Mal, muito mal, é a resposta - penso eu.
Vamos falar um pouco sobre a comunicação do JEC, em especial a do site.

Como dizia o véio acima: quem não se comunica...

O novo site Tricolor - já nem tão novo assim - é muito melhor do que o antigo, mas para ser bom, falta muito.

Uso como exemplo para comparação o site do Coritiba (http://www.coritiba.com.br/), que esteve jogando por aqui neste ano, e que poderia nos ensinar muita coisa - não só no futebol.

Enquanto mandaram suas partidas na Arena, no site do Coxa havia uma aba "Joinville", em que se podia saber dos hotéis, dos restaurantes, o caminho até o Estádio, etc. No mais, o site tem notícias, programação do Clube, fotos, vídeos, detalhes dos jogos passados e dos próximos, informações de público e renda. Há também notícias das divisões de base, espaço para a torcida, oportunidades de negócios (licenciamentos, aluguel do estádio, etc). Até compra de ingressos pela internet tem no site.


Não me parece tão difícil dar uma garibada no nosso site, em que, em resumo, há uma nova notícia por dia. Às vezes, até aqui nesse blog há mais movimento. Um clipping, por exemplo, seria simples e reuniria as notas do Maceió (pouquíssimas, aliás - e de costume palpites furados), do Diego, dos Elton Carvalho, do Juca Miguel, o conteúdo de  A Notícia, do Notícias do Dia, da Gazeta de Joinville, em um espaço do site, facilitando ao torcedor recolher as notícias sobre o clube e sobre o time. Ainda poderia trazer links para blogs como o do Fronzi, do Roberto Dias Borba.
Reunir todas as informações diárias sobre o JEC no site do Clube seria muito útil para os torcedores, especialmente para os que não moram por aqui ou não tem acesso à mídia impressa. Ora, todo torcedor deveria ter a possibilidade de, a cada dia, querendo, saber o que acontece com o JEC acessando a principal interface entre Clube e torcida - o site. Os torcedores de Joinville assinam, no máximo, um jornal, ou ouvem uma rádio, vêem a RBS ou a RIC. E quem mora fora de Joinville, não sabe de nada.

Outra necessidade: – informações completas dos jogadores, pelo menos os novos contratados, até que possamos vê-los em ação, no campo da Arena. Antes de jogarem, gostaria eu de saber exatamente quem eles são. O ritual de contratações do JEC, hoje em dia parece uma revelação, a apresentação de um santo, de uma imagem etérea.
Aparece o Nereu com um completo desconhecido, e diz, esse aqui é o fulano de tal, meio campo, jogava no Casa do Caralho Futebol Clube. E é só. Daí, quando aparece em campo, não raro é uma decepção só. Cito alguns jogadores de 2010 que vieram, chegaram, pouco jogaram e foram embora - Lira, Paulo Roberto, Eder, Miro Bahia, Jean Pablo, entre outros menos cotados.


É tão difícil contar os sócios?
Ademais, por que não um placar de contagem dos sócios, atualizado semanal ou mensalmente, e a informação exata de quanto é a arrecadação obtida com as mensalidades?
Qual o patrimônio do JEC? - O CT e os sócios, nada mais.
Seria muito interessante, para quem paga ingresso (ou mensalidade), saber quantos e com quanto ajudam o JEC (até aqui no blog dá para contar os acessos; o JEC não consegue fazer uma janelinha e mostrar como vão seus associados?).
Por que não temos acesso ao borderô dos jogos - na Série D até encontro no site da CBF, mas no Catarinense é um absoluto mistério, para saber quantos estiveram efetivamente na ARENA?
Aqui, o problema não é só de comunicação, mas de transparência, de governança corporativa. Qualquer empresa que se diga moderna (o JEC não é empresa nem é moderno) tem necessidade de transparência, de práticas claras, de confiabilidade.   O JEC é uma instituição fechada e pouco transparente. Mas sobre os grandes mistérios do Tricolor falarei em outro post.

Ainda: segundo antiga entrevista do Martinelli no A Notícia, o JEC ficou na TIMEMANIA em 29º lugar, aumentando, com tal ranking, a receita decorrente da TIMEMANIA. Por que não informam isto, constantemente, para saber que apostar nessa loteria aumenta a grana que entra nos cofres do JEC, e incentivar novas apostas?
Por que não conseguimos ver no site quem e quando foram os presidentes do JEC (Waldomiro, Florêncio, Irineu, Márcio, Mauro, Adelir, Márcio, de novo), para conseguirmos medir quem foi bom e quem não foi?

