NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

28 de jun de 2011

PRA MIM, A SELEÇÃO JOGA NO SÁBADO (E NA ARENA).

Não me venham dizer que a seleção joga no domingo. A nossa seleção joga no sábado, contra o Brusque, pela final da Copinha, e não contra a Venezuela, no domingo, pela Copa América, até porque seleção mesmo era essa aí ao lado (tirando Valdir Peres e Serginho).
Não nego que há um grande prazer em ver não a seleção brasileira, mas jogadores como Ganso e Neymar jogarem bola, mas o meu grande prazer futebolístico é acompanhar o Tricolor da manchester catarinense. Nem que os jogo fossem no mesmo horário eu deixaria de me acomodar no meu cantinho lá nas descoloridas arquibancadas da Arena.
Até posso fazer, como fiz durante a Copa do Mundo (lá de forma bastante extensa) algumas considerações sobre a disputa sulamericana aqui no blog, mas nada que deixe o JEC de lado.

Vencer a Copinha é muito mais o cumprimento de uma obrigação do que a conquista de um título. Nosso time é melhor, nosso orçamento maior, as responsabilidades de nosso clube mais graves que a da turma que cria marreco.

São alguns os fatores que agora nos obrigam à conquista:
 1. Deixou chegar, agora agüenta: fizemos um primeiro turno horroroso e um bom segundo turno. Esperemos ainda mais crescimento nesses dois jogos finais.
 2. Estamos na preparação para a série C, cada jogo é importante, e temos mais duas partidas para ver se o time vai engrenando. Sempre é tempo de arrumar alguma coisa, corrigir posicionamento, melhorar, enfim.
 3. É importante formar um time com mentalidade vencedora: já perdemos algumas copinhas para o Brusque, e dentro da Arena. Já é tempo de vencer jogos decisivos em casa, e se precisarmos, buscarmos resultados fora. Esse time de comportamento não assustadiço anda em falta no JEC, pelo menos em jogos decisivos.
4. O JEC é o JEC, o Brusque é o Brusque. E isso basta. SOMOS FAVORITOS.

Se (eu nem deveria usar o condicional, mas faço a concessão aos fatos recentes) vencermos a Copinha, espero que o Arturzinho ou o capitão do time se dirijam até a torcida que estiver lá em Brusque, levantem e mostrem a taça para a galera, a ponham embaixo do braço e voltem imediatamente para Joinville e a depositem na (inexistente) sala de troféus, sem volta olímpica (até porque no acanhado Augusto Bauer seria um caminhada olímpica), sem comemoração, sem nada, porque não nos esqueçamos que essa foi APENAS a NOSSA PREPARAÇÃO para a SÉRIE C, que agora, realmente, se aproxima, e onde depositamos, tal qual Dickens, Grandes Esperanças no ressurgimento que torcemos seja definitivo no Joinville Esporte Clube. É na Série C que se definirá o futuro do JEC, e não nos próximos dois finais de semana.
Não quero ouvir nego arrotando, dizendo que provaram para a imprensa ou para a torcida ou para qualquer crítico alguma coisa qualquer. Só vou aceitar desabafo quando estivermos classificados para a Série B.

Vamos aguardar o julgamento do Lima, hoje à tarde. Se jogar, melhor (nem comentei apropriadamente, mas o nosso avante já empatou com o Zé Carlos Paulista como segundo maior artilheiro da história Tricolor); se não jogar, o Arturzinho vai ter de mostrar serviço até para esboçar um time para a eventualidade (cartões, contusão) de não contar com nosso melhor jogador em alguma partida da Terceirona.

Ah, e Dácio, finalmente acabaram minhas férias. Estou de volta, e prevejo dias ainda melhores para o blog, agora que nos aproximamos da Série C, onde tenho certeza que assunto não vai faltar para o blogueiro e nem para os estimados comentaristas deste espaço. AVANTE, JEC. SÁBADO, TODOS À ARENA.

Ficha técnica: Metropolitano 0 x 0 Joinville, Gigante do Vale, Indaial , 26/06/2011.

