NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

17 de jun de 2011

JEC VENCE BEM, FINALMENTE

Já foram tantos os JEC x Brusque ou JEC x Metrô desde que comecei com o blog, que dá um certo enfado em ficar comentando esses joguinhos, mas ontem (pelo menos ofensivamente) fomos bem.
Entregando o "tutu" de bandeja para o Gualicho.
Um jogo bom de se ver, uma boa noite para ir à Arena, malgrado aos três minutos nossa defesa (com três zagueiros) tenha falhado terrivelmente e deixado o Brusque abrir o placar. Não tem desculpas, embora talvez haja explicação: início de jogo, dia frio, zaga desentrosada - não havia o homem da sobra. Temos que corrigir.
Mas logo em seguida o Lima empatou, de pênalti. A partir daí o JEC tomou conta do jogo, já saiu vencendo o primeiro tempo por três a um (Gilton e Capixaba), e aos 42 do segundo tempo fechou o jogo em 4x1.
Além disso, metemos mais duas bolas na trave (Ricardinho e Jailton).
Lima e Capixaba se entenderam bem, o passe do Lima para o segundo fazer seu gol (possível impedimento) foi uma pintura. Ricardinho jogou bem (acho - e torço para isso - que terei de repensar meus conceitos se o Little Richard jogar sempre assim), e a meia-cancha com ele e Ramon também funcionou.
Uma pena que apenas 2500 torcedores foram à Arena ver a boa apresentação tricolor.
Arturzinho foi bem na entrevista, dizendo que qualquer avaliação seria prematura só por esse jogo, e que viu problemas a serem resolvidos, pois se nossos objetivos são grandiosos, temos de melhorar muito, principalmente na marcação direta e na recomposição defensiva.

Ah, e no segundo tempo o Pantico entrou no Brusque, só reclamou, levou bordoada de todo lado, e foi muito vaiado. Parece que sua presença por aqui não agradou nem à torcida nem aos ex-companheiros de time.

Por fim, são de lascar (e de envergonhar a diretoria) as declarações do dono cavalo vermelho, de que não foi sequer procurado para patrocinar o JEC, de que não tem interesse, neste momento, de patrocinar o JEC, embora "não tenha nada contra a diretoria".
Porra, tanto se reclama de falta de dinheiro no Clube, e dentro do Conselho tem um cara que tem a grana (cem "conto"), mas este prefere repassá-la ao Caxias.  Por quê? AVANTE, JEC!

Ficha técnica: Joinville 4x1 Brusque, Arena, 16.06.2011, 2459 pagantes.
Joinville: Ivan; Pedro Paulo, Enio e Renato Santos; Eduardo, Mateus, Ricardinho (Jaílton), Ramón (Thiago Real) e Gilton; Lima e Ronaldo Capixaba (Aldair). T: Arturzinho.
Brusque: Wender; João Neto, João Vitor (Tayron), Tiago Couto e Pereira; Fabinho (Pantico), Leandro Leite, Wellington Simião (Thiago Cristian) e Marcelinho; Aloísio e Leandrinho.  T: Hélio Vieira.
Gols: Lima, 5', Gilton 31' e Ronaldo Capixaba aos 37 ' do 1º T, e Lima, aos 42 do 2ºT.

28 comentários:

  1. Jequeano...
    Tenho um amigo que trabalha com dono do touro vermelho, opa cavalo vermelho rsss, e ele me disse que a empresa investia muito mais que isso no futebol amador.
    E acredito, porque segundo ele era quinhentinho para um, milzinho para outro, gasolina e assim seguia, e tudo isso por jogo da primeirona.´
    É só fazer um cálculo simples, acredito que somando comissão técnica e jogadores chegava a 24 cabeça, entao o cara gastava mais de 100 mil por temporada.
    Na minha opinião foi bom para ele esse patrocinio ao CAXIAS.
    Será que alguém sabe dizer quanto ele paga pela placa na Arena?
    Só que não se pode fazer nada, até porque o dinheiro é dele e faz o que quer, só que sem dúvida o Jec não poderia ter perdido essa, pois a Criciúma Construçoes nao paga isso.
    Com relação ao jogo de ontem, fiz um comentário no post anterior, mais acredito que ele ficará melhor aqui, por isso copiei e colei...rsss