O JEC, que nasceu campeão (mas já amargou dois jejuns relevantes - 1987/2000 e 2001/2010), isso em 1976, precisa evoluir. Em 76, não havia internet, a cidade tinha cerca de 200.000 pessoas – hoje já passamos dos 500.000, segundo o Censo em andamento. Esse pessoal novo tem que amar o JEC, mas antes disso precisa conhecê-lo. O tanto de pessoas que ia ao Ernestão em 76 é quase o mesmo que vai hoje (pra não dizer que ia mais gente), embora a cidade tenha mais que duplicado.
Nós, que desde o início do clube estamos por aí, sabemos bastante sobre o Tricolor. Mas quem não sabe (os mais jovens), precisa ser informado. É isso aí. Avante (moderniza), JEC!

16 de nov de 2010

AMÉRICA DERROTADO DUPLAMENTE- PERDEU NO CAMPO E NO TAPETÃO

O Mequinha foi goleado pelo Guaraná de Sobral, o "campeão" da Série D (até segunda ordem do STJD). 4 a 1, sem apelação. Uma derrota importante, penso eu, porque se o time manauara fosse campeão seria mais complicado eliminar o time que até já teria erguido o troféu, dado volta olímpica, e o escambau.

Some-se a isso o ocorrido no STJD. Eu até esquecera de acompanhar o julgamento que ocorreu na tarde de sexta-feira, mas alertado do resultado da decisão na Justiça Desportiva por leitores-comentaristas do Blog (Cristiano e Emerson) dei-me conta de que o América, por dois votos a um, perdeu os pontos do jogo contra o Madura, e com esse resultado, em tese, o América está eliminado da Série D. É claro que, igualmente ao nosso caso, cabe recurso para o Pleno do Tribunal.

O resultado do julgamento foi comunicado à CBF e esta decidiu suspender a finalíssima que ocorreria no domingo. O América, contudo, conseguiu (rapidamente - o que não nos foi deferido) o efeito suspensivo e o jogo se realizou - e como já vimos acima, o América se lascou contra o Guaraná de Sobral.

Agora tudo vai se decidir no tapete grande -  na forma mais simples, apenas o julgamento contra do América contra o Madura - e talvez com nova final entre Madureira e Guarany - ou, na melhor das hipóteses (para nós), uma nova semifinal entre os Tricolores (o da Manchester Catarinense e o Suburbano).

Pra onde vamos, afinal

O ocorrido ontem pode mudar nosso destino no julgamento do Tribunal Pleno? Acredito que há certa chance. Ora, seria muito pior desclassificar o eventual campeão da Competição do que mandar para a PQP um time que já foi punido por outra irregularidade administrativa e por isso mesmos desclassificado na semifinal, ficando em 4º lugar - manda o quarto colocado pra casa do caralho e coloca o JEC de novo no campeonato - ou só desclassifica o time amazonense e sobe o Tricolor, mesmo sem jogar.

O argumento político, a meu ver, deve ser um pouco relativizado. O fato de Manaus ser sede da Copa é ridículo para dar a vitória ao América, até porque tal equipa, historicamente, é a quarta ou quinta força do já anêmico futebol amazonense. Se for pra levar política em conta, veja-se que temos o Figueirense na 1ª Divisão; o Avaí caindo da 1ª para a 2ª, o Criciúma que ascendeu à 2ª, a Chapecoense na 3ª, e o JEC querendo o acesso para a terceirona. No futebol, Santa Catarina é mais importante que o Amazonas, convenhamos. NA ESPERA, JEC!

EM TEMPO: O novo cabeçalho do Blog, muito mais ajeitado que o anterior, o devo ao leitor Thales, que fez o logo  no Photoshop - eu como não entendo porra nenhuma não saberia fazer - e me mandou. Ficou ótimo, e adotei. Valeu!

13 de nov de 2010

JECMANIA - UM ANO

Em 13 de novembro de 2009 dei início a este blog para falar do JEC.

A ideia inicial era de que eu mais três amigos escrevessêmos sobre o JEC, cada um com sua opinião e jeito, e assim, principalmente, trocássemos opiniões entre nós nos dias em que não havia jogo (pois estávamos juntos durante as partidas), mas o projeto não foi à frente desse modo, e me encarreguei de tocar o barco.

