NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

5 de jul de 2011

É HORA DE JOGAR RAMON NA FOGUEIRA?

NÃO, NÃO É HORA!
Quando Ramon foi contratado, todos sabiam que se tratava de um jogador de 38 anos (completou 39 outro dia) e, portanto, que sua maior contribuição seria a experiência, a tarimba, e não a jovialidade, a velocidade. Foi contratado para ajudar o time a não TREMER em horas decisivas, como tantas vezes aconteceu por aqui.
Contratamos também em razão da bola parada (e aqui reconheço, Ramon vem deixando a desejar). Falo primeiro sobre a bola parada e depois volto ao todo:

O grande NARDELA ontem fez uma ótima análise sobre a participação do Ramon nos jogos, mais especificamente sobre ele ser o responsável por TODOS os escanteios e faltas (inclusive as laterais) do JEC, e que isso lhe obriga a vários deslocamentos no campo, cansando-o (e não nos esqueçamos que neste ano praticamente só jogamos com campo pesado, molhado).
Porra, não tinha pensado nisso, mas realmente, cada vez se exige que o Ramon corra 40 ou 50 metros pra fazer algo que não vem dando certo. Por que não resguardá-lo para as bolas próximas ao gol, deixando-o ocupar a área central do campo, que é onde seu papel mais importante é desempenhado, designando outro jogador para as bolas laterais e escanteios - ainda que ele seja o Ricardinho?
NARDELA apenas disse que o Ramon não deveria cobrar TODOS os lances de bola parada - e eu não poderia concordar mais.

Quero lembrar do jogo de despedida do Petkovic contra o Corinthians. Falta na intermediária, toda a torcida flamenguista já antevia uma cobrança de falta do Petkovic igual àquela contra o Vasco, em 2001. Parte pra bola e... GOL. DO RENATO (aquele mesmo do JEC). Depois do jogo, Renato revelou que o Pet disse "bate você, que eu já não tenho a mesma força". Acredito que com o Ramon seja a mesma coisa, e ele deve poupar energia para os lances capitais e se concentrar na meiúca, na armação do jogo com a bola correndo.

Mas deixo a bola parada e volto ao papel do Ramon num todo, no time, no Clube.
Depois de um bom jogo como o de sábado, com nosso camisa 10 ausente, apareceram vários arautos do apocalipse: não dá mais para o Ramon!!!
Muita calma nessa hora! Ele esteve presente em muitos dos poucos bons jogos do JEC neste ano, fez 8 GOLS no Catarinense, jogou mais bem do que mal. No JEC x Brusque anterior, com Ramon em campo, o JEC fez 3 a 0 em 45 minutos, não se esqueçam.
Ademais, o Ramon é o jogador de quem se espera saiba dar ritmo ao jogo, cadenciá-lo, se necessário. O jogo não precisa ser sempre uma correria, e haverá horas em que Ramon será o jogador mais indicado para ditar o ritmo do Tricolor.
O Ramon precisa ser titular? Aí eu não tenho a resposta peremptória, e essa vai caber ao Little Artur.
Pra quem viu o vídeo dos bastidores do JEC no jogo de sábado (eu me impressionei com a postura comedida e sensata do Arturzinho, perfeito), ele ressaltou que quer o time jogando forte os 90 minutos, e esse aspecto pesa contra o Ramon (porque exigir marcação constante de um jogador de 39 anos realmente não é razoável). Pode haver jogos em que o técnico opte por um time rápido, de pegada, de força, e nessas hipóteses, não vejo problema algum em deixar o Ramon na suplência, fazendo-o entrar em campo ou para assegurar um resultado, ou para mudar o panorama de um jogo. Descartá-lo, simplesmente, é que não dá, até porque conhecemos bem nossa paranóica torcida, e no primeiro jogo ruim sem o Ramon vai aparecer um monte de viúva, clamando pela sua volta e decretando que com ele tudo seria diferente, e que agora o culpado por todos nossos problemas é o Ricardinho, ou o Jailton, ou o Lima, ou o _____ (preencha aqui com o nome que quiser).

Há também uma razão econômica para a manutenção de Ramon. Ele custa perto de 50 mil reais por mês (embora aparentemente o clube pague apenas uma pequena parte do salário), e quero imaginar que está bem respaldado por uma multa rescisória - se o JEC resolver mandá-lo embora - e dinheiro, como se sabe, não está sobrando na Arena.

