NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

23 de mar de 2012

MAIS UMA DECISÃO, ALDAIR E GRANA - B(EM)M(ENOS)G(RANA)!

Cada "noite" uma decisão.
Pois jogaremos a primeira decisão, para nós, deste campeonato. Na verdade, já estamos decidindo o campeonato desde a primeira vitória, contra a Chapecoense, quando, depois de cinco rodadas, só tínhamos 2 pontos ("obrigado", Gonzagão) e finalmente conquistamos três pontos na sexta rodada do turno, já sob o comando de Argel.
Desde então, só jogamos "finais", em que cada resultado importava, e temos nos saído bem, tendo conseguido vinte pontos nas últimas oito rodadas
Vamos encarar o Metrô, que está três pontos à nossa frente, mas tem duas vitórias a mais, como um jogo de vida ou morte. Mesmo vencendo, não os ultrapassaremos, mas pelo menos os alcançaremos em pontos, dando um grande passo para a classificação, quer pelo índice técnico, quer por aumentar nossas chances de nos mantermos à frente no returno, firmando-nos na briga contra o Figueirense. 
Considerando que a Chapecoense pega o Figueirense no Scarpelli (uma vitória da bugrada é, para dizer o menos, improvável), e Avaí e Criciúma jogam foram de casa (embora contra candidatos ao rebaixamento), não é impossível que com uma vitória passemos a ficar atrás apenas de Fig e Met, ultrapassando dois de nossos concorrentes mais próximos. Seria o melhor dos mundos possíveis. 
Seria a hora de encher a Arena, mas me convenço cada vez mais que, durante o Catarinense, a não ser que cheguemos às finais, nosso público será este que anda botando a bunda na arquibancada, ou seja, ou 8 ou 9 mil que sempre estão lá, e destes, 80%, pelo menos, são sócios. Se é bem verdade que nossas empresas não andam ajudando o JEC, a torcida também está deixando um pouco a desejar, depois de oito jogos de invencibilidade. 


Aldair: espero para as próximas horas a mudança de apelido de nosso "col pola". Renovado o seu  contrato (será que haverá a festa do novo apê?), até o final de 2014, chegou-se à melhor solução possível. Com um vínculo mais longo, protegemos nosso patrimônio, e acertamos com um jogador com potencial, e que tem uma característica que não vejo em outros jogadores de nosso elenco. Joga pelo lado como não fazem nem Alex nem Cristiano


B(em) M(enos) G(rana)!
Como ir de Piquet a Barrichelo em um mês? Íamos a 350 por hora, freando dentro da curva, e já saíamos voando, atropelando a turma, e na última hora, reduzimos para 83,3 (e dessa potência ainda precisamos tirar alguma coisa para pagar mais dois contratados que nem pilotos são), e vemos que nosso motor não tá com aquela força toda. Teremos de fazer adequações no orçamento, na potência do motor, talvez até contratar pilotos menos qualificados. Deu certo, mas deu errado. Mas como já começam a pipocar notícias que nossas finanças andam combalidas, melhor isso que nada. AVANTE, JEC!

22 comentários:

  1. Essa da BMG foi uma baita ducha de água fria... Essa é para aprendermos a não contar com negócios sem a canetada final. A imprensa fez um barulho por causa da BMG e Eletrobrás e por enquanto só temos o oitentinha da BMG. Fomos de Piquet a Barrichello, como bem disse o Jequeano. E a Eletrobrás sei não...

    ResponderExcluir
  2. A busca por um patrocinador master continua. É impossível que não haja alguém interessado. A "camisa que vale 1 milhão" é um sonho ainda vivo. Vamos atrás, diretoria!