    Jardel quando jogou no Criciúma em certa oportunidade disse:
    "Viemos aqui para ganhar, não para meter o cú dentro do gol".http://www.youtube.com/watch?v=27b_4ew0JsI&feature=related
    Confesso que o esquema montado pelo Arthur inicialmente não me agradou muito, pois pensei que o time ficasse retrancado.
    Ontem no jogo, eu, xixa e frança conversamos sobre tal esquema, talvez falte um líbero ágil nesse sistema, no entanto saímos satisfeito até porque foi a primeira vez que o time se apresentou desta forma, e com a evolução natural do time algum jogador poderá fazer muito bem essa função.
    Apesar do jogo de ontem ter sido à noite, ficou claro como a luz solar que o time evoluiu.
    Poderiamos ter feito mais, só que o goleiro do "Brussqui" fez algumas boas defesas.
    ST RAFAEL

    ResponderExcluir
  2. É, essa de patrocinar o Caxias merece explicações. O Elton Carvalho deve conversar com ele hoje, para ver a explicação. Deve sair algo na coluna amanhã.

    ResponderExcluir
  3. Sandrão - JOINVILLE17 de junho de 2011 14:29

    Também copio e colo aqui meu comentário no post anterior:

    Na coluna do Elton Carvalho no ND de hoje, sobre o caso do patrocínio do conselheiro do JEC ao Caxias:

    Vogelsanger: "Conversamos algumas vezes com ele sobre isso. Realmente, não sei qual é o interesse dele"

    Nereu: "Fica até chato falar sobre isso, mas ele nos disse que pretendia patrocinar um time de série B"

    Rainor (Red Horse): "Não é um investimento muito grande, e para o JEC, não faria diferença. E decidi ajudar o Caxias porque é um clube mais modesto. Nunca ninguém do JEC me procurou. Não tenho nada contra a diretoria, mas no momento não me interessa patrocinar o JEC", concluiu.

    Logo depois, revelou o valor do patrocínio: 4 cotas de R$ 25mil cada!!!

    Como assim não interessa ao JEC? Porra... são R$100 paus!!!!!!!!!!!!!!!

    Como assim "ninguém do JEC me procurou" ??? Acho que o ilustre observador de galvões perdeu muito tempo respondendo no site e dando notas à imprensa, e esqueceu de fazer o seu trabalho: captação de parcerias e recursos ao JEC!

    Então agora, tenho TODO O DIREITO de dar minha nota ao Fernando Mattos: ZEROOOOOOOOOOOOOOOOO

    Já achava esse Red Horse uma merda ruim demais pra se tomar... agora é que não compro de vez!!

    E fico aqui pensando... será que o empresário tem algo contra o político/gerente de marketing atual do clube?

    Pode ser uma forma de boicotar o cara.. sei lá. Esse é o problema de envolver política com futebol. Pode até não ter nada haver o que tô escrevendo... mas convenhamos que tem uma chance de fazer sentido.

    Tá muito estranho!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. A frase "No momento não me interessa patrocinar o JEC" é típica de quem está insatisfeito (creio eu) com o comando do clube. Talvez seja pirraça. Não gosta da diretoria e toma essa atitude. Essa é a única explicação. Se gozasse de uma boa relação com a dupla M-N, dificilmente patrocinaria o Gaylixo.

    Tudo isso é suposição minha, obviamente.

    ResponderExcluir
  5. Emerson...
    Seu entendimento pode até estar correto, só que pode existir outros interesses nessa parceria.
    Sopunhetemos, que ele seja dono dos direitos federativos de algum jogador do time do Caxias!!!
    Já pensou nisso?O mercado do futebol é muito lucrativo, e se alguma jogador se destacar nesse grupo, poderá ser vendido e ele faturar muito mais do que esses 100 conto.
    Ademais, o futebol amador salvo raras exceçoes consegue lançar algum atleta, até porque na grande maioria são jogadores mais velhos e ex profissionais.
    Já no futebol profissional, as coisas se tornam mais fáceis.
    Também nao sei se é esse o objetivo, mais é uma possibilidade.