Por fim, o seu contrato vige até o final de 2012, e ele foi contratado como um dos pilares da reestruturação do Clube, a médio prazo. Não vamos desfazer do projeto em 15 minutos. Se sempre cobramos um projeto, o Ramon - para o bem ou para ou mal - está incluído nele. 

Por isso, sugiro (sugestão não é lei, e quem discordar tem todo o direito de meter a lenha): vamos baixar o tom de nossa "santa" inquisição. Acho prudente lembrarmos que em cruzadas por culpas e culpados, muitos acabam injustamente queimados.
Cuido que o negócio do JEC é trabalhar para que o Ramon chegue em forma na Série C e esteja pronto a colaborar da forma que lhe for solicitada. A contar de hoje faltam 20 dias para a estréia na competição mais importante do ano. Acho que dá para deixá-lo tinindo (embora se fale em lesão no adutor e tempo de recuperação estimado em 15 dias - fonte blog do Fronzi - e pelo que me lembro já é a terceira pequena contusão do jogador - dado preocupante), e ele ainda vai ser importante. Se deve ser titular são outros quinhentos. AVANTE, JEC!

5 comentários:

  1. O meu amigo, vamos tomar uma hoje?Lá no novo point do Ritinha...E comungo, com que você escreveu hoje...
    RAFAEL

    ResponderExcluir
  2. Concordo que o ramom é muito importante para o JEC. Só não concordo em manter ele em campo em partidas em que ele não está jogando bem.

    ResponderExcluir
  3. Mario L. Nascimento5 de julho de 2011 20:41

    Jogador como o Ramon, pela qualidade e pelo que representa no projeto do clube, tem que ter um esquema especial de jogo para aproveitar suas características. Como já não pode correr como os outros jogadores, estes têm que correr por ele.

    Talvez seja esse o motivo de alguns apagões do time, como o que houve contra o Marcílio e o Concórdia na Arena. O Ramon deveria ser o responsável pela distribuição de bola, mas já não consegue voltar com a velocidade e a frequencia necessárias. Um bom esquema seria uma dos volantes (ou os dois) deslocar-se para receber a bola e tocar para ele com qualidade. No 3-5-2 os alas deveriam também desempenhar esse papel. Isto não está acontecendo e é esta uma das razões para o time perder velocidade e qualidade de passe na retomada da bola.

    Com um jogador mais lento, o esquema de jogo deve mudar para privilegiar sua qualidade. Quando isso acontece, o time joga bem. Quando se insiste na ligação direta - o conhecido chutão pra cima - o jogo não flui e facilita o jogo do adversário menos qualificado.

    Como já disse o Artur, the Short, o Ramon tem que ser usado com sabedoria. Vai ser o comandante do acesso.

    ResponderExcluir
  4. Sandrão - JOINVILLE6 de julho de 2011 10:00

    Acho que o cara que deve correr "por Ramon" é o Mateus.

    Na defensiva faz o papel dele, fechando os espaços na frente da defesa.

    Nos contra ataques, deve ter o papel de encostar mais no Ramon e fazer um passe de qualidade para facilitar a posterior distribuição das bolas pelo experiente meia.

    Escanteios, o Ricardinho também não é dos melhores cobradores. Acho que o Ricardinho deveria impor essa tarefa aos laterais. Se bem que na minha opinião, os melhores escanteios do JEC são os cobrados pelo "alemãozinho do chevette" (como diria o jequeano). O problema, é que ele não é titular (e nem deve ser!!).

    Fica a bucha para o pequeno polegar resolver!

    No mais, aquele link com video dos bastidores antes e depois do jogo, realmente dá uma alento a mais, e parece que o time está no caminho certo!

    Domingo em Bruxqui é só gritar:

    "Eiii Bruxqui olha o meu canecoooo... nós depenamos os marrecooooo"

    hahahahahaha

    ResponderExcluir
  5. Mario L. Nascimento6 de julho de 2011 14:16

    Gostei do "grito de guerra", Sandrão. Agora só falta a União adotar e ir ensaiando no caminho para o Reino do Marreco Depenado.

    O título pode ser pequeno, mas a farra tem que ser grande. hehehe

    PS: A farra vale só para a torcida!!! Os jogadores têm que jogar como se precisassem fazer o placar lá também. Impor o respeito que o JEC sempre impôs e que anda tão esquecido. Principalmente pelos pequenos.

    ResponderExcluir