    ResponderExcluir
  3. Falei no Nasceu Campeão que deveriamos comissionar um profissional sobre os resultados, caso conseguisse grana paga-se 10%

    ResponderExcluir
  4. Não sei se isso é possível juridicamente, porém é um bom atrativo a um profissional do ramo, veja que caso consiga R$500.000,00 por mes o cara leva R$50.000,00
    Claro que é preciso ser dentro da lei, afinal não quero ver o JEC no fantastico, a menos que seja nos gols da rodada.
    Temos um exemplo que pode funcionar, tivemos o Fabio Dalonso e em três meses de trabalho conseguiu bastante recurso, isso que estavamos na série C e até onde sei o Fabinho não era comissionado.
    Obviamente trata-se de alguém bem relacionada, teria que ser um profissional com esse perfil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mario L. Nascimento24 de março de 2012 10:50

      A sugestão é boa, Jean.Além se ser perfeitamente legal. Um contrato com uma empresa prevendo recebimento de comissão por resultado é praticada no mercado. Vide representantes comerciais. Se não vendem nada, nada recebem. E existem empresas especializadas nisso no Brasil e em Santa Catarina também.

      É uma pena que os empresários joinvilleneses, de uma maneira geral, são excessivamente econômicos. Boa parte acha que deixar 10% (ou qualquer comissão) na mão de alguém que trabalhou para conseguir o recurso é muita coisa. Sem pagar nada, tudo bem. Temos o exemplo do carrinho-maca que brevemente deverá estrear na Arena. Foi divulgado no twitter quem conseguiu foi o Marinho Borba, provavelmente apenas por um pequeno interesse profissional (ganha prestígio com a torcida) e por uma grande vontade de ajudar o JEC a não ficar passando a vergonha de dois sujeitos correndo pelo campo para tirar algum jogador machucado.

      Se não quieserem pagar nada, a solução é bem simples: que não se faça nada. Afinal 10% de zero, é zero mesmo...

      A outra solução é montar um departamento de marketing que realmente funcione. Pode ter um diretor não remunerado, alguém que em acordo com seus pares trace as estratégias e formule os projetos. Mas sempre será necessário o investimento em alguém dedicado ao tema. Resumindo: volto ao tema de que é preciso que a diretoria do JEC entenda a diferença entre gasto e investimento.

      Excluir
  5. Jogo difícil no domingo, mas acredito na vitória.

    Alias é obrigação a vitória. Como vc frisou "Considerando que a Chapecoense pega o Figueirense no Scarpelli (uma vitória da bugrada é, para dizer o menos, improvável), e Avaí e Criciúma jogam foram de casa (embora contra candidatos ao rebaixamento), não é impossível que com uma vitória passemos a ficar atrás apenas de Fig e Met, ultrapassando dois de nossos concorrentes mais próximos. Seria o melhor dos mundos possíveis".

    Pq... depois teremos três clássicos, Chapequena, Crica e Bvaí. Melhor pensar no Metro, se não ganhar já fica complicado. Deixamos para segunda.

    Perfeita a definição do Aldair, realmente é o único que joga pelos lados do campo. Diferente do que afirmam alguns comentárias Alex não joga pelas pontas.
    Sorte pro moleque, tem potencial. #SucessoAldair

    O maior patrocínio da história ainda é da TIGRE. Não deu....Falaram demais antes da hora...e...fu..

    Tomara que o JEC esteja de lado literalmente, a 350km por hora, e ultrapasse esse problema de dinheiro, mesmo que seja por fora, de lado 160 km p/hora.

    Como nas antigas Piquet ensinou o Senna.

    http://www.youtube.com/watch?v=Zg2fZ4ASHDs

    ResponderExcluir
  6. Essa ultrapassagem do piquet não tem comparação. Ab, ST

    ResponderExcluir
  7. Pensei exatamente nela ao escrever. Ab, Messias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim entrei na viagem na hora. Perfeito. hahaha

      abs

      Excluir
  8. 350 mil mensal só de patrocinio seria ótimo.
    Agora 350 mil para mandar no JEC é muito barato não acham.
    O JEC é nosso e não do BMG.