Não sabia nem que nome dar a este espaço, e tentei colocar um nome que não o identificasse com a Diretoria, com o Clube, pois o blog é completamente autônomo. Meus únicos vínculos com o Clube são o de torcedor, com mais de 25 anos de arquibancada e o pagamento da mensalidade como associado.
Depois, pensei em escolher um nome com o qual não me apropriasse do nome do JEC, nem parecer falar em nome de qualquer pessoa, a não ser eu mesmo; isso porque por várias vezes vi críticas ao "Blog do JEC" - atual Bastidores do JEC - do Diego Santos, porque este "usaria o nome" do Joinville para escrever - pra mim crítica sem fundamento de alguns xiitas que não conseguem ver um palmo a frente do nariz, mas adotei a cautela para que não viessem torcedores míopes me acusar de me aproveitar do JEC ou qualquer outra coisa que o valha. Me digam esses "espertos" como eu me aproveitaria do JEC?
Na falta de melhores ideias, veio o nome JECMANIA - até pensei em mudar depois para facilitar a busca no google, por exemplo. Se eu colocasse Espaço do JEC, Torcedor do JEC, talvez por usar o nome do clube em separado o blog fosse mais facilmente encontrável nos mecanismos de busca da net - mas ficou mesmo o nome original.

Por muito tempo ficou a impressão de que eu estava escrevendo apenas pra mim mesmo, e que ninguém lia porra nenhuma. Até escrevi ISSO AQUI, sobre falar sozinho.
Contudo, a partir de junho deste ano o site que hospeda o blog possibilitou uma contagem de acessos, e pude ver que não estou tão sozinho assim: há uns alucinados que lêem o que escrevo, e até comentam, muitas vezes com mais propriedade do que este escriba.
Contabilizados a partir de julho de 2010, os acessos mensais passaram de 760 naquele mês para 1489 em agosto, 1950 em setembro e 4505 em outubro, mais de dois mil neste novembro até este dia 13, num total de mais de 10.000 acessos de julho até o dia de hoje. Houve um pico de mais de 700 acessos no dia do julgamento no STJD, malgrado o resultado não nos tenha sido favorável. Acho, modestamente, que esse se tornou um espaço de discussão e reflexão sobre o JEC. Fico feliz com isto.

Neste um ano, foram 215 os posts publicados, mais de 300 comentários de leitores, muitas horas gastas para acompanhar o noticiário tricolor e cometer essas linhas. Nunca imaginei que essa brincadeira entre alguns amigos virasse, para mim, uma grande diversão, um hobby (e ao mesmo tempo uma tormenta - dadas as desilusões de mais este ano na história Tricolor) escrever sobre o JEC. Como já disse outra vez, passei a gostar ainda mais do Clube, do Time, e passei a ser ainda mais torcedor do que já era.
A quem lê, a quem critica, a quem elogia, a quem gosta, a quem odeia: Valeu!

Inicio o segundo ano do blog,  no aguardo e esperança que ainda haja a uma reviravolta no tapetão, para que se cumpra o objetivo, ainda que por vias transversas, mais importante desse ano que vai se encerrando: o acesso do Joinville à série C
Perdemos o Catarinense, perdemos a Copinha, e no campo perdemos a série D, mas no tapetão espero que revertamos essa derrota e obtenhamos nossa maior vitória e conquistemos aquilo que eu sempre reputei indispensável, para que o blog não fique repetitivo no ano que vem - novo catarinense, nova tentativa de ir à Série D, nova tentativa de acesso à Série C.
Que o JEC e o JECMANIA melhorem no ano próximo. O JEC, para que eu sofra menos; o blog, para que vocês sofram menos. AVANTE, JEC!

