NASCEU CAMPEÃO

Tu és a glória dos teus fundadores

28 de dez de 2011

FILOSOFIA E FUTEBOL: PRIMEIRO TRATADO DA BOLA SEGUNDO SÃO BARÇA. E ATÉ O ANO QUE VEM!

É hora de encerrar o ano: o JEC tá parado, vamos de outro assunto.
Fonte: seriec.com.br. E "tamo" de parabéns mesmo!
Antes de entrar na discussão filosófica, um abraço a todos os amigos que acessaram o blog neste 2011, que para nós tricolores sempre será de ótimas recordações.
Um título nacional, o acesso à Série B, o início da ampliação do CT, um time confiável, um clube em franca reestruturação. Acho que não poderíamos pedir mais nesse 2011. Mas em 2012 nos é permitido querer mais.
Queremos (pelo menos eu desejo) a conclusão do CT, o Título Catarinense (ou no mínimo a vaga para a Copa do Brasil 2013), e uma boa campanha na Série B. Pra mim, se conquistarmos isso, já estará bom - e  convenhamos, não é pouco.
Portanto, JEC, muito obrigado pelo ano que tivemos, mas ano que vem estamos aí para torcer, incentivar, reclamar, apontar erros, mas acima de tudo, sermos cada vez mais tricolores.
Os apenas leitores, os comentaristas; os elogios, as críticas; enfim, a todos que por aqui estiveram (e foram perto de 95 mil acessos durante o ano) e que ajudaram a melhorar este espaço, novamente, um grande abraço. Valeu. Ano que vem, na Série B, deve ficar ainda mais legal. Passo ao assunto que pretendo tratar, sem pretensões de achar uma resposta.


O FUTEBOL E A FILOSOFIA:
No domingo passado, pela manhã, assisti à derrota do Santos para o Barcelona, por 4 a 0. Nunca vi o futebol brasileiro tomar uma lavada tão grande, em qualquer tempo. É claro que já vimos jogos vergonhosos (Flamengo 0 x 3 América do México, no Maracanã, por exemplo), mas nunca um jogo em que além da derrota fragorosa, se presenciasse uma dominação tão flagrante de um time brasileiro por um time estrangeiro. Foi constrangedor, ainda a se considerar que nos dois últimos anos o Santos tem sido o melhor time do Brasil (ergueu a Copa do Brasil, o Paulistão, a Libertadores, sempre jogando bem e vencendo).


A minha dúvida é: o que leva a uma derrota tão marcante? Reconheço que para haver um time como o do Barcelona é preciso uma conjunção de fatores que, reconheça-se, não ocorre a todo dia, e nem por acaso, mas não é só mérito deles, senão também nossa culpa, nossa máxima culpa.
Uma tese que tenho - e me desculpem, não lembro se já a expus aqui - é que para ser um jogador fora de série, é necessário um somatório de qualidades impressionante. O jogador tem de ser craque (habilidade e técnica), mas tem de ter um fôlego privilegiado (vigor atlético e físico), e mais do que tudo, inteligente (visão tática, estratégica, espacial). Um time ser espetacular, a conjunção astral é ainda mais rara.
Dou exemplos de jogadores. Robinho é habilidoso, tem técnica, mas uma força e velocidade apenas razoáveis, e uma visão estratégica estreita (suas opções de carreira, por exemplo, mostram que não soube pensar o todo, e poderia ter sido muito mais do que foi).
Ramires, habilidade e técnica poucas, fôlego impressionante, visão estratégica boa: sabe de seus pontos fortes e fracos, e investe nas suas qualidades.
Cito ainda o nosso ex-lateral Super Zé (os exemplos seriam muitos, mas paro por aqui). Corria bem, habilidade pouca, inteligência quase nada. De uma semifinal de Copa do Mundo a fazer 300 votos pra vereador em Joinville foi um passo (para o abismo).