    ResponderExcluir
  9. Acho que temos sim que correr atrás de novos paatrocínios, pois em minha opinião um time de Sere B precisa ter no mínimo um receite de 500K só de camisa...ainda acho que estamos longe..certo? Quem tiver a somatória atualizada, agradeço...abraço

    ResponderExcluir
  10. Mudando um pouco de assunto: acaba de morrer o mestre do humor brasileiro, o grande Chico Anysio, e inspirador do Jequeano em alguns posts, principalmente sobre o Nazareno. Caaaaalaaaadaaaa

    ResponderExcluir
  11. Fiquei sabendo que o Figayra tem 12000 sócios. O pessoal de marketing do JEC tem que fazer alguma campanha logo e entrar na série B com pelo menos 10000 sócios. É outra fonte que está demorando para ser explorada, se bem que tem muito ?torcedor? que tá esperando a série B para se associar, tomara.

    JEC, rumo à série A.

    ResponderExcluir
  12. Fui ver o coletivo e vi o Ramon pegar 2 vezes na bola durante 30 minutos em que ele atuou entre os titulares. Muito pouco para quem é o homem responsável por fazer a bola chegar ao ataque. Resumindo: ele não se movimenta, não cria espaços, é facilmente marcado pelos adversários e confesso que fiquei preocupado com essa formação Ramon-Ricardinho. Acho que voltaremos aos tempos de time de "armandinhos", que qualquer "marcaçãozinha" de Concórdia e cia nos parava. Pelo amor de Deus Argel, Ramon é jogador pra entrar no segundo! E pra que mudar um time que esta ganhando? Coisas de "pardal"! Não se muda time que esta ganhando e ponto final.

    ResponderExcluir
  13. Emerson, Chico Anysio era meu ídolo. Tenho um DVD dele - 5 horas - e sempre vejo a escolinha e seu programa no Viva. Uma perda. Ainda bem que dá para continuar a vê-lo, na TV.

    Douglas, eu nem vi o treino e concordo contigo. Tem que haver um jogador rápido na meia-cancha. Tenho certeza (será?) que o Argel deve ter visto o mesmo que você.

    Guesser, se o time do estreito tem tantos sócios, realmente tamo feio na foto. E com essa redução do B(em) M(enos) G(rana), 83 mil por mês é menos que dois mil sócios. o JEC tem de lembrar sempre: SEU MAIOR PATROCINADOR AINDA É A TORCIDA.
    Ficamos correndo atrás do BMG, mas não corremos atrás de novos sócios, eles só vêm pela gravidade: quem cair, caiu. É foda.
    Ab, ST

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mario L. Nascimento24 de março de 2012 11:05

      Essa história do BMG tá bem mal contada. Se dessa merreca o JEC ainda tiver que tirar os salários dos "paus mandados" do banco no staff do futebol do clube, vai sobrar muito pouco. Ou o clube ainda vai ter que tirar do bolso pra pagar tudo.

      Sinceramente, se for assim, teria sido melhor mandar o banco TNC, enfiar a merreca vocês sabem onde e procesá-lo por ma fé na negociação. Criaram um expectativa que paralisou outras iniciativas que o clube poderia tomar para depois dizer que mudaram de estratégia e tal... Uma palhaçada sem tamanho.

      E tá mais do que na hora de alguém vir a público e pelo menos falar sobre a falta de apoio de empresas joinvillenses ao JEC. Nenhuma grande empresa da cidade está presente. Falta de verba puclicitária certamente não é. Seria falta de credibilidade no clube? Dúvida sobre o retorno?

      Não dá mais para ficar quieto em relação a isso. O JEC conheceu suas maiores glórias quando todas as empresas significativas de Joinville o apoiavam. Perdeu esse apoio pelos motivo mais variados e ninguém diz nada sobre isso. Não há um plano para reconquistar a confiança, ninguém se manifesta e o clube corre o risco de um voo de galinha na série B. Por outro lado, nossos concorrentes diretos nadam nos patrocínios da maior rede de comunicação do estado (os dois da capital) ou de todas as empresas de sua região (o Criciúma).

      Enquanto isso, a diretoria do JEC assiste a isso passivamente, enquanto aceita o corte do salário do Ramon no período em que este esteve machucado. Não sem antes o diretor de futebol ter dito que não faria isso.

      Em casa em que falta pão, todo mundo briga e ninguém tem razão.

      Voltemos ao bordão: PROFISSIONALISMO JÁ!!!

      Excluir
    2. Mario L. Nascimento24 de março de 2012 11:15

      Para não ficar sem comentar, que o assunto é importante.