11 de nov de 2010

CARAS NOVAS E VELHAS NO ELENCO TRICOLOR - 2011

No fim do Catarinense, Miro Bahia, Lino e Lira foram mandados a passeio para onde quer que desejassem.
Terminada a Série D, na primeira leva embarcaram logo depois da derrota contra o América - Fabiano, Charles, Eder e Jean Pablo.
Depois, Leandro Costa, na surdina, também deixou o clube. Só ficou pra se recuperar de contusão e aí, tchau.
Agora, foram dispensados os Titulares Ricardinho e o bom Luiz André (parece que pediu aumento) e  os Reservas Neném e Elton. Ângelo e Pedra estão no DM. Do time que encerrou a série D, 5 titulares se foram.
Dessa forma, dos  jogadores há muito conhecidos, devem permanecer para o ano que vem, dos que já estavam aí: GOL -Paulo Sérgio e Jhonathan (base), LAT - Eduardo, Daniel; ZAGSouza, Renato Santos, Fernando; MEI - Paulinho Dias, Marcelinho, Jocinei; ATAEdinho, PanticoMarcelo Silva e Lima.
São 14 jogadores. Desses, 7 ou 8 serão titulares.
Aldair volta do Vitória/BA, Chris que deve voltar aos gramados no início de 2011 se juntarão ao grupo. Tesser e Carlinhos Santos ainda estão negociando a renovação do contrato, mas devem ficar:
Assim, teremos 18 boleiros no grupo.
O Nereu disse que deve contratar entre 5 ou 6 jogadores. Iríamos a 23 ou 24 jogadores.

Como é praxe entre os "professores", estes gostam de ter um grupo formado por, no máximo, entre 25 e 30 jogadores.
Assim, teríamos umas cinco vagas "em aberto" para fechar o grupo.
Por isso, a grande novidade para suprir essa lacuna é que entre 10 e 13 juvenis e juniores serão chamados para a pré-temporada 2010/2011.  Obviamente que muitos não estarão prontos para jogar no time de cima, e continuarão na base. Mas, há muito tempo que não se via um movimento interessante para trazer os jogadores de baixo e, no mínimo, lhes dar alguma perspectiva de futuro, treinos mais fortes, obervação constante pela Comissão Técnica da equipe principal.
Quero acreditar que pelo menos cinco ou seis desses jogadores estarão no grupo 2011, e somados ao Aldair, Jhonathan e Jocinei (Rodeio), poderemos ter oito ou nove jogadores da base no elenco. Vamos torcer para que eles não sintam a responsa (mas também, se sentirem, não quero ninguém vaiando no primeiro momento, porque os jogadores rodados que aí estavam se borraram todos na "final" contra o América e na Copinha contra o Brusque).
Antes de meter a vaia nos guris, lembremo-nos do que foi feito com o Ramires por aqui ("não serve", "é muito ruim") e olhem onde ele está hoje. Titular da Seleção, porra! Só o seu salário no Chelsea, de cerca de 400 paus por mês, paga toda a folha do Joinville.

Resumindo: acho que o esboço da formação do elenco é boa. Uma ou duas discordâncias tenho, mas é irrelevante o que eu penso sobre esse ou aquele jogador; há mais acertos do que erros nas dispensas e renovações.

De errado até agora, só vi a idéia expressa pelo Nereu (CONFERIR AQUI), de que os jogadores querem provar algo a determinadas pessoas. Cito nosso plenipotenciário Diretor de Futebol: "alguns jogadores renovaram com salário menor até para provar a algumas pessoas que chamaram eles de pipoqueiros".

Calar a boca do povo, só no Terra em Transe, cacete!

Primeiro, cara-pálida: para quais "alguns" eles querem provar qualquer coisa? Diga de uma vez, não fique de meias-palavras. Há pelo menos 6.000 associados e perto de 15.000 torcedores que estiveram na Arena no último jogo que esperam futebol, e não um "cala-boca". Esperam que o time jogue bem e conquiste alguma coisa, e não um cala-boca. Não me venham de cala-boca!

O recado é pra imprensa? Deixe claro, Nereu! É pra torcida? - Então estás muito errado - e nem preciso explicar o porquê.

Segundo, se os jogadores pensam isso realmente, tal modo de agir só vai servir para criar um clima belicoso entre esses jogadores, a imprensa, e a torcida. Não vai servir de nada esse gosto de "revanche".

Terceiro, por mais que joguem bem no ano que vem, o fato é que "pipocaram" algumas vezes este ano, e nada vai apagar isso. Tem que pensar em jogar bola e fazer o time andar pra frente, uma vez, ao menos, minimizando o vexame 2010. Eu não quero prova de nada, eu quero futebol, vitória, acesso, título.