Joinville: Ivan; Renato Santos, Linno e Pedro Paulo; Eduardo, Mateus, Ricardinho (Enio), Ramon (Jaílton) e Gilton (Jocinei); Lima e Ronaldo Capixaba. T: Arturzinho.
Metropolitano: Dalton (Flávio); Marcus Vinícius, Elton e Leonardo; Johnny (Danilo), Alex Albert, Andrei, Edimar e Márcio Goiano (Jonatas); Selmir e Rafael Costa. T: Lio Evaristo.

33 comentários:

  1. O jequeano!!!!Série C..rsss...Esta desculpado as férias te deixaram um pouco lento...Abraço RAFAEL

    ResponderExcluir
  2. Tens razão, depois corrijo, agora vou sair e se fores ao grego, estou lá às 17h30.

    ResponderExcluir
  3. Sandrão - JOINVILLE28 de junho de 2011 16:59

    Preparem-se... o jogo de sábado vai ser horrível de se assistir.

    Os marrecos jogando por 2 empates, virão aqui só se defendendo e dando botinadas.

    Mas venceremos sim... e temos que vencer BEM!!!!!

    Se o JEC tirar desse jogo um bom resultado, vou lá pra Brusque assistir à final.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. É isso ae Jequeano, vamos nos concentrar no nosso JEC e na Serie C, o resto meu amigo, fica de lado, eu comentei la no site do FM que pra mim o Bruxxxqui pode ganhar 30 vezes essa copinha que nao me importo, o que quero é ver meu JEC na serie B, e daki alguns anos na serie A, estruturado, focado, arrumado.
    No mais, Até que enfim blog ativo, hehehehe, Sds Tricolores!!!

    ResponderExcluir
  5. lembrando que a humildade tem que estar acima de tudo.
    Desconciderar a copa Santa Catarina eu acho que seria um erro, afinal a aguns tempos atraz esse misero titulo veio como uma final de libertadores, e se não fosse a cagada do américa e o bendito tapetão. A final desse ano seria como a de um mundial para nóz.

    ResponderExcluir
  6. Sandrão - JOINVILLE29 de junho de 2011 08:19

    Claro que tem que ter humildade. Só que faltava nossa torcida ficar parecendo a dos azul calcinha, comendo sardinha e arrotando caviar.. rsrs

    Mas esse é o ano do JEC subir pra B. Tem que dar certo! Chega de urucubaca!!!!

    E depois na B, é estruturar o clube por no mínimo uns 3 anos antes de arriscar uma subida para a série A. Não adianta bater lá e descer novamente.

    Voltaremos a ver o nosso JEC grande novamente, mas isso, só depois da Copa do Mundo. Tenhamos calma... um passinho de cada vez!

    Ao infinito e além JEC !!!! hahahaha

    ResponderExcluir
  7. Sandrão - JOINVILLE29 de junho de 2011 08:22

    Jequeano..
    Fazendo uma consideração sobre o texto do post... aliás o nosso atacante Lima joga mais do que jogava o tal serginho chulapa na época!! Ou seja, Lima é seleção!!! hahahahahaha

    ResponderExcluir
  8. Nosso atual elenco hoje, é o Limatador e mais 10. Aguardemos para ver se esse Eraldo mantém no Tricolor a fama de artilheiro, e possa substituir o Lima em alguma partida.
    Todos os caminhos levam a arena no sabádo.
    Vou levar a patroa e minha filha, com a camisa nova infantil do tricolor.
    Saudações Tricolores!

    ResponderExcluir
  9. Mario L. Nascimento29 de junho de 2011 14:04

    Comentário perfeito, Jequeano. Ganhar a copinha (treino) é obrigação. Deveria ser sem tropeços (justificaria a omissão do "SE"), mas já que chegou, que agora supere as finais com personalidade e competência.

    Acho que, além da irritante falta de deslocamentos de jogadores para receber a bola, personalidade é o que falta ao JEC. Acho que ela ficou no Ernestão, pois desde a mudança para o novo endereço emprestado o time alterna bons e maus momentos. Ganha de 4 do Avaí e empata com o Concórdia. Bons tempos em que metia medo em todos os adversários domésticos e encarava os grandes do Brasil de igual para igual.

    Tomara que o Arturzinho seja "o cara" para resgatar a autoestima do time, para que volte a jogar de cabeça erguida.

