NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

14 de dez de 2009

PERIGO!!! ARENA SOB AMEAÇA


No jornal "A Notícia" de ontem - 13.12.2009 - consta que a Arena pode ser interditada. Aparentemente o risco existe, mas pode ser contornado.
Primeiro é de se dizer que de todos os estádios de Santa Catarina, verdadeiramente só há quatro em condições para que os torcedores possam assistir aos jogos com segurança: o Heriberto Hülse, a Ressacada, o Scarpelli, e é claro, a Arena. Se interditar a Arena, tem que interditar o Augusto Bauer, o Hercílio Luz, o João Marcatto, o Índio Condá, etc. Vamos ser razoáveis!


Isso, contudo, não impede de ver que a nossa Arena tem, sim, problemas bastante relevantes. Segundo o jornal, e de acordo com inquérito civil presidido pelo Ministério Público de Santa Catarina, há problemas quanto a: a) construção dos banheiros do segundo anel (nem segundo anel é, só uma extensão para cima das arquibancadas); b) instalações elétricas; c) vestiário interditado; d) proteção na parte superior das arquibancadas, para evitar que alguém caia lá de cima -aí sim vai dar m...; e) fácil acesso ao campo - fechamento da rampa; f) infiltração e vazamento nas juntas e lajes; g) piso dos bancos de reservas cedendo; h) cerca e portão do estacionamento; i) falta de equipamentos para prevenir e combater incêndios, j) rede sobre o fosso, e outros problemas menores que deixo de mencionar. Pra acertar tudo seriam necessários R$500.000,00. É muito problema e muito dinheiro pra um Estádio tão novo, inaugurado em setembro de 2004.
Tirando um ou outro questionamento que em verdade nem problema chega a ser - rede no fosso é absolutamente desnecessário, há muitas coisas sérias a serem feitas pra se perder tempo com bobagens. Apontem-me um estádio que o fosso tenha rede! Tem rede no fosso do Maracanã? Tem rede no Beira-Rio?
As infiltrações e vazamentos de água decorrentes das chuvas parecem ser o mais grave. A impermeabilização não pode mais esperar. Além de causarem a deterioração da estrutura de concreto e dos ferros que dão solidez à essa estrutura - quando ocorrer tragédia como a da Fonte Nova vão dizer que o estádio mereceu a manutenção adequada - causam a formação de um limo que deixa as áreas de circulação (e as próprias arquibancadas, que aparentemente nunca são lavadas) parecendo pista de patinação no gelo, de tão lisas que ficam. Quando um infeliz, um idoso, uma criança escorregarem e sofrerem um grave acidente o responsável será o Município de Joinville e, logo, nós, contribuintes, ajudaremos a pagar o prejuízo.
Quando o prefeito diz que "Tenho que pensar em prioridades. A Arena não é" (p. 31, A Notícia, 13.12.2009), parece se esquecer que ano que vem, semanalmente, pelo menos 5000 pessoas (se o time estiver bem, aumente-se o número para 10.000) irão à Arena a cada final de semana, seja no Catarinense, seja na Série D, em busca de lazer, um dos direitos de cada munícipe. Se houver alguma tragédia, essa frase do prefeito há de ser lembrada para todo o sempre. Não quero agourar, mas não precisamos de uma tristeza como a da Fonte Nova, em Salvador.
O nosso tricolor tentou ser o responsável pela administração do Estádio. Disseram que o JEC não conseguiria arcar com os custos de manutenção do Estádio. Pelo jeito, nem a Prefeitura.
Ademais, é uma pena que qualquer discussão política em Joinville vire um FlaXFlu ideológico, e que as coisas não possam ser feitas racionalmente, para o bem do JEC, principalmente, e depois para o bem de toda nossa cidade. Disseram que era ilegal a cessão. Não sei, não estudei a matéria, mas o Engenhão, no Rio, um estádio público, não foi cedido ao Botafogo? Qual a diferença?
E digo mais - se não fosse o JEC, pra que a Arena? Tirando uma ou outra secretaria municipal, aquele estádio só existe pelo e para o JEC (fora alguma pelada de fim de ano, ou jogos finais da primeirona, a contragosto dos times que disputam a final, que preferem jogos nos seus estádios pra vender cerveja e arranjar algum dinheiro).
Ademais, a Arena é PATRIMÔNIO PÚBLICO (foram investidos mais de 30 milhões de reais de dinheiro do povão - 24 milhões em 2004, sem correção monetária, e mais 7 milhões na ampliação), e portanto, como bem público, de todos nós, deve ser cuidado. Se deixar às moscas, se deixar deteriorar, o responsável pelo prejuízo deve ser responsabilizado.
Cuidem da Arena e por conseqüência, do bem estar de quem a freqüenta. Avante, JEC!

Nenhum comentário:

Postar um comentário