O clima não pode ser esse apregoado pelo dirigente, tem de haver um clima de concertação, de conciliação. As cobranças da torcida vão ser intensas pelos maus resultados de 2010; há jogadores que estão meio "queimados" com a galera (na UT, principalmente) e mesmo assim permaneceram. Se se acirrar esse clima de alguém provar alguma coisa pra quem quer que seja, já começaremos 2011 de forma, mais uma vez, errada. Give peace a chance, rapeize (dá-lhe Cacau Menezes)!

Ah! aquela esperança mínima, de vitória no Pleno do STJD, ainda reside em algum lugar. Parafraseio o final de Ilha das Flores, de Jorge Furtado: Esperança é uma palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique, e ninguém que não entenda".
AVANTE, JEC, PARA 2011!

10 de nov de 2010

PARECE MENTIRA, MAS HOJE CONCORDO COM O "ALAGOANO"

Volto às raízes dos objetivos deste blog: falar mal da imprensa. Falar mal, a dita maledicência, é uma arte, já elevada a tal status por gente bem mais talentosa do que eu, como o Cony. Mas cometo meus opróbrios, também.
Então, voltando à vaca fria, hoje, pela primeira vez em muito tempo, sou obrigado a concordar com o "capital das alagoas", nosso mais "ilustre" jornalista esportivo.
Mas concordo com o quê? Com a seguinte frase: "A esta hora, o leitor mais atento deve estar pensando: 'O colunista pirou'". Não poderia haver mais razão nesta sentença. Pirado, isso sim. Concordo (plenamente).
Não é fácil (haja fígado) acompanhar a coluna diária de "nosso mestre". Opiniões disparatadas - mas sendo opinião até aceito, melhor, agüento -, elogios os mais diversos aos mais completos desconhecidos, e erros factuais variados e inadmissíveis. Nessa última categoria é que me desespero.
Hoje Maceió comete mais uma daquelas. E digo mais, reincide. O mesmo erro já foi cometido outra vez (confira aqui). Talvez aproveitando colunas velhas por preguiça, ele reitera o equívoco. Qualquer pessoa com inteligência abaixo da média sabe que entre 1987 e 2000 ficamos treze anos sem levantar a taça do Campeonato Catarinense, nosso maior jejum.
Aí, abro a merda do jornal e leio, pela segunda vez na coluna do imortal que "o JEC nunca passou tanto tempo sem ganhar o catarinense". Porra, nem todo mundo é burro, e o mundo não começou com Elis Regina, como sempre diz o - novamete citado - Carlos Heitor Cony (talvez eu devesse atualizar a citação, dizendo que o mundo não começou com o nascimento de Ivete Sangalo, personagem mais marcante de nosso absurdo tempo). Há coisas que aconteceram antes de tais efemérides, e que não podem ser esquecidas. Para igualar o jejum de 13 anos entre 87 e 2000, temos que perder o Catarinão de 2011, 2012 e 2013 (eis que ganhamos também em 2001), aí sim nosso querido colunista estaria correto.
Talvez ele tenha o dom da previsão - o da secação estou certo que tem - e estejamos fadados a perder os três próximos campeonatos. Nessa hipótese a ser confirmada, antecipadamente peço desculpas, Maceió. Mea culpa.
Como reza a sabedoria popular, errar uma vez é humano, errar de novo ... (deixa pra lá).

Começaram as dispensas e renovações no Tricolor. Logo volto para comentar tais mudanças e renovações em nosso elenco. RUMO A 2011, JEC!

9 de nov de 2010

ENFIM, UMA ALEGRIA NUM ESTÁDIO DE FUTEBOL

Não, infelizmente não foi o JEC o motivo da alegria, pois "de onde menos se espera, daí mesmo é que não vem nada" - Stanislaw Ponte Preta.
A alegria foi ter assistido ao show de Paul McCartney, ex e para sempre um Beatle.
Vê-lo é como ver algo inexistente, intangível, uma aparição. Quando se vê Paul subindo no palco é impossível não lembrar das inúmeras vezes em que músicas que ali estão sendo executadas ao vivo já foram ouvidas, decoradas por quem as ouve.
Basta observar como essas coisas - as músicas dos Beatles - fazem parte do imaginário popular e da vida de quase todo o mundo, às vezes da forma mais disparatada possível, eu esboçara um post chamado "The Long and Winding Road" para comemorar o eventual acesso do JEC, dizendo que para chegarmos à série C tivemos que passar por um caminho longo e tortuoso, como a canção descreve. O fato é que tal postagem provavelmente não será publicada, a não ser que ocorra um milagre no Pleno do STJD - no que já perdi um pouco a fé.
Enfim, ver um ídolo dessa grandeza, um senhor de 68 anos cantar por quase três horas, entoando 36 canções sem qualquer descaso com o público, com uma banda impressionante, com uma voz firme, dá a certeza de que se está em frente a um mito da música e que, de uma ou outra forma, faz parte da vida de todos.
Essa, com certeza, foi a grande alegria que tive, neste ano, em um estádio de futebol. Espero que 2011 seja diferente. Deixa assim, por enquanto. Let it be, JEC!