    ResponderExcluir
  10. Mario L. Nascimento29 de junho de 2011 14:11

    Sandrão e Cristiano

    é isso aí. Lima e mais dez. Foi legal vê-lo entregar a bola para o Ramon cobrar o pênalti contra o Marcílio.

    É mais um bom sinal. Parece que o aglomerado de jogadores está se tornando um grupo. Agora só falta esse grupo se tornar um time e jogar bem por uma boa sequencia de jogos. Que seja assim na série C. Chega de "uma no cravo outra na ferradura"!

    ResponderExcluir
  11. Mario L. Nascimento29 de junho de 2011 14:21

    Humildade é um componente importante, Leonardo. Muita autoconfiança, mas sempre com humildade.

    Sobre isso, Sandrão, a lembrança do time da (c)elite é interessante. Chegaram à série A com um bom time e um trabalho que parecia consistente. Arrogantes como só eles sabem ser, estão experimentando o resultado dessa arrogância com uma das piores campanhas da história do brasileirão. Mandaram o homem sem sobrenome passear, ele montou o time do Coritiba (que ainda está tropeçando, depois da derrota na final da Copa do Brasil) e os azuis da Ressaqueda vão ter que ralar muito se não quiserem cair. O que já deveria ter acontecido no ano passado. Aliás, outro dia li que isso só não aconteceu porque o Santos, sem interesse no campeonato, entregou o jogo em troca de o Avaí ficar com o mala do Marquinhos, pagando seu salário.

    Este deve ser um incentivo a mais para o JEC: encontrar esse time de arrogantes na série B de 2012. Vai ser uma delícia.

    ResponderExcluir
  12. Mario L. Nascimento29 de junho de 2011 14:37

    Volto à arrogância azul (c)elite.

    Comprei o Almanaque do Futebol Catarinense. Parabéns aos autores. É um livro muito bom, leitura obrigatória para quem gosta de futebol. Mesmo sendo um pouco carregado para os times de Fpolis - menos de 40% dos títulos estaduais, a maioria concentrada até 1940, quando todos os títulos eram disputados por lá.

    O interessante sobre o Avaí é que essa arrogância não é de agora. Desde sempre, o clube (equiparado pela torcida e pela diretoria ao Barcelona) não perde para ninguém. Só perde para si mesmo. Nunca o adversário é melhor. Se o Avaí perdeu é porque jogou mal. Ou o adversário levou sorte.

    Antes da final do estadual de 1940 A Gazeta, de Fpolis, dava como favas contadas o título para o Avaí, que não ganhava o estadual desde 1928, apesar do deslavado favorecimento aos clubes da capital. Depois da vitória do Ypiranga (gol de Bujão, Luiz Santana, ainda vivo) o jornal lamentou a derrota "em um jogo em que o Avaí demonstrou maior eficiência técnica e maior combatividade e ardor", e creditou a conquista adversária à sorte.

    Como se pode ver, nenhuma novidade...

    ResponderExcluir
  13. Bom galera, sobre o time das cinderelas de floripa, pra mim especialmente é sempre bom ganhar delas, ficam todas ouriçadas, e convenhamos times com orçamento reduzido na Serie A nao dá em nada, pode começar bem, mas no final fica na intermediária ou bem abaixo na tabela.
    Por isso que acho que todos concordamos que o nosso JEC antes de querer almejar a serie A tem que estar profissionalizado, estruturado, todas as areas do clube em prol de um objetivo.
    Porque nao adianta olhar só pra base e ver "se" existe algum valor, um time ser formado com garotos que se conhecem tendo a ajuda de jogadores mais experientes faz uma diferença danada(vide santos).
    Entao, pé no chão, olhos no futuro e num todo objetividade.

    Reforçando o coro, Ei Avaibis vai tomate cru, tax tolo rapaxxx.