    ResponderExcluir
  6. Bastidores à parte, só gostaria de falar sobre o jogo.
    Gostei da parte ofensiva, odiei a defensiva. Mas assim, pra mim o JEC não passou sufoco porque foi pra cima, e é esse o canal! Falta corrigir uma coisa ou outra ali na marcação.
    Eduardo tem que jogar lá na frente mesmo, ele como ala/ponta faz a diferença, vai pra cima, dribla, incomoda muito o adversário. Ricardinho jogou bem (queimei a língua), e até o Ronaldo Capixaba jogou bem hein (confesso que não esperava nada desse), com muita disposição no ataque.
    Como disse ao meu pai ao fim do 1o tempo, fazia TEMPOS que não se via um time com vontade e indo pra cima...
    Creio que a mágica pode acontecer. A mágica pode ser chamada de VONTADE também.
    E tenho dito.

    ResponderExcluir
  7. Jequeano, seria o Eduardo o Neymar da Arena?

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkk...Nao sou o Jequeano, apesar de ser mais um...Mais gostei da sua comparação, queria ver o Eduardo jogar no meio de campo...

    ResponderExcluir
  9. Misteriosamente acabou o "Destaque da Imprensa". Mistério...

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde a galera do Jecmania, ontem estava na Arena e ainda estou com um pé atrás com esse time, é claro, se o time titular permanecer esse mais jogos e espero que algumas peças sejam mudadas aqui e ali, a tendência é melhorar com certeza.
    Quanto ao pequeno richard, sei não, muito limitado no meu ponto de vista, agora o Mateus jogou bem mais uma vez, titular com certeza, o ataque funcionou bem, a defesa só achei o Enio como era de se esperar bem fora de ritmo, fora a falha do Gol foi melhorando no decorrer da partida.
    E nosso Ramon ainda virgem com relação as faltas, e o técnico fez bem em tirar ele no segundo tempo, jogo definido apesar das circunstâncias.
    Vamo ver quinta que vem contra as marinheiras, vamo pra cima delas JEC.

    No mais, tomaaaaaa Marrecada, Sds Tricolores

    ResponderExcluir
  11. Gostei do jogo, também, e realmente, o time jogou com VONTADE.
    Agora como falou o professô, não vamos nos empolgar. Fizemos duas ou três partidas boas no Catarinense (Avaí, Imbituba), depois voltamos ao marasmo de sempre.
    Quanto ao cavalo rosso, vamos esperar se o rainor vai dizer alguma coisa, e aí descer a ripa.
    Ab, ST

    ResponderExcluir
  12. E quanto ao neymar da arena, menas, como diria o outro. Basta ver que o Aderlan, que era pra ser o Leo Moura do nordeste, já foi dispensado, sem sequer ter entrado em campo. Mas o Eduardo, sem dúvida, rende mais ofensiva do que defensivamente.

    ResponderExcluir
  13. Sim sim, permaneço com o baixabolômetro ligado, a compararação de Eduardo com Neymar foi apenas uma brincadeira hahahahaha... É justo porque, definitivamente, marcar não é a praia dele.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Ah é assim é....
    Também não compro mais o Red Horse, quando rolar uma cachaçada aqui em casa vou procurar outras marcas.
    Decha eles jogarem dinheiro fora com esse caxias, tenho certeza que vai ser igual da outra vez não vai dar em nada.
    Espero que a torcida do jec não vá apoiar o caxias, eles estão se achando o gaz da coca cola. O caxias é nosso rival.

    ResponderExcluir
  15. Vamos colocar uma faixa para a Arena "Não bebam a bebida do caxias"...rssss....