5 de nov de 2010

O JULGAMENTO DO JEC COMENTADO PASSO A PASSO - PARTE II - VOTAÇÃO E RESULTADO

Terrrrrrrminado o primeiro tempo da decisão.

Antes mesmo da continuação do julgamento, o Delfim falou, ao vivo, na Cultura AM, que entrara em contato com a CBF e que o documento pedido estava sendo remetido, via fax, ao STJD, e que tal papelório seria totalmente favorável ao JEC. Vamos confiar no homem.

Depois de quinze minutos regulamentares de intervalo - na verdade, bem mais do que isso - começou a segunda etapa do nosso "jogo". Após o Sílvio Luiz narrar o início da peleja do Santo Guerreiro Contra o Dragão da Maldade no post anterior, agora cabe a Januário de Oliveira dar o pontapé inicial na continuação dessa pelada jurídica: Bola Rolando?... Taí o que você queria! 

O julgamento foi retomado às 18h04, com as informações vindas da CBF - sei lá que informações, mas vamos adiante.
Enfim, começou votação!
O mérito da denúncia (o que realmente importa) - será agora analisado pelos auditores.
O primeiro e em tese o mais imporante voto, do relator Paulo Bracks, foi a nosso favor.
Os auditores Washington Oliveira e Rodrigo Fux votaram a favor do América.
A presidente votou a favor do Joinville - com base no BID. Dessa forma, perdemos com um empate, ou seja, bem típico do JEC. Derrota mesmo com empate por 2x2. Isso porque, segundo a interpretação da 4ª Comissão, em caso de empate, deve prevalecer a presunção de inocência do denunciado, no caso, o América, valendo o que ficou decidido em campo.
Inclusive ouvi o Pugliese falando ao fundo que em caso de empate deveria valer o voto de minerva da presidente, o que foi rejeitado.
De qualquer forma, com esse empate, é certo que haverá recurso do Tricolor ao Pleno do STJD, pois a coisa tá muito confusa. Perdemos empatando. Eita, JEC.
De todo modo, acredito que agora fica mais difícil (pra não dizer impossível), pois quando o Pleno julgar o recurso, a Série D já terá sido decidida em campo.
Apita o juiz - ou melhor, bate o martelo a 4ª Comissão do STJD. Final de partida, com uma típica atuação Tricolor, sofrida e empatando o jogo atapetado no final, o JEC fica fora da série C 2011. Não deu no campo, não deu no tapetão.
Queimou! Queimou o filme do Joinville no STJD!, como narraria Silvio Luiz.
A incompetência de nosso time no campo, a despeito da boa atuação administrativa e judicial, não foi recompensada com melhor sorte no tapetão.
Parabéns especiais ao Juca Miguel e à Gazeta de Joinville, que se fizeram presentes no STJD e transmitiram ao vivo, em live streaming, com todos os contratempos de uma transmissão via internet, o julgamento. Vamos pensar no ano que vem. Já tínhamos perdido na bola, de qualquer maneira. E O JEC SEMPRE NA MESMA!

Ficha da Partida: JEC 2 x 2 América. Local: Rio de Janeiro; Estádio do Tapetão. Desclassificação com empate, porra!
Joinville: Roberto Pugliese, Paulinho Hoffmann, Amaral e Leonardo Roesler
América: Txucarramãe, Kaiapó, Akarore e Tupi; Xokleng, Guarani e Bororo; Rio Negro & Solimões; Pirarucu e Curupira. T: Sestário
Arbitragem: STJD, o magnânimo, empatador máximo da galáxia.

O JULGAMENTO DO JEC COMENTADO PASSO A PASSO - PARTE I - SESSÃO INTERROMPIDA

Eu entendo um pouquinho de Direito, então comento em longo post os passos do julgamento, com base nas notas  taquigráficas  publicadas no site Justiça Desportiva e - se possível - na transmissão via internet do Giro da Bola/Juca Miguel/Gazeta de Joinville.