    No mais, Serie C vem ae, ole,ole,ola, Sds Tricolores

    ResponderExcluir
  14. Essa seleção da Capa de 82 era para o Leão ser no gol e o centroavante era pra ser o Careca ou Reinaldo. Os dois estavam machucados. Isso sem contar que o Moreno - um dos melhores centroavantes que vi no JEC e veio como meia - estava na lista dos 40 pré-convocados pelo Telê. Mas que afundou o Brasil nessa Copa foi o Cerezo e o Junior. Quando vejo aqueles gols contra a Itália me dá uma tristeza. E cá entre nós, o Brasil nunca mais jogou como Brasil. Não admito perder para a França (2006) e Holanda (2010) do jeito que foi. Aquilo ali não Brasil. Futebol Canarinho acabou na década de 80. Brasil tem de jogar pra frente, po***! Dane-se o futebol moderno... Eles têm de nos copiar e não nós.

    Em relação ao JEC que é o que interessa, o Tricolor é o favorito pela história, mas hoje o futebol tá muito igual e, sinceramente, achei o time do Brusquem arrumado, mesmo perdendo de 4 a 1.

    Eu acho que o JEC tem um bom elenco para a Série C, só precisa colocar em prática. Pelo que vi, meu time é Ivan; Eduardo, Renato Santos, Linno e Tarracha; Zanutto, Mateus, Ricardinho e Ramon; Jaílton e Lima;

    ResponderExcluir
  15. No SouJEC tem um post legal sobre a sacanagem de 96. Confiram lá.

    ResponderExcluir
  16. Leonardo, não prego falta de humildade, prego o respeito pela nossa história, de time vencedor, que não pode encarar o brusque de igual pra igual, mas de time grande (mais ou menos) para time pequeno.
    Se há uns anos a Copinha parecia a copa do mundo, hoje ela não é mais, e não pode ser mais do que isso. Ganhar ou não ganhar não tem importância. O que eu quis dizer é que se ganharmos, não teremos feito nada de especial (até porque nem vaga para a Copa do Brasil ela vale). O especial para o JEC, agora, é subir para a série B.

    Maneca, com certeza com Reinaldo ou Carecone o time seria outro. Esses dias na ESPN vi o jogo Br2xItália3. Que jogaço, apesar da derrota. Nesse dia, realmente o Júnior e o Cerezo foram mal. E essa do grande Moreno eu não sabia.

    Mário, essa oscilação bipolar do nosso time é que é foda. Como bem disseste, dá um chocolate no avaí e pena contra o Concórdia. Parece que o Arturzinho começa a dar padrão ao time. Temos sofrido poucos gols, o que já é um começo.

    Cristiano, vamos ver esse Eraldo, e tem esse meia que vem mas não vem, que estava no Cianorte. Alguém conhece?

    Sandro, para piorar, o jogo de sábado deve ser contra um time retrancado, com frio e chuva, e esses jogos costumam dar uma preguiça danada no time - em qualquer time.

    Ab, ST

    ResponderExcluir
  17. Emerson, eu tava lá nesse dia, invadi o campo, e de repente, com todo mundo no gramado, veio a notícia de que o gol não foi validado. Foi de fudê. Mas o pior, pra mim, foi o medroso do Florêncio não botar nosso time (que era muito melhor) pra jogar lá em Chapecó. Quando entramos em campo, seis meses depois, nosso time era um arremedo daquele que jogaria o jogo do foguetório, e aí, é óbvio, perdemos. Para mim, culpa do Florêncio. Uma hora em que eu encontrar um dos jogadores daquela época vou conversar com ele e perguntar se não dava mesmo pra jogar. Esse episódio me deixa puto até hoje.
    Ab, ST

    ResponderExcluir
  18. Pois é, esse meia do Cianorte parece ser "o cara". Seria uma boa... uma ótima... contratação para a série C. Vamos ver no que dá.

    ResponderExcluir
  19. Sandrão - JOINVILLE29 de junho de 2011 17:35

    Felipe Pinto é o nome do cara!!

    ResponderExcluir
  20. Florencio? foguetorio de 96 ? Felipe Pinto? nossa senhora, só fantasmas nos comentarios de vcs aqui hoje; Abraços
    Fabricio Chapeco

    ResponderExcluir
  21. Tem gente do oeste ai é. o time de voces ganhou o catarinense desse ano, mas pra chegar aos pés de joinville, Avai, Figueirense, e Crisciuma tem que pedalar muito ainda.
    vamos ver o que vai dar sabado, eu acho que o jec vai atropelar o brusque. Chega sábado quero ver se a era arturzinho vai realmente fazer a diferença.