    ResponderExcluir
  16. Cristiano, triste, mas feliz!17 de junho de 2011 23:04

    Tricolores, só agora consegui dar uma olhada no blog, sobre o cavalo vermelho, acho que há contradições sobre o que a imprensa esta divulgando, como ja comentado no post anterior, na minha opinião o Raionor se incomodou com nossos dirigentes e deu esse "migué" de que não foi procurado pela diretoria para um possivel patrocinio.
    Sobre o jogo de ontem, vi um time taticamente melhor que na era Gilberto, então vamos dar o braço a torcer, essa apesar de todo o borburinho que houve, esta troca de treinador tinha que acontecer. Achei o Enio muito mal tecnicamente e fisicamente. Nosso PP manteve aquele futebol sofrivel, para mim RUA, para ele. Talvez vendo esta limitação dos nossos beques, Artur resolveu trazer seu conhecido para o Tricolor, o tal Fabiano joga como volante e zagueiro.
    Na nossa zaga, só confio no Linno. Tem que melhorar, la na frente, série C, não sera tão simples virar um jogo!
    Saudações de um tricolor esperançoso! Agora vai?
    PS: Alguém sabe se há premiação em $$$ para o campeão da série C???

    ResponderExcluir
  17. Triste mesmo é ver a direção do JEC se rebaixar para chorar o que outro clube que merece pelo menos respeito de todos conseguiu. A direção do JEC não toma jeito mesmo. Não era assunto pra ela sair comentando. será que em criciúma alguém saiu perdendo tempo comentando a participação da Criciúma construções no JEC? Claro que não. É cada um por si e sejam todos felizes.

    ResponderExcluir
  18. E só mais uma coisa: do jeito que ficou a coluna em que o assunto patrocínio saiu hoje, o jornalista parece estar lamentando que o Caxias tem um patrocínio que o JEC não tem. Aí danou-se de vez. Só faltava isso nesta cidade que luta por um futebol melhor. Quanta pequenez. Em frente JEC. Em frente Caxias.

    ResponderExcluir
  19. O que é inacreditável é que alguém prefira patrocinar o Caxias que joga a segundona catarinense, terá média de no máximo 2000 idosos na torcida (que nem bebem cavalo rosso, porque nãõ adianta - a pipa do vovô não sobe mais), do que um time da primeira divisão (bem ou mal com TV), e a série C do brasileiro (média de pelo menos 5000 mil em casa.
    Vai ver que ele não quer mesmo divulgar a marca, com medo de que a RED Horse continue tentando impedir a venda do cavalo vermelho.

    E no mais, quanto à não beber tal bebida, o meu "energético" anda proibido na Arena. Isso sim é foda.

    No regulamento da competição, Cristiano, não há qualquer menção a prêmio em dinheiro. Deve existir uma grana, mas lá não consta.

    Caro anônimo: essa disputa entre dois clubes na mesma cidade depende da visão de cada um. Eu, particularmente, acho que não há espaço para dois clubes médios ou grandes numa cidade do tamanho de Joinville, e se for assim, que vença o JEC. Basta ver como anda o futebol em Campinas, a décima cidade mais rica do brasil, mas no interior (Guarani fudido, e ponte mais ou menos), tem o dobro exato de Joinville (1,1 milhão de habitantes) - claro, vc pode contestar dando o exemplo de floripa, mas acho que não se aplica - é capital, dinheiro público, dinheiro das letras, Zunino como mecenas do Avaí, etc.
    Ademais, a grana anda curta, pelo menos os empresários não querem gastar com futebol. Imagina se tivermos de dividir, ainda, esta merreca...
    Ab, ST

    ResponderExcluir
  20. Caro jequeno, não discuto (nem discuti) isso de quantos times deve ou pode ter uma cidade etc, etc. O que discuto é o JEC entrar nessa de questionar o patrocínio de outro, e imprensa parecendo lamentar que o Caxias arrumou patrocínio. A continuar assim, logo JEC e imprensa vão questionar se a grama do Ernestão é mais verde que a da Arena. Não dá, né?

    ResponderExcluir
  21. Mario L. Nascimento20 de junho de 2011 00:40

    Acho que tanta polêmica em torno de um patrocínio deveria ser canalizada para algo que venho alertando há muito tempo, aqui e em outros espaços: a credibilidade (ou falta de) do Joinville Esporte Clube. O que pode fazer um empresário que quer firmar sua marca preferir um clube de segunda divisão de SC a um que tem perspectivas de subir para a série B do Brasil?

