NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

8 de set de 2010

JEC 2 X 0 IRATY - A VIAGEM, O JOGO, O PÓS-JOGO

O JOGO E A VIAGEM:
Como anunciara na sexta-feira, no final de semana estava a 70 km de Iraty e não poderia deixar de ir assistir ao jogo do Tricolor contra a equipe parananese. Percorri tal distância ansioso com a partida e cheguei em frente ao Cel. Emílio Gomes faltando 20 minutos para iniciar a peleja, por coincidência no mesmo momento em que o ônibus da União Tricolor chegava a Iraty.
Estacionei o carro praticamente na porta do modesto estádio, comprei uma Kaiser (era o que havia) e a bebi. Adquiri o ingresso a vinte merréis e entrei.
O estádio tem uma arquibancada de concreto e uma outra metálica acompanhando as laterais do campo. Atrás do gol não há arquibancadas, apenas uns gatos pingados vêem o jogo por ali, em pé. A metálica, com metade do espaço destinado a nossa torcida - a outra metade era ocupada por uma organizada do Iraty - é bem simpática, e até lembra um pouco a do Ernestão, exceto pelo fato de ser parcialmente coberta por um telhado de zinco, como se vê aí acima.

TAÍ O QUE VOCÊ QUERIA... BOLA ROLANDO:

Quando a bola rolou, o JEC começou mal, possibilitando principalmente jogadas de bola aérea, aumentando a esperança do Iraty de que o avante grandalhão William ou os seus zagueiros produzissem alguma coisa.
E por pouco o atacante não abriu o placar, em uma falha de marcação que se repetiu inúmeras vezes no primeiro tempo. Nas bolas paradas, o nosso baixinho Luis André ficava na marcação do gigante Willian, enquanto os zagueiros marcavam os beques do Iraty, deixando essa bomba de cuidar do grandalhão para o nosso volante. Demos sorte que o latagão se machucou e deixou o jogo no intervalo. O gol deles só não saiu por sorte nossa, pois esse cara, sozinho, entre a marca do pênalti e a linha da pequena área, chutou uma bola para fora.
A partir da metade do primeiro tempo passamos a controlar ('dominar' seria um termo exagerado) o jogo, sofríamos pequenos riscos em chutes mais longos e/ou bolas paradas, mas nada assustador e começamos a chegar à frente. O Iraty tentava o contra-ataque na base do chutões, que foram bem neutralizados por Souza e Fernando.
Num escanteio para tricolor, tivemos três chances claras de gol no mesmo lance: primeiro com Souza chutando errado e a bola encontrado a trave; no rebote Marcelo Silva arrematou bem, para grande defesa do arqueiro do time azul; no segundo rebote, outra difícil defesa em lindo chute de Tesser, de fora da área. Filmei mais ou menos essa jogada, desculpem a tremedeira - achei que ia sair o gol, porra! Aqui está o link para ver o lance, na página JECMANIA no Youtube.
No finalzinho da primeira etapa, mais um disparo do Marcelo Silva para ótima defesa de Valter - esse o nome do guarda-metas.
Na segunda etapa, cheguei a pensar  que nosso time sairia de Iraty apenas com o empate.  A temperatura beirava os 30 graus, ventava (as reposições de bola do Fabiano eram todas erradas, acho que por causa do vento), o 3-5-2 do Iraty dificultava nossas jogadas pelo meio. 
Marcelo Silva não estava inspirado, e tive a impressão de que ele jogou um pouco recuado e de costas para a marcação, mais ao lado do Marcelinho do que acompanhando o Eder - que a despeito de ter sofrido o importantíssimo pênalti aos 44' do 2ºT não fez grande partida, perdeu pelo menos um gol fácil. Já tem nego da torcida (perdendo a paciência com ele).