    ResponderExcluir
  22. Mario L. Nascimento29 de junho de 2011 18:57

    Acho que a atitude do Florêncio de não jogar depois do foguetório foi sensata, do ponto de vista esportivo. O que não podia era deixar passar tanto tempo para que o jogo fosse marcado. Nem manter o mando de campo para a indiada. Foi isso que lhes deu o título. Triste o clube de várzea que depende dessas artimanhas para ganhar um título...

    Cito duas entre as entrevistas a que assisti na época. Uma do Dalmo Bozzano, em que dizia que não havia conseguido dormir em virtude dos foguetes, cujo barulho se estendeu por toda a noite. Sua Senhoria deu outra versão no julgamento, dizendo que tinha ouvido algum barulho, mas que dormiu normalmente. Que intenção teria o comedor de polenta com essa mudança?

    A outra foi do Itá. Essa revelou sem nenhuma dúvida que a armação partiu do clube. O JEC tinha reservado hotel em uma cidade próxima. Só na última hora é que foi para um hotel muito próximo de onde estava o time verde do oeste. Na entrevista o capitão do time revelou que a delegação "mudou-se" para um local longe do centro da cidade antes de começarem os fogos. Teve a cara de pau de dizer que a diretoria "imaginou" que pudesse haver confusão e resolveu trocar de acomodações. Mais na cara que o nariz de que a armação foi feita pelo clube.

    Houvesse isenção por parte da FCF, deveria ter sido marcado de imediato outro jogo, em local neutro e sem torcida. Mas todos nós sabemos como são as decisões no reino do rei charuto.

    ResponderExcluir
  23. Mario L. Nascimento29 de junho de 2011 19:01

    Antes que eu me esqueça, e já que o pessoal do oeste se apresentou, estão de parabéns pela brilhante conquista do Campeonato Catarinense de 2011, desta vez com inteira justiça. Como já havia sido em 2007.

    ResponderExcluir
  24. Sobre a decisão de 96, extraio do livro do Dalmo Bozzano os seguintes trechos:

    BOZZANO, Dalmo. Dalmo Bozzano: árbitro ou arbitrário.
    Florianópolis: [S.n.], 2007. Páginas 67-69 e 149-150

    “Joinville e Chapecoense foram as duas equipes mais qualificadas no Campeonato Catarinense e chegaram à final.

    Num jogo em Joinville, semifinal, a Federação escalou um árbitro FIFA (João Paulo Araújo) para apitar uma partida que não terminou muito bem.

    Confusão após a anulação de um gol, acusações das mais diversas fizeram com que os dirigentes das duas equipes colocassem todo mundo sob suspeita.

    Na semana da decisão, a Federação conversou com vários juízes, inclusive de outros países para apitar a decisão. Ângelo Margute dirigente da Associação de Clubes acabara de se reunir com Wilson Florêncio presidente do Joinville Esporte Clube e Nilo Traesel presidente da Associação Chapecoense de Futebol, e ficou decidido que as duas equipes só entrariam em campo se eu [Dalmo Bozzano] fosse o juiz, mesmo contra a vontade do presidente da F.C.F.

    Margute ligou para mim e falou que no máximo dentro de trinta minutos Delfim me ligaria.

    Passados poucos minutos o telefone tocou e o presidente me convocou para uma reunião na Sede da F.C.F.

    Na sala estavam o vice-presidente da C.B.F. para a região sul e dois outros diretores da F.C.F.

    O presidente falou: “A decisão está tumultuada e vou mostrar a todo mundo quem manda no futebol catarinense, você vai ser o juiz e “fulano” e “beltrano” serão os bandeirinhas, os dois de minha inteira confiança”.

    Esperei não mais que um minuto, levantei e com firmeza disse:

    Presidente, esses dois de sua confiança o senhor coloca no seu gabinete, se eu for o juiz quero o Cantucho João Setúbal e Wairan da Silva Rosa como meus bandeirinhas e José Patrício Matos como Juiz reserva.

    Silêncio na sala, argumentos diversos, pressão, mas não me intimei, deixei a sala dizendo que não me escalassem se não fosse essa equipe.