    Deve ser pelo mesmo motivo que o JEC tem que carregar na camisa o nome de um dos maiores rivais. Tanto quanto por não conseguir levantar na maior economia do estado nem o suficiente para montar um time para ser campeão estadual pelo menos. Para não falar da dupla da capital, Criciúma e Chapecó não somam Joinville nem em população nem em economia. E conseguem mais do que o JEC tem conseguido.

    Achadas essas razões e corrigidos os problemas, esse patrocinador poderia continuar querendo colocar o nome do seu produto no Caxias, mas não deixaria de querer colocar também na do JEC, e pagando mais por ser mais conhecida e, potencialmente, mais divulgada.

    As razões para os clubes de Fpolis terem apresentado resultados melhores nada têm a ver com o tamanho da cidade nem com a economia. Têm a ver com profissionalismo de gestão e com uma imprensa competente e hegemônica no estado que os patrocina há tempo. Enquanto Jonville não acordar para isso, vamos bater palmas para eles. Os empresários e empresas de Joinville não estão nem aí para o nome da cidade, desde que estejam tendo seu sacrossanto lucro. Não entenderam ainda que o nome da cidade faz parte do negócio deles. E a imprensa (esportiva principalmente) é uma das coisas mais ridículas para uma cidade deste tamanho. Só tem gente que pensa pequeno. Gente que nunca pôs os pés fora de Joinville e pensa que conhece alguma coisa. Alguns até não são assim, mas estão tolhidos por fazerem parte de órgãos que têm que obedecer a quem manda. E quem manda não quer destaque para a maior cidade de Santa Catarina.

    Quanto ao Caxias, tratá-lo simplesmente como rival é esquecer que o JEC não existiria se não fossem Caxias e América. Alguém tem a ilusão de que se os dois não tivessem o passado que tiveram, o clube que nasceu da fusão iria chegar a algum lugar? Basta ver Blumenau, Brusque, Tubarão e outros que tentaram. Se ao invés da fusão dos elencos e das torcidas o JEC tivesse sido fundado como um terceiro clube, não teria durado dois campeonatos. Caxias e América tiveram a nobreza de reconhecer o que seria melhor para o futebol de Joinville naquele momento e isso merece respeito. Respeito que a diretoria do JEC não teve ao utilizar o Estádio Ernesto Schlemm Sobrinho por mais de 25 anos sem pagar um tostão e ainda deixá-lo em estado deplorável ao devolver ao seu dono.

    PS: faço uma ressalva na imprensa esportiva de Joinville: Wilson França, joinvilense importado de União da Vitória. Enxerga longe. Talvez por isso mesmo não tem o espaço que merece. Em terra de cego burro, quem enxerga não pode falar.

    ResponderExcluir
  22. Mário, o Caxias é rival, sim. A grande maioria da torcida deles quer que o JEC caia pra série D e vá pro inferno. Eu, particularmente, não vou apoiar quem quer ver o JEC se ferrar.

    ResponderExcluir
  23. Sandrão - JOINVILLE20 de junho de 2011 11:50

    Jequeano,
    Meu irmão Fernandinho disse que assistiu ao segundo tempo do espetáculo na Arena.. rsrs

    Agradeço pelo abraço! ;)

    ResponderExcluir
  24. Sandro, encontrei ele por lá na saída do jogo. Pequena grande figura.

    Mário, respeito muito o França, inclusive tomamos um goró juntos depois do jogo contra o Brusque. Grande figura.

    Anônimo, neste sentido tem razão, o JEC tem é de se concentrar em si mesmo, o Caxias que se vire com seus problemas, e nós que cuidemos dos nossos.

    Emerson, eu também serei anti-caxias (o torcedor é antes de tudo um secador, penso eu). Acho que não será bom para o JEC termos dois times por aqui, mas é só minha opinião, há várias outras, tão certas ou erradas quanto a minha - apenas acredito, não tenho certeza de que será ruim - aqui mesmo no blog.

    ResponderExcluir
  25. Fala Jequeano

    Só pra reforçar

    Ei Gayxias Vai tomate Cru!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Sds Tricolores

    ResponderExcluir
  26. Mario L. Nascimento21 de junho de 2011 00:33

    É...

    acho que a moçada é muito nova para entender Caxias e América. Só quem foi ao Olímpico ou ao Ernesto Schelemm em dia de clássico pode saber do que estou falando. E estes estarão hoje com pelo menos 45.