O PROFESSOR MOSTRA SERVIÇO:
O jogo corria nesse chove e não molha. Aí o técnico Leandro Machadopela primeira vez dês que chegou ao Tricolor, realmente mostrou serviço. Tirou Marcelo Silva e colocou Pantico, que mesmo sem ritmo - 15 dias parado - mudou o jogo. Clareava as jogadas, invertia bolas, sofreu um pênalti não marcado- veja o vídeo (a qualidade dos vídeos não é muito boa, mas estão aí; para ver melhor escolha a resolução 480) - , enfim, deu um toque de qualidade ao nosso jogo que não vínhamos tendo.
Fez outra boa substituição e contou com um pouco de sorte, que tem de acompanhar os vencedores. Colocou um jogador que a princípio, à distância, achei ser o Jocinei/Rodeio - estava sem meu rádio - e que depois descobri ser o Neném. Ele entrou no lugar do Marcelinho, correu pela lateral e tocou a bola pro Tesser; a jogada se desenhou pela direita e logo sobrou pra ele dentro da área que se livrou do marcador e fuzilou, abrindo o placar aos 28'. Veja o vídeo clicando aqui.
Quando o jogo se encaminhava pro final com uma vitória simples, uma jogada pela esquerda, que se bem me lembro envolveu Eduardo, Pantico, Ricardinho e Eder, resultou no pênalti sofrido por este e convertido com precisão por Ricardinho. Dois a zero e classificação no bolso -  minha câmera pifou, não consegui registrar.
Além dos dois gols, tivemos pelo menos mais 4 chances claras de gol, contra uma, no máximo duas, do Iraty. Vitória merecidíssima.

O PÓS-JOGO NA IMPRENSA DE IRATY:
Já no carro, ouvindo a rádio lá de Iraty, o desânimo da torcida e do time da casa era enorme. Ninguém - radialistas, dirigentes, jogadores ou técnico - acredita na reversão do resultado. Só desejam vir aqui e fazer um bom papel.
Mencionaram que a invencibilidade do Iraty em casa era enganadora, pois várias vezes se salvaram nos últimos minutos, além de dizerem que há uma crise por algum motivo que os radialistas preferiram não deixar claro para os ouvintes. Os dirigentes, perguntados, também preferiram calar. Afirmaram que a grana anda muito curta, até para fazer frente às despesas de viagem.
Disseram que os três desfalques - Eydson, Leandro e Silvio fizeram muita falta, e que com esses três o time seria outro - e o será em Joinville. Que a equipe esteve abaixo do que vinha apresentando. Reclamaram que o Souza deu muita bordoada no tal de Ceará, segundo eles, o cara que deveria ter armado o jogo do time azul, e que o apitador foi conivente.
Ademais, por ser o Iraty um clube-empresa, parece que a barca daqueles jogadores que não são da base do clube e, portanto, não gerarão receita, já está pronta, o que aparentemente teria gerado insatisfação no grupo.

Dessa vez, a crise está do lado de lá. Não podemos deixar de lembrar que este ano o JEC só perdeu uma em casa, e para o Avaí - time de primeira divisão. É só NÃO RESSUSCITAR DEFUNTO - e rumo às quartas-de-final (sei que repito obssessivamente tal opinião, mas para mim se trata da "nossa" final). AVANTE, JEC!

4 comentários:

  1. Joinville - campeão brasileiro série D. Vamos vencer todo mundo daqui para a frente.

    emerson

    ResponderExcluir
  2. Tá sabendo da última? Tem boato rolando de que estão querendo trazer o Flamengo pra jogar na ARENA? É o fim da picada, não? Mais um desserviço ao futebol joinvilense seria demais.

    emerson

    ResponderExcluir
  3. Leio seu blog todos os dias. Você comenta muito bem os assuntos relacionados ao nosso Tricolor.
    Tenho a convicção de que desta vez o Jec irá subir, o time esta vibrando e tem pegada.

    Cristiano.

    ResponderExcluir
  4. Nem me importa ser campeão, Emerson. Só quero subir, o que vier é lucro. Tenho que analisar mais detidamente os times do norte, para saber se os ataques é que são fortes, ou as defesas frágeis.
    Quanto ao Flamengo, acho pouco provável. Vão querer cota e bilheteria pra eles. O que não pode é prejudicar o gramado, o JEC.

    Cristiano: obrigado por ler o blog e pelos elogios. É bom saber que acompanhas - sempre é legal ter mais leitores. Não deixe de comentar.

    Abs, Saudações Tricolores.

    ResponderExcluir