    A escala foi divulgada do jeito que eu quis, o jogo aconteceu e eu fui o melhor em campo eleito pela RBS com direito a ganhar um traje completo oferecido pela loja Makenji.

    No segundo jogo a mesma equipe foi escalada, só que o jogo não ocorreu pois o Joinville não compareceu ao campo devido a torcedores terem soltado foguetes durante toda a noite nas imediações do Hotel Bertazo em Chapecó, onde a equipe do Joinville estava hospedada.

    Alguns meses depois o jogo foi realizado, desta vez, o juiz escalado não fui eu.”

    Páginas 67-9.

    O trecho seguinte é sobre uma carta entregue ao Ministro dos Esportes na CPI da CBF/Nike:

    Em carta ao Ministro dos Esportes, o Sr. Osni Aguiar entre outras coisas denuncia:
    A)
    B)
    C) O presidente do Joinville E.C., sabe como perdeu o título de 1996 para a Chapecoense. O dinheiro falou mais alto. O presidente do Joinville pode ser ouvido porque sabe o que Dr. Delfim ganhou da Chapecoense.
    Página 149-50.

    O senhor Osni Aguiar é um ex-chefe dos fiscais da FCF. Demitido pelo Delfim depois das suas denúncias. Mais sobre a CPI em http://www.alesc.sc.gov.br/portal/imprensa/leitor_noticia.php?codigo=669

    ResponderExcluir
  25. E quando lembro daquele jogo fico angustiado até hoje. Tenho pra mim que aquela bola no escanteio não saiu. Quero um tira-teima com a tecnologia de hoje pra me mostrar que saiu. Digo isso porque a imagem que a tv mostra tem uma câmera angulada por trás da trave. Aquela imagem só poderia confirmar que a bola saiu se estivesse na mesma linha das duas traves. Além do mais, que baita palhaçada a anulação né. Explico meus motivos. Vejamos: o bandeirinha assinala que a bola passa por fora. Mas o juiz desconsidera, deixa o jogo correr. Há um bate rebate até que o gol de cabeça sai. Só depois que o gol sai, ele resolve anular?! Peraí né, ou parasse a jogada de uma vez, na hora que o bandeira apontou a saída de bola, ou deixasse correr. Anular depois de um bate rebate não dá. É que nem querer anular um gol porque momentos antes, bem antes, houve uma falta não marcada.

    ResponderExcluir
  26. Sandrão - JOINVILLE30 de junho de 2011 11:12

    Já que citamos aqui nos comentários desse post sobre o time da (C)elite... rsrs... viram só como os caras são destemidos?

    Ontem a noite, em uma única rodada, conseguiram uma recuperação de 100% no campeonato brasileiro...

    Passaram de 1 ponto, para 2 pontos!!!

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  27. O time do JEC no Catarinense de 1996 foi um dos melhores que vi jogar e cresceu na hora certa. Luizinho Neto, rápido e preciso nos cruzamentos; Jairo Santos, zagueiro técnico que sempre deixava sua marca em gols de falta; Veiga, volante seguro que saia bem pro jogo; Alcinei, um maestro no meio-campo; Geovani e Fabinho, atacantes rápidos e de passes precisos para o grande Marcos Paulo (Agulha) marcar os gols; Silvio, Bandoch, Benson e Gilmar Nass completavam o ótimo time na época.

    Jequeano, eu também não me conformo com essa história. Se entrasse em campo no dia do foguetório, teríamos mais chances de levantar a taça. Repito: O JEC estava crescendo na hora certa e a Chapecoense caindo de rendimento. O time bom deles era o de 1995 que perdeu para o Tigre por causa desse regulamente bizarro da FCF de não valer o saldo de gols. Eles ganharam do Criciúma em Chapecó pelo placar de 4 a 1. No Heriberto Hulse, foi 1 a 0 para o Porcelanato Eliane, e na prorrogação, houve empate.

    Voltando à decisão de 1996, lembro de uma imagem assustadora na TV, o Bandoch no hotel bocejando com a maior cara de sono e olhão vermelho. Haha Pô, era só injetar anfetamina nesses jogadores que estariam até hoje correndo. Haha Igual fez o Paraná quando venceu o JEC por 4 a 0, no Ernestão. Tempo bom deles. o Saulo tava cherado, só pode. Ele e o time inteiro do Paraná correram muito. Nunca tinha visto nada igual.