    E entendem porque o JEC nasceu grande. E respeitam quem criou essa história.

    E eu ainda vou convidar o França para uns gorós também. Ele tem muita coisa pra contar. E também o acho uma grande figura. Há uns 40 anos... hehehe

    ResponderExcluir
  27. Mário, os criadores não respeitam a criatura. A maioria do pessoal do Caxias deseja que o JEC vá pra PQP. Nós somos mais rivais pra eles do que eles pra nós, pode acreditar. Eu repito: até desejaria que o Caxias subisse... só pra apanhar do JEC. A maioria dos caxienses tem rancor do JEC, por causa de 76. Não vou apoiá-los.

    ResponderExcluir
  28. Mario L. Nascimento21 de junho de 2011 14:34

    Emerson,

    veja por outro lado. Como o JEC tratou o Caxias durante o tempo em que ocupou (de graça) seu estádio e mesmo depois disso?

    Dois fatos, para recordar:

    - a proposta inicial era contruir o Estádio Municipal no mesmo local do Ernestão. Seria uma boa solução para todos. Procurado, o Caxias propôs a cessão do terreno por 50 anos, com instalações para o clube e o direito deste usar o estádio para competições no período. A PMJ aceitou. Quem foi contra? O Joinville Esporte Clube. Solução conjunta, JEC + PMJ: desapropriar o terreno por preço irrisório, matando assim o Caxias. Resultado: vexame geral com a reversão da medida por força judicial, tão absurda era a proposta.

    - 2003/2004: JEC "de mudança" para sua segunda casa gratuita (não cuidou de nenhuma das duas, diga-se). A partir do momento em que soube que deixaria o Ernestão, o clube passou a negligenciar totalmente sua manutenção, que já não era lá essas coisas até então. Quando finalmente deixou o velho estádio, este encontrava-se em situação lastimável, parecendo ter sido depredado antes da desocupação. Que, aliás, foi prorrogada pelo Caxias, além do prazo combinado, sem custo para o "inquilino". Ao invés de "muito obrigado" por ter cedido seu patrimônio por mais de 1/4 de século sem ganhar nada com isso, o que o Caxias recebeu foi um alto e sonoro "f...-se".

    É claro que tem caxiense que não engole estas e outras coisas, como a retirada desordenada e desaparecimento de material histórico do clube quando o estádio foi cedido. Muita coisa valiosa foi perdida ali. Ainda assim, o rancor que existe é menos por 76 do que pelo que aconteceu na volta, em 2003. E ainda assim não é pela maioria, como você pensa. Vejo muito caxiense com camisa do JEC na Arena.

    Por outro lado, o que o Caxias fez de mal ao JEC? Saiu de cena e entregou toda a tradição que forjou, junto com seu tradicional adversário, por mais de 50 anos? Permitiu que sua torcida adotasse o novo clube? Não cobrou nada pela cessão do estádio por 25 anos?

    O único pecado do Caxias foi ter voltado e ameaçando a hegemonia do JEC, por incompetência deste. Chega a ser patético que um clube da grandeza do JEC tenha precisado tantas manobras de bastidores para tentar "matar" o Caxias, que sobrevive graças a alguns abnegados. Diga-se de passagem, o JEC bem é uma grande ameaça ao Caxias. Já o Caxias bem ou mal não faz (ou não deveria fazer) diferença para o JEC.

    Se até alguns anos só os velhinhos frequentavam as arquibancadas do Ernestão para ver o Caxias, agora tem muito moleque por lá. Além do patrocínio perdido, este é mais um assunto para ser pensado pela diretoria do JEC.

    Ninguém vai querer que torcedores do JEC torçam também pelo Caxias (apesar de eu não ver nada de mais nisso; há o exemplo do Maracanã cheio torcendo pelo Bangu contra o Coritiba, em 1985). Mas é preciso respeitar a instituição, sem a qual o JEC não existiria.

    Podemos até discutir a oportunidade e a viabilidade da volta do Caxias, mas quando se fala em respeito, não dá sequer para ter dúvida sobre quem deve a quem.

    ResponderExcluir