      O que está faltando para que o JEC faça uma campanha para aumentar o número de sócios? Se a pesquisa (não sei nada sobre a credibilidade da mesma) apontou uns 85 mil torcedores do JEC em Joinville, não é demais esperar que uns 12% disso sejam sócios. E nem lá se chegou. E nada está sendo feito para mudar essa situação.

      Com tanta gente dando sugestão pela Internet, aposto que se o clube desse espaço para uma comissão de jequeanos de verdade, com vontade de trabalhar, em duas semanas haveria uma campanha que iria aumentar em pelo menos 10% o número atual.

      Quando o JEC ia decidir a vaga na série C contra o América de Manaus, eu mandei um e-mail para a diretoria sugerindo uma ação concreta para aquele jogo. Nada foi feito. Talvez naquele jogo não tivesse funcionado. Mas em 2011 tivemos pelo menos 3 grandes chances de tentar novamente, em ocasiões em que teria dado absolutamente certo. Os jogos contra o Brasiliense, Chapecoense e CRB poderiam ter sido usados para um aumento significativo do número de sócios. Aposto que nem para a estréia da série B estão pensando em algo. Difícil entender essa inércia.

      PROFISSIONALIZAÇÃO JÁ!!!

      Excluir
    3. É Mário, realmente falta profissionalismo e principalmente EXEXCUTORES de ações, pois precisamos no clube pessoas que possam absorver as demandas de nossa torcida e colocar em prática......esta questão de campanha para incrementar os sócios já antiga e não vejo nada sendo feito..´se conseguirmos mais 2.000 sócios, já daria o valor do novo patrocínio...

      Excluir
  14. Realmente o Banco BMerdaG fez a todos de palhaços.

    ResponderExcluir
  15. http://nasceucampeao.com.br/?p=28138

    ResponderExcluir
  16. Amigos do blog, a inércia citada pelo Mario sabemos que é sentida por todos, há alguma coisa que ainda não sabemos que faz com que a diretoria aceite essa situação com tamanha passividade.
    Será possível que somente nós do blog estamos vendo o cavalo encilhado diante dos olhos, será que ele ira passar e outros irão montar...
    Sou defensor ferrenho dessa diretoria, mais enquanto o Marcio está preocupado em descontar R$15.000,00 do Ramon a grana passa diante dos nossos olhos e não se vê uma ação para canalizar esses recursos (não há camisas na toca desde janeiro).
    Marcio, Nereu e João são empresários ricos e competentes, as propostas que colocamos aqui, acredito eu, é de conhecimento deles também, é preciso saber o que impede de ser colocado em prática. Não admito que a falta de dinheiro seja o problema, lógico que para uma grande ação é preciso dinheiro, porém estamos falando de problemas a serem resolvidos com um bom relacionamento com o torcedor. Veja que meu irmão foi à toca para tirar segunda via do boleto que deveria ser entregue em casa e a impressora da toca estava estragada, tentou pagar com cartão e não pode, pois para pagamento de mensalidade é preciso que seja no dinheiro. Custa habilitar ao sócio a opção de tirar segunda via no site (se o serviço existe, eu desconheço).
    Apesar disso, acredito que o problema não seja falta de capacidade da diretoria, existe muitos mistérios dentro do JEC e as diferentes veias políticas ainda são o maior problema. Esse caso que envolveu os patrocínios é evidente que se trata de questão política. É uma pena, mais há de ser dito que os interesses pessoais são colocados à frente do interesse comum.
    Tudo que mais quero é queimar minha língua, minhas criticas até então estavam voltas as lideranças políticas de Joinville, porém apesar de reconhecer o trabalho feito pela diretoria, não dá mais para aceitar essa passividade , ou aproveitamos o momento ou a menos que estejam escondendo o jogo e a grana esteja jorrando, ficaremos pra traz novamente.

    ResponderExcluir
  17. Quer dizer que a maior torcida de SC conseguiu perder para o Cambura....rs...é melhor começar a cuidar do time em campo do que as estatísticas extra campo...rs...que beleza....

    ResponderExcluir