Então, pro nego ser um Messi, não basta jogar pra cacete (como joga), mas ainda ter uma velocidade e força descomunal para ser uma "la pulga" invencível - vejam como dificilmente cai ou se joga, e uma inteligência para jogar bola descomunal. Começou como um dez clássico, e hoje é um misto de meia, "ponta-de-lança" - o antigo 10, tipo Zico, Pelé, Maradona;  centroavante, sabe jogar pelos lados, dá milhares de passes para gols, e faz muitos gols.
Agora, imaginem um time conseguir juntar vários jogadores com essas qualidades, quase todos com esses atributos (técnica, físico, estratégia) em níveis bastante elevados. Messi, Xavi, Iniesta, Piqué, Puyol, Daniel Alves, Fábregas, Villa (num primeiro nível), Busquets, Valdés, Abidal, Pedro, Thiago, entre outros, e além disso, ter (o Clube) uma ideia consistente de um modo de jogar futebol pregada a todos estes e por longo tempo.
Convenhamos, não é nada fácil para um dos times mais ricos do mundo, imaginem para nós, pobres mortais de Joinville. O fato é que precisamos (não só o JEC, mas o futebol brasileiro), pensar o que queremos, o que entendemos sobre esse jogo de 22 homens correndo atrás de uma bola - na verdade, se for o Barça, serão 11 homens com a bola e 11 homens correndo atrás dela.
Queremos um futebol defensivo, de volantes que só correm mas não acertam um passe de 5 metros, um jogo só de contra-ataques, em que o passe (correto) é momento raro (o Barcelona troca entre 700 e 800 passes, em média, durante o jogo; os times do brasileirão não chegam a 300), e chutões para a frente e bolas paradas são a única emoção que esperamos de um jogo de futebol?


Barcelona construiu uma divisão de base incrível (ainda que tenha deixado jogadores da base saírem para buscá-los, quatro ou cinco anos depois, a um custo muito alto. Exemplos: Piqué e Fábregas. Nem tudo é perfeito).
Ponte Preta, outro dia, anunciou que vai extinguir a sua divisão sub-21, porque ou o jogador está pronto aos 20 para ser profissional, ou, segundo "A Macaca", nunca vai virar borboleta.
Márcio Vogelsanger já cogitou de extinguir o sub-17 no JEC, por motivo diverso. Explicou: um jogador menor de idade não pode ter contrato, e nosso mandatário disse que apostar nesses jogadores sobre os quais o Joinville dificilmente terá algum direito (ainda mais se mostrarem algum talento) pode parecer um grande desperdício de dinheiro).
E o que se ensina nas divisões de base senão a reprodução desse modo meio tosco de se jogar bola?


Tudo posto, sou como o filósofo: só sei que nada sei. Tanto falei que acabei por misturar estações, falando da falta de um projeto, de uma visão a longo prazo, de um "o que fazer", de uma desorientação das divisões de base, de um futebol a que por comodismo aceitamos (os chutões, as milhares de faltas, o passe como objeto de luxo), que fica difícil concluir alguma coisa, exceto que alguma coisa está muito errada. Esse baile de um time espanhol sobre o time de Pelé, e hoje de Neymar, me assustou. Só sei disso.
Não quero que o JEC seja o Barcelona (na verdade, adoraria), e não almejo um patamar tão alto, mas se pensarmos alguma coisa, planejarmos alguma coisa, podemos, nesse deserto de idéias que é o futebol brasileiro, apresentar algo diferente e, para nossa felicidade, nos sobressair no planejamento e, via de conseqüência, nos resultados do futebol.



Pra 2011 já deu. Volto no dia 02 de janeiro de 2012, com a reapresentação do elenco. Feliz ano novo a todos. Em 2012: AVANTE, JEC! - e que o mundo não se acabe - os Maias que se fodam!, que eu ainda quero ver o Tricolor na Série A.

9 comentários:

  1. Sandrão - JOINVILLE29 de dezembro de 2011 10:15

    A base... ahhhhh... a base!
    O nome já deveria definir qual o objetivo. Dar base ao atleta.
    Base física, emocional e tática enquanto trabalha o potencial individual de cada um.
    Mas isso não acontece, e não apenas no JEC.
    O Márcio dias atrás declarou que tem uma bronca grande de investir na garotada, e depois os sanguessugas dos chamados agentes FIFA devoram o cérebro dos guris e os convencem a fazer merda e foder com o clube que os revelou.
    Onde está o erro então???
    Na FIFA, CBF e FCF... nos cartolas que vem transformando um esporte belo numa podridão sem fim.
    O que o barça fez vai demorar mais uns bons 20 ou 30 anos pra outro clube fazer!!!
    O barça é um tapa na cara da FIFA!
    Tem grana (muita grana) e fez um longo trabalho de alguns anos para colher os frutos somente agora. Praticamente um pé de jaboticabas... hahahahaha
    Então o Márcio está errado??? Não !! Não está de todo errado!!!
    Fica difícil fazer um bom trabalho de base e segurar os garotos promissores sem dinheiro pra isso, e principalmente; sem o amparo legal nos bastidores.
    O barça mostrou ao mundo o caminho. Mas os clubes do mundo inteiro que não tem a grana do barça tem que pressionar a FIFA a mudar a postura em relação aos agentes esportivos.
    Essa raça é muito bem definida pelo MV quando "elogiou" o vagabundo do Mineiro!!!
    Sanguessugas na minha opinião! Ou melhor... gafanhotos!!!!

