NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

11 de mai de 2010

A SELECINHA: DUNGUICES


PQP, é a maior besta do Brasil!
Passaremos de hoje até o início da Copa - ou pelo menos até o terceiro jogo, duvido que até o sétimo - ouvindo as palavras "comprometimento", "coerência", etc, etc., que fazem parte do minúsculo vocabulário Dunguiano.
Nos poucos minutos em que ouvi sua coletiva pós-convocação - meu fígado supurou de raiva e desliguei - essas palavras foram vociferadas à exaustão, além de uns "com nós" que fizeram meus ouvidos doerem.
Só posso concluir que Dunga está comprometido com Josué, Gilberto Silva (reserva), Júlio Batista (reserva), o filho de Kleber - Kleberson (reserva do Mengo), Robinho (até outro dia reserva do Manchester City), Gilberto (andava encostado no Tottenham até voltar ao Cruzeiro), Felipe Mello em má fase além de outros botinudos de mesma estirpe.
Essa coerência, esse modo insistente de ser, não caiu por terra na final da Copa das Confederações por puro aborto, eis que tomamos dois gols da "forte" seleção americana e depois viramos com gols de Luis Fabiano e por fim Lúcio. Se fosse um time de verdade, como a Itália, Inglaterra, Alemanha, já era - não virava nem a pau. Basta lembrar da final de 1998, em que a França meteu três a zero (por que não viraram quando estava dois a zero?) num time em que essa besta do Dunga era titular do meio campo.
Enfim, uma boa defesa, um ataque razoável, mas um meio de campo absolutamente burocrático, em que o único que cria alguma coisa (na corrida, em contra-ataques, não se espere que ele pense o jogo, cadencie, dê ritmo) é o Kaká, parecem formar uma equipe fadada ao fracasso.
Não reconhecer o momento esplendoroso por que passam Ganso e Neymar, para ficar nos exemplos mais óbvios não é coerência, é compromisso com o erro, é burrice. Se o pastor Kaká, o Renascido, zicar, quem é que vai comandar a meiuca?
Cito três frases inspiradas sobre a coerência:
"A coerência é a virtude dos imbecis" - Oscar Wilde
"Ser coerente significa ser tão ignorante hoje como há um ano atrás" Bernard Berenson.
"Coerente: um sujeito que nunca teve outra ideia" Millor Fernandes.
Dessa forma, como a seleção não é a pátria em chuteiras porra nenhuma (eu torço muito mais para o JEC, dia após dia, semana após semana, do que para a seleção em amistosos esparsos ou competições a cada quatro anos), e se perdermos ou ganharmos a Copa o Brasil nem piora nem melhora, penso sinceramente em torcer contra essa seleção que parece muito mais uma convocação da Alemanha do que um chamado do escrete canarinho.
Estamos à beira do abismo. Um passo à frente, por favor.
Pra frente Brasil!

Nenhum comentário:

Postar um comentário