    Novamente voltando à decisão... Com tanta gente boa envolvida, o melhor em campo foi o Dalmo Bozzano? Pô, árbitro bom é aquele que não aparece. E ainda ganhou um kit da Makenji? Haha RBS TV é uma piada mesmo!

    Só mais uma coisa, Lucio bandido dentro e fora de campo. Dentro dando bicos para fora do Ernestão e quebrando a perna do Giovanni (veja na foto do SouJEC). Fora de campo foi preso alguns anos depois: http://www1.an.com.br/2004/out/16/0pol.htm

    ResponderExcluir
  28. A Chapecoense no campeonato de 1996, jogou com praticamente os reservas de 1995, com a paralisação do campeonato e a quebra do principal patrocinador, perdemos a maioria dos jogadores, ate o treinador foi embora, a decisao, foi uma mescla de alguns titulares com reservas e ate juniores, apesar de ter ganho e aquele gol no final do segundo tempo estar entalado na garganta a quase seis meses, aquela final perdeu totalmente o brilho após o tempo parado; Esta é mais uma polemica que vai ficar pra sempre na historia dos dois times e do futebol catarinense;abs
    Fabricio Chapeco

    ResponderExcluir
  29. Maneca, o Alcinei é um grande injustiçado na história do JEC. Quando o time era ruim, por anos ele carregou o time nas costas. Pena que não ganhamos aquele título.

    Fabrício, torces para a Chapecoense? Seja bem vindo por aqui, pois a discordância, torcer para outro time, nada disso impede o diálogo. Só nos jogos contra a Chape já peço que releve os apelidos que dou para o time do oeste, pois o humor também faz parte (ou pelo menos faço a tentativa) deste blog. E que o JEC vença a Chape lá e cá.

    Sandro, que golzinho gostoso esse do grêmio, aos 48, fodendo com a vitória q uase certa do avaíbis.
    Ab, ST

    ResponderExcluir
  30. Torço sim pra Chape, mas gosto muito de acompanhar este blog,pois vejo que os problemas dai sao praticamente os mesmos daqui; tambem odeio o Avai e mesmo nao sendo gremista torci como nunca pro Gremio virar contra o Avai mas aquele time do Gremio é uma baba, espero que os times do sul da serie C estejam no mesmo nivel da dupla grenal, aqui pelo menos Jec e Chapecoense chegaram nas cabeças e apesar de torcer contra, Figueirense e Criciuma nao tao decepcionando, provando que nosso estadual apesar da federação que temos, é forte; e vejo sem demagogia que nós e vcs aí, sao favoritos as duas vagas, porem jequeano vou ser mais modesto, vitoria nossa aqui e empate ai na arena; Felipe Pinto que vcs falaram ai, foi sorte nao terem contratado veio pra ca ano passado indicado pelo Maculia(tecnico do Caxias)pra ser o cara do meio de campo, mas só engano, talvez podia ser problema de treinador que nao dava sequencia em 10 jogos invetou num jogo era 352 no outro 442 outro 361 sem padrao algum de jogo;na partida decisiva escalou um junior de numero 10;O Caxias ta numa roubada danada;
    Abraços Fabricio

    ResponderExcluir
  31. Fabrício, seja bem-vindo ao blog de cá. Eu gostava de comentar no GoldaChape, mas agora só estão aceitando comentário do Facebook. Se eu me cadastrar no facebook, eu volto a comentar lá.

    ResponderExcluir
  32. E o Cris deixa o JEC. Boa sorte a ele na carreira.

    ResponderExcluir
  33. Sandrão - JOINVILLE30 de junho de 2011 15:22

    Notícia triste... o Chris foi (mais um!)injustiçado no JEC!!
    Que tenha se recuperado e tenha sucesso em outro clube... é um cara que merece!

    E falando em Chape... um cara que vai dar o que falar nesse brasileirão.. é o Aloísio (ex chape e agora no Figayra).

    Anotem aí... o cara ano que vem estará em time grande!!!!

    ResponderExcluir