Sessão do STJD
 Esse processo é como um jogo final, e então uso o bordão de Sílvio Luiz para dar dramaticidade - como se a torcida Tricolor precisasse de algum drama adicional: "Estááá valendo!".

Nosso processo foi o segundo na pauta do dia, com a Corte bastante cheia, com dirigentes do JEC e do América, e iniciou-se às 14h30  - um considerável atraso, porque o relator do nosso processo - o auditor Roberto Teixeira - não veio, e teve de ser substituído de última hora - o que em princípio não é boa coisa, pois o relator é quem tem maior conhecimento do caso.
O processo passou a Paulo Bracks - de Minas Gerais, que em sala reservada foi estudar (na hora) o caso antes de ir ao julgamento.

A partir daqui deu pau no Juca Miguel, no site Justiça Desportiva, enfim, só acompanho pelo twitter do Fronzi e do Miguel.
O novo relator (aquele que relata - ou seja, explica - o caso aos demais conselheiros e dá o primeiro voto) resumiu a demanda. 
Foi inquirido o Ivan Guimarães - aquele cara da FAF que disse que o América tinha errado, na TV e tudo mais. Será que deu pra trás, o FDP? - Deu sim - e disse que não lembra de ter dito que o Amaral estava irregular.

Aí, numa cagada, achei o twitter do tempo real do julgamento http://twitter.com/jd_temporeal.

A essa hora, o "jurisconsulto" Gabriel Fronzi concluiu - de forma apressada (até porque o porque o Pugliese já apresentara o vídeo do tal malaco falando e que todos pudemos ver no Globo Esporte) - que o América vinha bem. A prova testemunhal é apenas uma das provas, porra! Depois de apertarem o tal de Ivan, sobre a data real da entrada do contrato na federação, nosso "especialista" já mudou de opinião. Seus comentários pareciam o filme "Operação Kickboxer": É CHUTE PRA TODO LADO.

Os auditores continuaram a sabatina do Ivan, para que este tentasse explicar por que o nome do Amaral não constava do BID. Nervosismo do cacete, meu irmão!

O relator diz: ou a CBF está certa ou a testemunha está certa.
Ops, aqui acho que se decidiu o voto do relator, às 15h29, a nosso favor. Vai dar prevalência ao que consta na CBF.
Mas, também é possível a interpretação de, em havendo dúvida, se absolver o réu. Agora pegou no breu.

Pugliese começou a falar, às 15h32. Afirmou que a cidade está parada - não é bem verdade, mas os torcedores estamos vidrados no julgamento, e que a prova do caso é evidente. Ademais, que todos nossos gastos não seriam efetuados se estivéssemos numa aventura jurídica. Reforçou a incompetência americana, mencionando a escalação irregular de outro jogador no confronto América x Madureira, o que demonstra a desorganização do time manauara. Concluiu pedindo a exclusão do América do Campeonato e o retorno do JEC! Foi bem - primeiro argumentos emotivos - depois a prova.

O advogado do América começa a defesa, às 15h43. Antes de discutir o mérito, preliminarmente pede o reconhecimento da decadência - perda de prazo, pelo Joinville, para a denúncia. Na questão de fundo, que os clubes sempre encontram dificuldades, em razão de dificuldades no sistema de registro no BID. Que um documento da CBF dá margem à interpretação de que a própria instituição admite que poderia haver falha no sistema. E que dada essa possibilidade de falha, o resultado dentro do campo deve prevalecer. Se excluído o América, o Campeonato deveria voltar à terceira fase, com reinclusão do Sampaio Corrêa. Que tudo considerado, o princípio pró-competição deve prevalecer, pois não é possível apontar o culpado pelo erro no BID. Argumentos igualmente bons foram expostos pelo dotô dos homi

Os auditores discutem sobre possibilidade de novo adiamento - mau sinal - e querem esclarecimento da CBF. Sessão adiada para mais tarde, mas ainda hoje, para que a CBF responda as dúvidas dos auditores - que tentam entrar em contato com a CBF.

Dou uma pausa e publico essa parte do que houve até aqui no julgamento. Volto depois com a conclusão - se é que vai haver alguma. Puta que o pariu! EM COMPASSO DE ESPERA, JEC!