    Forte abraços aos amigos do blog, e me dêem licença que tô fugindo pra praia do Ervino com minha camisa do JEC a tiracolo!!!!

    Boas Entradas pra vocês!!!! ;) hahahahahaha

    ResponderExcluir
  2. Jequeano, 2011 será eterno para o Jec.

    Concordo com você que jogador de futebol é uma mescla de técnica, vigor físico e inteligência. Vigor físico quase todos podem ter hoje, técnica muitos têm e inteligência poucos.

    Para possuir técnica apurada e pensamento rápido só nascendo com isso. Mas isso é o diferencial dos gênios. Diferencial não é a maior parte do todo.
    Para um jogador ser muito bom é preciso treinamento correto desde cedo. É o que se deve ser ensinado nas categorias de base. BASE! Chama-se assim por ser o FUNDAMENTO de tudo, é onde o jogador futuro deveria ter aprendido o básico do futebol, os fundamentos. Tocar a bola, chutar, dominar, lançar, cabecear, bater lateral, escanteio, falta, proteger a bola e alguma outra coisa mais. Quantos jogadores sabem fazer isso bem hoje em dia? É praticado à exaustão na base? Não! Já vi treinos da nossa base e não vejo isso constantemente.
    A maioria dos jogadores hoje não sabem executar os fundamentos razoavelmente.

    Inteligência também pode ser ensinada e praticada. Mas será que quem ensina a base tem essa inteligência?
    A inteligência que falo aqui é a de levantar a cabeça para olhar o jogo, de não ficar marcando (olhando) a bola e deixar o adversário livre (típico no futebol de hoje), saber como jogar com um jogador a mais, saber o que fazer quando o time está ganhando ou perdendo. A maioria dos jogadores de hoje são burros. E não é por que não têm o ensino médio completo ou faculdade. É por que a escola do futebol falhou.

    Mas no mundo capitalista só o resultado importa.

    Técnicos com milhares de esquemas táticos: hoje já se fala em 4-2-3-1. Daqui a pouco será o 2-1-1-3-2-1 e por aí vai. Esses números traduzem um tabuleiro com peças fixas, quando na verdade o futebol bem jogado é feito pela ocupação dos espaços vazios (coisa de jogador inteligente, que o diga o Romário). Com jogadores fixados por técnicos cientistas futebolísticos super valorizados isto não poderá ocorrer. É muita teoria para algo tão simples.
    Quando Coutinho falava de ponto futuro na década de 70 tratava-se disso, ocupar os espaços. Simples, tocar a bola onde o espaço está vazio para o companheiro ir de encontro à ela (Não que ele fosse o técnico exemplo).
    Guardiola falou ao fim do massacre que seu time tem posicionamento feito por ocupação dos espaços vazios. Básico e eficaz. E não quer dizer que os jogadores sejam um bando de doidos que correm pelo campo inteiro parecendo uma maratona. Os jogadores têm posicionamento, mas com liberdade para ocupar os espaços que acharem melhor no momento oportuno.

    Continua...

    ResponderExcluir
  3. O Barça é simples e muito eficiente no que se propõe a fazer. Tocar a bola constantemente como se estivesse brincando de bobinho e, quando estiver sem a bola, retomá-la o mais rápido possível. Percebam a loucura dos jogadores do Barça quando o outro time está com a bola. São dois ou três jogadores correndo iguais loucos atrás da bola e mordendo até retomá-la, sem falta.
    Aí vem aquele comentarista do óbvio, fraco e oportunista da Sportv, Paulo César Vasconcellos, dizer que para jogar como o Barça é preciso imenso vigor físico. Cometário de quem não joga bola.
    Façamos o seguinte, coloque-se todos os jogadores dentro de uma das grandes áreas e faça o goleiro chutar o tiro de meta a partir da mesma área. Assim que o chute for dado, todos os jogadores devem correr em direção ao outro gol. Quem chegará antes, bola ou algum dos jogadores? A bola.
    Dessa maneira, é possível mostrar que ao tocar a bola mais constantemente não são os jogadores que correm mas sim a bola. E também não se vê uma correria constante dos jogadores do Barça para ficarem livre para receber a bola. Eles correm pouco. Portanto, meu amigo jequeano, vê-se que fisico não é o mais importante para um bom jogador, mesmo o futebol resultado pregando isso.

    E antes que digam que o Barça é igual ao carrossel holandês, assistam jogos dos dois times e comparem:
    http://www.youtube.com/watch?v=HvMIISeLcrI
    http://www.youtube.com/watch?v=ZKgPrT2l-JE&feature=related
    É parecido pela quantidade de toque de bola e marcação avançada. Mas os holandeses corriam muito mais.

    Quem quiser ver outro joguinho bom: http://www.youtube.com/watch?v=aXA3CVFjhoU&feature=results_video&playnext=1&list=PL3964BEA86A3D88A2

    E pra não acharem que só há décadas atrás se jogava bem, vejam esse outro massacre:
    http://www.youtube.com/watch?v=EUqO17D0rPU
    Pena que depois a festa e o clima de já ganhou estragou o que poderia ser uma recuperação do nosso futebol.


    Ah, e pensando nosso Jec com relação a isso tudo: volante que só sabe desarmar mas é uma lástima com a bola nos pés, aí está uma excelente razão para o Carlinhos Santos não voltar.
    Nosso time jogou de maneira interessante nesse ano. Dada as proporções, houveram muitos jogos em que o time soube tocar a bola mas principalmente soube se impor em campo.

    Finalmente, acredito que nem tudo está perdido e nem que os outros são o elo perdido.
    Tomara que esse Barça continue jogando assim e ganhe mais uns dez mundiais seguidos. Talvez assim o futebol melhore e expurgue uns Mourinhos, Felipões, Luxemburgos, Manos e outras desgraças.

    ResponderExcluir
  4. O torcedor do Ajax que invadiu o campo e agrediu o goleiro do AZ Alkmaar, Esteban Alvarado, durante uma partida do Campeonato Holandês, foi condenado a seis meses de prisão, informou o canal de televisão local "NOS". Na quarta-feira passada, o Ajax vencia por 1 a 0 quando um torcedor invadiu o gramado e tentou acertar o jogador, que revidou com socos e pontapés.

    A equipe responsável pela segurança do estádio teve que intervir, e o árbitro Bas Nijhuis expulsou o goleiro. Inconformados com a situação, o treinador do AZ Alkmaar incentivou os jogadores a abandonarem o duelo como forma de protesto.

    A Federação Holandesa de Futebol (KNVB) decidiu que a partida será jogada novamente com portões fechados no dia 19 de janeiro, com o placar em branco, anulando assim a vantagem conquistada pelo time local antes de a partida ter sido suspensa. A entidade revogou o cartão vermelho mostrado ao goleiro do AZ e multou em € 10 mil (R$ 24,2 mil) o Ajax pelo incidente.

    Ainda chegamos lá.

    ResponderExcluir
  5. Primeiro comentario do blog em 2012;
    Feliz 2012 ao pessoal do Norte, muita saude; porque sucesso só se for no segundo semestre, porque o primeiro sera nosso de novo;
    Abraços Fabricio

    ResponderExcluir
  6. O primeiro comentário do ano é Chapecoense. Só nisso a Chapecoense vai ficar em primeiro este ano hehehe

    ResponderExcluir
  7. Alo galera do blog. Estamos de volta a ativa, que 2012 seja um ano repleto de conquistas e realizações para todos nós. kkkk. Chapecoense ainda ta zonza depois das pauladas na Série C. kkk. Podem ganhar o catarinão, podem! Nós deixamos hehe

    ResponderExcluir
  8. Feliz 2012 todos, que nossos desejos posam se realizar e que DEUS nos proteja em todos os nossos momentos.
    Que nosso Joinville possa nos dar a mesma, ou mais, fecilidade do que nos deu em 2011!
    Este 2011 teve um significado muito grande em minha vida, além do Jec ser campeão nacional, no dia 18/12 nasceu minha segunda filha, a Luiza, presente de DEUS!
    Abraços a todos do blog!

    ResponderExcluir
  9. Em tempos de pouca coisa sobre futebol, vale uma risada dos maqueiros fazendo cagada na copa são paulo de futebol jr.

    http://www.youtube.com/watch?v=w3cjlU-NMow&feature=fvst

    http://www.youtube.com/watch?v=3N6wXz-FH3s&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=4yZi9iy8nJk

    ResponderExcluir