4 de nov de 2010

24 HORAS PARA RESOLVER - JACK "PUGLIESE" BAUER

Jack Pugliese Bauer vai ter de salvar o mundo (tricolor).
Faltam pouco mais de 24 horas para o julgamento no STJD - às 13 horas de amanhã - e para que tenhamos uma decisão - válida até segunda ordem, pois sujeita a eventual recurso de qualquer um dos envolvidos ao Pleno daquele Tribunal - para que se decida como vai ser o ano de 2011 do JEC.

Muito tem se aventado da possibilidade de que mesmo que o JEC veja sua denúncia de irregularidade do jogador Amaral, do América/AM, acolhida, nosso time não mais entraria em campo, e o problema seria solucionado com a exclusão do América do campeonato, a declaração de o Guarany de Sobral ser campeão - sem final - e o Joinville entrando entre os quatro melhores e confirmando seu acesso, sem mais jogar.

Não consigo acreditar nessa hipótese. O futebol brasileiro amadureceu um pouquinho, e hoje parece ser um consenso a necessidade de os campeonatos terminarem no campo, e não somente nas salas refrigeradas dos tribunais. Que final de campeonato brochante seria o Guarany campeão sem final, sem jogos, sem festa perante sua torcida, bem como nosso acesso assim, lá no Rio de Janeiro, sem ao menos um joguinho aqui em nosso campo.

A meu ver, ou ganhamos a parada no Tribunal, e voltamos ao campeonato jogando contra Madureira na semi e enfrentando o Guarany de Sobral na final (ou mesmo perdendo para o Madura e ficando em 3º no certame); ou perdemos no tapetão, ensacamos a viola e pronto: até 2011. 

Voltando ao julgamento, amanhã acompanharei em tempo real pelo site Justiça Desportiva, e tão logo decidida a questão, postarei um comentário, com base nas notas taquigráficas da sessão.
Haverá plantão das rádios, e será possível acompanhar em vídeo e tempo real pelo twitter do Juca Miguel, da Gazeta de Joinville - que estará presente no STJD - em iniciativa louvável do jornalista e do veículo de comunicação.

Com o Código de Justiça Desportiva debaixo do braço, nossa bíblia do momento, me despeço.

Que nosso agente secreto Dr. "Pugliese Bauer" nos salve o ano.
Até amanhã, lá pelas 14h (o julgamento é às 13h, o post é que será às duas). Oxalá que com boas novas. AVANTE, JEC!

3 de nov de 2010

FIM DO RECESSO - A SEGUNDA CHANCE DO JEC

Terminado o feriadão - com merecidos quatro dias de folga - para mim e para todos nós os torcedores - do JEC e seus vários problemas, com idas e vindas variadas, volto a postar, embora sem muito assunto.
Nossa ciclotimia parece nunca ter fim. Esperança num dia, frustração no outro. Eliminação dentro de campo aqui e possível ressurgimento no tapetão acolá. Julgamento marcado e julgamento adiado, e incessantes repetição desses picos de euforia e vales da mais profunda depressão, que desgastam qualquer pessoa.
Nervos de Aço, sem sangue nas veias e sem coração, somente na música de Lupicínio Rodrigues. Nós, os torcedores, andamos com os nervos em frangalhos, a paciência no limite, a esperança por um fio.
O Joinville parece viver um eterno episódio do antigo e ótimo seriado "The Twilight Zone", que no Brasil se chamou "Além da Imaginação", em que todo ano vai ser o da recuperação, todo jogo é o jogo do ano - ou o time ganha ou tá lascado. E essas situações se repetem indefinidamente, jogo a jogo, campeonato a campeonato, ano a ano.
O JEC, perdido em seus labirintos sem fim, parece, finalmente, ter encontrado uma saída atapetada; mas, não nos demos por satisfeitos e com a fatura já liquidada. Como costuma acontecer nesse seriado jequeano de além da imaginação, tudo pode ser só ilusão, só aparência, e quando nos depararmos com a realidade, poderemos nos dar conta que era apenas mais uma trapaça do destino, mais um truque, uma ilusão, e continuaremos enredados em nosso labirinto.
Espero que não! Espero que sexta-feira matemos o Minotauro (América, ainda que no tapetão), e que com o auxílio do mesmo fio de linha com que criamos essa enrascada teia em que nos metemos, possamos começar a encontrar a saída de nossos problemas. AVANTE, JEC!